Oportunidade, a gente não vê por aqui

Quando se é rico em tudo, exceto em futuro

Polignano a Mare, na Puglia / Foto: Isabella Giordano

Era uma vez as regiões da Puglia e da Basilicata, ao sul da Itália, que encantam o mundo com suas belas paisagens. Mar, montanha, arquiteturas medievais preservadas, um sonho de primavera para que por ali passa.

Isso sem falar na comida. Farta, simples e saborosa. Mama mia!

Orecchiette, pasta típica do sul da Itália / Foto: Isabella Giordano

Por sorte, enquanto viajava, lia ‘A Amiga Genial’, da sagaz autora italiana Elena Ferrante – obrigada Bela por insistir na leitura. O encanto pelo sul se manteve, é claro. Mas depois de Elena, segui estrada com uma lente mais crítica, para além-mar.

A história se passa no pós-guerra, em um bairro popular de Nápoles. A cada página, entrei em um mundo que não me parecia muito diferente do que via. Não digo no sentido da violência, muito presente ao longo da trama, mas da falta de oportunidade.

As cidades que conheci, Molfetta, Trani, Polignano a Mare, Alberobello, Pietrapertosa, Tito e Ostuni, são todas cuidadas, charmosas. No entanto, são totalmente desertas em baixa temporada. Os restaurantes, ocupados apenas por estrangeiros. As casas, muitas rotas e abandonadas. Os moradores locais, prestando serviços ou desempregados. Jovens, mal os vi.

Onde estão? O que fazem? Com o que sonham?

Assim como ao longo da leitura me entristeceu as personagens confinadas a uma realidade a qual não viam escapatória, me abalou mais ainda perceber que essa realidade se estende aos dias de hoje. Um retrato fiel do que observei in loco, do que escutei pelas ruas.

Tive uma impressão de que eram cidades ricas em tudo, em paisagens, comida, abrigo, exceto em futuro. Congeladas no tempo, envelhecidas, regradas pelo turismo e só. Sem perspectivas, sem incentivo à juventude.

No Brasil, vemos muito disso também. São poucos que possuem oportunidades, um presente, um privilégio.

Conclusão do dia

Se você tem condições, tem as tais oportunidades, agarre-as, desfrute-as, valorize-as. Se você vê meios de criar mais oportunidades, o faça também. E quando puder, proporcione novas oportunidades a outros. Ajude a desenvolver potenciais. Pequenos gestos, grandes evoluções.

Assim o mundo gira, buscando viver feliz para sempre. Fim.

Se você gostou desse texto (ou de outro), te peço com carinho para clicar no coraçãozinho ❤ . Assim eu vou saber o que você curte, além de aumentar a chance de outras pessoas encontrarem meus textos por ai. Super obrigada!