É tanta coisa

A vida é um verdadeiro se vira nos 30, mesmo jovem disso eu posso ter certeza. Sem trabalhar há um tempo me peguei pensando em como viver numa cidade como São Paulo sem ter dinheiro, eu digo hipoteticamente, como sobreviver e viver nesse mar louco de capitalismo sem ter absolutamente nada de dinheiro. Você teria alguma solução?

Eu queria não pensar tanto em dinheiro e em trabalho e em como eu preciso de um rumo imediato na vida, mas me diga como é que a gente faz isso se desde pequeno a gente segue, leia bem, segue uma pressão social em qualquer escolha, oportunidade e caminho que temos?

Pensar demais pesa, meus amigos. Ficar sem trabalho também. Criar um projeto onde o ideal é postar mais de um texto por semana numa rede social também. E hoje eu vi que já fazia quase duas semanas que eu postei meu primeiro texto aqui e até agora não tinha decidido sobre o que escrever novamente. Agora eu estou aqui mais confusa do que quando comecei sem saber exatamente como continuar.

É que é tanta coisa para gente ler, assistir, aprender, entender, compreender, compartilhar, vivenciar, sentir que as vezes eu me perco. Eu penso tanto, projeto tanto e esqueço de me sentir no meu corpo e quando vejo já não estou mais aqui, nem lá.

Sabe, eu queria escrever coisas menos confusas, mas eu também queria um emprego de jornalista cultural, eu também queria viajar a América Latina e conhecer toda essa cultura maravilhosa que a gente tem, principalmente aqui no Brasil. E eu também queria saber como prosseguir e conseguir tudo isso porque eu sei que além de querer eu vou conseguir, só é difícil saber por onde e como começar. Mas eu vou, uma hora eu chego lá.

São tanto questionamentos que as vezes eu me perco em tentar achar uma resposta. Mas é tanta vontade que as vezes eu esqueço de não tentar. Por isso eu vou repetir: só vou, uma hora eu chego lá.