À DERIVA

Quando você não tem mais vontade de sair, comer e vivenciar algo que no fundo já sabe como vai ser. Todo dia o mesmo looping interminável, insaciável e sufocante. Os pensamentos e sonhos acabam se tornando o refúgio, intocável e espaçoso. Essa fase é a que mais me identifico com aquele sentimento de rodeada por pessoas, mas na verdade sozinha.

Certezas? Algumas.

A primeira delas é que eu afasto as pessoas, depois não acho ninguém realmente interessante (apesar de existir as exceções). A situação vai complicando e o jogo vai mudando, sem perceber. O problema é quando chega a fase hard e só ali é possível ver que as habilidades (-1) não acompanharam o restante.

Após as (in)certezas, temos os compromissos: com o job; familiares; amigos; curso e não acaba nunca mais. Pelo menos essa é a sensação de pressão sem permissão, compondo apenas mais uma boa dose de vida adulta.

Sempre penso que tenho muito para dizer, mas muitas vezes não existe a vontade de falar, transmitir e permitir. Acho a minha doidera nada especial e muito pessoal, na maior parte eu quero manter ela aqui fechada e no restante quero gritar aos sete ventos esse sentimento que me consome, nesse mundo nada frugal.

Agora alguém me fala, existe um fim para essa sensação? Diminui? Melhora?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.