Fragmentos da geração que nunca termina

Sou ins e ás. Sou impaciente, indecisa, acelerada, ansiosa. Sou toda Y

Sobre trabalhar: Amar o seu trabalho vai além de gostar do que você faz - é um misto de confiar nos seus colegas, de acreditar no por que você faz o que faz e, principalmente, de se sentir bem no final do dia. Finalmente, dentro do mercado de trabalho há quase quatro anos, senti esse prazer. Uma vontade imensa e sincera de sair gritando: "eu amo meu trabalho". Demorou tanto. Por que demorou tanto? Será que demorou mesmo?

Sobre ser milênio: Faço parte da geração que se entedia rapidamente. Não poderia ser diferente diante da velocidade em que as coisas acontecem. Não sabemos apreciar o tempo. Na mesma rapidez em que a sua timeline se atualiza, atualizamos os nossos gostos, interesses e esforços. Basicamente, somos super-ótimos em começar. Mas nos entediamos logo. Nos contentamos em ser péssimos no continuar e… nunca terminamos nada.

Sobre a grandeza: Queremos provocar impactos instantâneos, ser grandes. Quantas vezes pensamos em sair dos nossos trabalhos porque não eram o que 'queríamos para a nossa vida'. E quanta vida há de ser vivida para que a gente entenda que todos nossos feitos nunca serão descartáveis, que temos muito chão pela frente? Temos uma missão. Temos uma razão. Temos um longo caminho a trilhar.

Sobre o Mindfulness: Só existe o agora. O tempo torna-se descartável.

Sobre começar: Somos uma coleção de começos com tanto a oferecer. Uma pena. Fechamos impulsivamente as janelas do que já não faz mais sentido, mas quanto é preciso ser investido para entender o que faz ou não sentido? Temos um leque de opções invejáveis, que nossos pais e avós não tiveram. Temos muitas possibilidades, mas nenhum foco. Nos falta profundidade. Somos começos infinitos.

Sobre o fim: É preciso muito treino, muita prática, muita força de vontade para chegar ao fim. Faculdades levam pelo menos quatro anos, porque queremos encontrar o emprego dos sonhos em quatro meses? Essa é a permanência naquele trabalho que não te realizou. Quando vamos perceber que realização pessoal demanda paciência, sacrifícios, experiência, bagagem, auto-conhecimento?

Sobre eu, sobre você: Seja mais persistente, aprenda a lidar com as frustrações, dê tempo às suas vivências. Não se deixe mover somente por aquilo que não te aconteceu ainda, porque o que você tanto espera pode nunca acontecer. Tenha em mente que os seus sonhos podem mudar. Seja corajoso, seja humilde. Agora é a sua hora de aprender, de se comunicar, de testar e também de negociar.

Sobre nós, Y: Seja mais humano e mais gentil consigo mesmo. E seja agora, não ontem e nem amanhã. Só temos o hoje. Por isso, lembre-se de parar por um instante. Escute. Reflita. Respire. Termine. Tudo tem seu tempo.

Se você gostou desse texto (ou de outro), te peço com carinho para clicar no coraçãozinho ❤ . Assim eu vou saber o que você curte, além de aumentar a chance de outras pessoas encontrarem meus textos por ai. Super obrigada!
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.