A geração dos desacreditados


Qualquer um que tenha um objetivo, tenha um sonho ainda não realizado têm primeiro de acreditar em si mesmo. O problema que muitos de nós enfrentamos atualmente é que nos preocupamos em traçar metas, definir destinos, mas não temos coragem de aceitar novos desafios, de arriscar em novas possibilidades e principalmente, em apostar em nossas próprias capacidades.

“Mais cedo ou mais tarde, aqueles que vencem são aqueles que pensam que podem vencer.” — Richard Bach

Acreditar em si mesmo não é algo fácil, algo natural, mas é uma atitude que deve ser criada, uma escolha em sua vida.

A escolha do que você acredita não depende dos seus pais, dos seus amigos ou muito menos do seu chefe, todas as suas crenças dependem totalmente de você. Afinal, os resultados que você vai gerar são destinados para quem? No fundo todas as consequências da sua vida serão reflexos diretos do que você acredita. A escolha do que você acredita depende de você!

A questão é que quando devemos aplicar fé em nossas próprias capacidades, automaticamente milhares de pensamentos negativos surgem em nossas mentes. O pessimismo e o auto-julgamento são os principais vilões em nossas vidas, são os assassinos de sonhos.

“Pense grande. O tamanho de seu sucesso é determinado pelo tamanho de sua convicção. Pense em objetivos pequenos e pode esperar conquistas pequenas. Tenha grandes objetivos e obtenha grande sucesso.” — David J. Schwartz

Os únicos limites para o nosso potencial são aqueles que nós mesmos estipulamos em nossos caminhos. Quando você se imagina realizando o seu sonho instantaneamente reage com aquele pensamento: “Quem dera se eu fosse capaz de realizar isso um dia…” Ou “Se pelo menos eu pudesse tornar isso realidade…” Essas frases tem um poder absurdo de nos enfraquecer e nos tornar menos capazes de agir. Como resultado, perdemos oportunidades de crescer, de tentar coisas novas e criar novos objetivos.

Apesar de termos que acreditar em nós mesmos e investir em nosso potencial, precisamos de apoio e motivação de outras pessoas. Essa é a melhor maneira de conseguir confiança para perseguir um objetivo com determinação e ir mais longe. No entanto, precisamos ser cautelosos com as interferências externas em nossas vidas. Não podemos nos tornar dependentes emocionais de terceiros ou nos apegarmos a bens materiais mesmo que isso nos dê a sensação de bem estar. Infelizmente a vida muitas vezes no força à abandonar nossa zona de conforto para evoluirmos, e, apesar de difícil, é isso que torna o esforço algo gratificante e transforma nossos sacrifícios em recompensas.

“Você tem de acreditar em si mesmo quando ninguém mais o faz. É isso que faz de você um vencedor.” — Venus Williams

A tênue linha entre a busca por apoio pode ser dividida por ceticismo e até mesmo inveja de outras pessoas. Quando temos coragem de contar algum dos nossos sonhos para as pessoas, umas nos apoiam e nos encorajam em nossa jornada, já outras nos desmotivam com conversas, brincadeiras e fofocas. Fuja o máximo que puder de pessoas assim! Se ter que fazer os outros acreditarem em seus sonhos fosse um requisito e um dependência para o sucesso, ninguém nunca teria realizado nada.

Não se preocupe com o que os outros dizem dos seus sonhos, todos temos objetivos diferentes e não cabe a ninguém julgar o que cada um quer para o seu futuro. Existe uma regra chamada 18/40/60 criada por um psiquiatra americano chamada Dr. Daniel Amen, que diz: “Com 18 anos, você se preocupa com o que todos estão pensando sobre você; com 40 anos, você não dá a mínima para o qua alguém pensa sobre você; com 60 anos, você percebe que absolutamente ninguém está pensando sobre você.”

Nossa geração está com a grande doença de se achar inferior a todo mundo, a sofrer com o futuro pois não se preocupa com o caminho a ser percorrido e com medo de correr atrás dos seus sonhos. A cura para essa doença é simples e eficaz, basta acreditar na sua capacidade e no seu potencial, crer que seus objetivos são concretizáveis, perceber que a virtude de acreditar esta dentro do seu ser e que, sem dúvidas, o ponto de ignição para tudo isso é você.


Gabriel Alexandre, 20, é natural de Curitiba, Paraná. Atualmente mora nos Estados Unidos, Washington D.C., em um intercâmbio de Ciência da Computação. Aficionado por livros, games, ficção científica e artes marciais. Seu principal objetivo é poder compartilhar seus insights e pensamentos adquiridos da maneira mais fácil e natural possível.