Inspire & Conte-me
Published in

Inspire & Conte-me

Foto: GAS — Grupo de Atitude Social

O Gás que Aquece e Transforma Vidas

Inspirar uma nova atitude das pessoas e levar dias melhores para moradores de rua. Esse é o objetivo do Christian com o GAS — Grupo de Atitude Social.

Era um dia de inverno, 15 graus em São Paulo quando o professor Christian Francis Braga, ao seguir para o seu trabalho e sem conseguir disfarçar o frio que fazia, escutou de um morador de rua: “Amigo, fica tranquilo, que logo o frio vai passar”.

Christian, sensibilizado com as palavras daquele homem e com a realidade que ele se encontrava — imaginando o frio que ele poderia estar sentindo — voltou naquele dia no mesmo local e o entregou alguns agasalhos. O professor de espanhol, de 44 anos, não imaginava que, a partir daquele momento, a sua vida ganharia um novo sentido e que aquela seria sua primeira entrega de muitas outras.

Assim, em 2016, surgia o GAS — Grupo de Atitude Social. Um projeto social idealizado e coordenado por Christian, que tem como objetivo levar um novo olhar e atitudes mais humanitárias para as pessoas em situação de rua de São Paulo. Pessoas que passam fome, passam frio e, em meio aos passos corridos do dia a dia, permanecem, ainda, despercebidas por grande parte da sociedade.

Mas, por um outro lado, existem pessoas que estão fazendo o bem -sem olhar a quem - ajudando, por exemplo, a melhorar a vida de muitas pessoas que vivem nas ruas, junto ao GAS. Hoje o projeto já possui mais de cem voluntários que se dedicam à causa na capital paulista e que, quinzenalmente, realizam entregas de kits contendo cobertores, café, água, lanches em diversos bairros.

Foto: GAS — Grupo de Atitude Social

Mas, as entregas realizadas pelo grupo são sempre maiores e vão além do material. Cada um precisa estar disposto a levar a alegria, a atenção e, literalmente, o gás para preencher ao máximo o que falta na vida daquelas pessoas, pois o encontro é com olhares tristes à espera de um apoio, de um sorriso, de uma esperança, que ficaram perdidos em seus passados.

Ao escutar cada uma de suas histórias de vida é possível identificar os motivos que os levaram a escolher a rua como uma única opção. Entre eles estão a pobreza extrema causada por falências de empresas e desemprego, a separação do cônjuge, as drogas, o álcool e as doenças mentais. São pessoas que perderam confiança em si, a autoestima e possuem o medo e o orgulho, que contribuem para que eles não busquem o apoio dos amigos ou mesmo da família.

Foto: GAS — Grupo de Atitude Social

Além das questões emocionais, existem também as dificuldades trazidas pelas questões estruturais, políticas e econômicas da cidade. Em São Paulo existem mais de 25 mil moradores de rua, sendo que apenas, aproximadamente, 12 mil deles, praticamente a metade, conseguem vagas nos albergues públicos da capital. Uma realidade que, infelizmente, só tem crescido e quase ninguém vê.

A invisibilidade destas pessoas pela grande maioria da população parte do preconceito. No entanto, entre elas, podemos encontrar artistas, religiosos, estudiosos (em política, por exemplo), antigos empresários e diplomados. Pessoas, que apesar da situação de rua, possuem muitas histórias de vida pra contar. Um dos exemplos, que conquistou a equipe da GAS, é o Dalton, um senhor grisalho, que há quinze anos vive no centro da cidade e lê jornais todos os dias com seu traje social. “O Dalton é tão querido, que mesmo quando o seu local não faz parte da rota, o grupo faz questão de ir e o cumprimentar todas as vezes”. Diz Christian.

“Quanto maior for a nossa compaixão, maior será a nossa capacidade de transformar dificuldades em condições positivas” Frase do líder religioso Dalai Lama, citada por Dalton e registrada pelos voluntários.

O GAS também realiza o encaminhamento de pessoas para os tratamentos relacionados à droga e ao álcool. O projeto realiza mais de 2.400 atendimentos por mês acendendo a esperança, a luz e o amor na vida das pessoas em situação de rua.

Os desafios para continuar com o GAS são inúmeros. Um dos maiores é a arrecadação de valores para poder viabilizar todas as ações e para poder crescer ainda mais com o projeto. Com esse objetivo, o movimento criou uma loja online para comercializar produtos para as doações, assim como produtos para uso próprio (camisetas, bonés, moletons).

O desejo de Christian é que um dia a pobreza acabe e que haja a oportunidade de uma vida digna para estas pessoas em situação de rua. Neste sentido, sua inspiração é o seu filho de 14 anos, que para ele é uma fonte de transformação capaz de contribuir com esse futuro.

Christian não apenas conseguiu esquentar o dia de alguém, mas através de um novo olhar, tem conseguido promover a mudança e levar a esperança para aquecer a vida de muitas pessoas.

Aquele morador de rua, lá do início da história, estava certo com suas palavras: Logo, o frio vai passar.

**

Se inspirou com esta história? Clica na 👏 no final do texto para eu saber que “sim” e para ajudar a inspirar outras pessoas!

*Essa história foi contada especialmente por Ingrid Queiroz para o Inspire & Conte-me, que conta histórias de pessoas que estão empreendendo e transformando o mundo! Conheça outras histórias e se inspire!

Para seguir o nosso perfil no Instagram e acompanhar novas histórias clique aqui.

Para curtir a nossa página no Facebook e acompanhar novas histórias clique aqui.

Para patrocinar ou apoiar esse projeto envie um e-mail para: oi@inspireeconteme.com.br

--

--

--

Histórias de empreendedores que estão inspirando e transformando o mundo!

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ingrid Queiroz

Ingrid Queiroz

Founder na Inspire Narrativas | Empreendedorismo| Narrativas Sociais | Inovação | Impacto social | Storytelling | Documentários ingrid@inspirenarrativas.com.br

More from Medium

Juliette — Les fantômes reviennent au printemps by Camille Jourdy

12. Response: Quiet as a Commodity

Down Goes Denver: 5 Thoughts on a Sweet Win

Where Is The Village?