A vulva aberta

by unknown

A vulva aberta 
como os portões da eternidade
eis aí o verdadeiro paraíso
todo um santo graal

A vulva aberta
com seus grandes lábios, 
seu clitóris pulsante, 
seu cheiro

o cheiro o cheiro o cheiro
sublime como
um cântico sagrado 
uma noite fresca de verão
uma nuvem de chuva numa tarde quente

algumas o exalam forte
como quando uma manhã
de sol vermelho sobre a humanidade
invade o olfato
com seu aroma de café

já outras o exalam suave
como um livro ainda novo 
ou o mar levantando a maré
ou a lenha crepitando perfumada

eu nunca entendi
e não posso entender
esses caras que não gostam 
de chupá-las
de cheirá-las 
de beijá-las
eu realmente
não os consigo entender

eu não compreendo
como é possível que alguém recuse a salvação?

não! eu não a recuso
eu me entrego
e cheiro e beijo e chupo
até que elas
gemam e gozem e estremeçam
e afundem
suas unhas escarlates
em minhas costas
nuas de prazer

e depois,
quando tudo acaba e elas me sorriem satisfeitas 
eu me permito sentir
um homem
feliz.

________

Sentiu-se contemplado(a)? Então deixe um comentário, uma ou duas palmas, siga o perfil, e se puder compartilhe com quem você suspeita que também se contemplará. Caso queria, leia mais poemas: Amor Amorfo, Design do Eu, Enigma, Fossemos o que temos. Conheça os contos: Helena quase de Tróia, Casa de Espelhos, As contas. Beijos com lábios de navalha na ponta dos olhos.

Like what you read? Give Heberton Baptistela a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.