Passos Coelho arma-se com pastilhas de mentol para beijar quem for preciso

O melhor primeiro-ministro português dos últimos três anos e meio (na categoria: “pessoas de tez clara”) anunciou à chegada à Assembleia da República vir munido de pastilhas para refrescar o hálito se for necessário beijar alguém na boca para bem de Portugal.

“Que os portugueses saibam que o vencedor legítimo das últimas eleições continua presente para os defender, fazendo todos os sacrifícios pessoais necessários para que o país regresse ao seu voo picado em direção à estabilidade e ao progresso”, afirmou, humedecendo os lábios inexistentes e piscando o olho a Jerónimo de Sousa.

Passos Coelho explicou ainda que não começou agora a trazer consigo pastilhas de mentol, tendo desenvolvido esse hábito nas suas deslocações oficiais a Berlim para tirar da boca o sabor a ânus.