Estupro, a vergonha e o silêncio

O crime que atinge a sociedade e gera medo, sendo responsável pela vergonha e o silêncio por parte das vítimas

Com cerca de 50 mil vítimas anuais, o estupro significa um problema presente no país, significando estupros em todas as horas do dia, segundo pesquisas. O crime, que consiste em relações sexuais sem consentimento de uma das partes, é seguido por casos de violência ou então em atitudes que não são encaradas como tal.

Sentimento de culpa

“Eu tinha 16 anos, foi praticamente meu primeiro namorado. Eu não revidei porque eu tive medo, essa é a resposta. Porque ele era muito maior que eu, muito mais forte. Acabou acontecendo e eu não queria sair de casa, fiquei muito pra baixo, até meus 18 anos, que eu tive que contar pra minha mãe”, conta P.M, vítima de um estupro pelo namorado, ainda menor de idade.

O sentimento de medo é uma constante nesses casos de violência, pelos mais variados motivos. Pelas consequências, pelos julgamentos ou então pela não aceitação do que acontecera.

“A partir daí comecei a tratar com psicólogo, e passei a entender o que era realmente. Se eu tivesse um pouco de noção na época, talvez eu tivesse coragem e menos medo de denunciá-lo”, conclui.

Para Neide Stefani,“a vítima após o ato, sente medo, vergonha e acaba por não entender o por que de ter acontecido com ela, se esconde, muda seu comportamento e por vezes deixa de procurar ajuda. Já os estupradores não demonstram terror a sociedade, agem silenciosamente dando um jeito de conquistar a vitima, ou a família, em pior das hipóteses pegando-a a força.”

Justificativa

As tentativas de justificativas dos crimes praticados são, basicamente, considerar a vítima como culpada. Afirmações como “você pediu para ser estuprada” em decorrência de modos de se vestir e se portar, assim como andar nas ruas sozinhas.

Ao considerar a vítima como motivadora do crime, tira-se toda a responsabilidade do criminoso que, devido a isso, passa a não ter maiores problemas.

A carta

Uma jovem que sofreu abuso ainda na infância, pelo ex namorado da mãe, escreveu uma carta como se ainda estivesse naquela época, e o que foi escrito é realmente triste e revoltante.

Na carta a jovem relata como queria ter contado para sua mãe o ocorrido, mas por medo, se calou.

A mãe dessa garota só ficou sabendo do abuso, anos depois, em meio a uma discussão com a filha, e até hoje, desacreditada, se culpa pelo ocorrido.

Like what you read? Give Rafaela Gomes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.