Máquinas de Gerar Oportunidades

Por: Ronaldo Lemos

Muito além de um simples ‘like’: Ronaldo Lemos mostra como transformar as redes sociais em ferramentas para abrir novos caminhos em 2016

Engana-se quem acha que os gadgets que estão ao nosso redor são meros produtos de consumo. Nossos smartphones, computadores e as inúmeras redes sociais que se conectam por meio deles são ferramentas de criação, inovação e transformação social.

Quando a internet surgiu, seu objetivo primordial era ser uma rede de computadores. A ideia era simples: conectar uma máquina a outra, de modo que a informação pudesse circular com mais fluidez entre os diversos cantos do planeta.

No entanto, a partir do final dos anos 90 ficou claro que a internet iria muito além. Ela era também uma rede de pessoas, e não apenas de máquinas. A partir dessa percepção, surgiu uma onda poderosa de oportunidades que dura até hoje. Conectar pessoas gera um valor extraordinário, basta ver as várias redes sociais que nos circundam, conectando-nos por meio de imagens, textos, notícias, interesses e assim por diante. Muitas dessas redes geraram empresas bilionárias. Faz sentido: quanto mais as pessoas se encontram, mais surgem ideias, novas formas de trabalho, de comunicação e ação social. Gente junta cria valor.

Em 2016 a tecnologia será uma aliada para todos os desafios que virão. Usando nossos dispositivos conectados, será possível contar com a ajuda de outras pessoas em momentos difíceis, e não só com a ajuda de pessoas que integram nosso círculo próximo, mas também ajuda de pessoas pouco conhecidas.

Há vários estudos que mostram que nossos laços sociais mais fracos são os que têm maiores chances de nos ajudar em dificuldades, como por exemplo, encontrar um novo emprego, por exemplo.

Um pioneiro dessa constatação foi o sociólogo norte-americano Mark Granovetter. Ao estudar como as pessoas encontram um novo emprego, ele observou que na maioria das vezes isso acontece por meio das relações sociais mais distantes. Uma razão para isso é que nossas relações mais próximas nos levam a oportunidades que já estão no nosso radar. Já nossos conhecidos mais distantes podem nos conectar com chances que estão além do nosso círculo social.

Isso faz com que a tecnologia e as redes sociais tenham um papel essencial nessa dinâmica. Todo bom consultor de carreira do mundo contemporâneo recomenda cultivar o maior número possível de laços fortes, mas também fracos. Nos dias atuais, não há ferramenta mais poderosa para fazer isso do que as redes sociais e nossos dispositivos conectados. Em outras palavras, sabe aquele grupo no WhatsApp que está cheio de pessoas que você não conhece direito? Saiba que ele pode ser um grande aliado no futuro.

A economia do compartilhamento é outra peça importante desse contexto. Um dos elementos mais preciosos para qualquer sociedade é a confiança. Quanto mais as pessoas confiam umas nas outras (e em especial em pessoas desconhecidas) mais oportunidades surgem. Empresas como o Airbnb, Uber, Couch Surfing e tantas outras, apostam justamente na criação de sistemas de confiança objetivos para aproximar estranhos.

Sua grande inovação não é só conectar pessoas, mas criar um uma forma de avaliar, objetivamente, a confiabilidade delas. Toda vez que a alguém aluga um apartamento pelo Airbnb ou anda em um carro do Uber, avalia como foi sua experiência. Essas avaliações ajudam a ir além do senso comum. Criam critérios objetivos para determinar a confiança que podemos depositar na pessoa com quem estamos lidando. Especialmente para países como o Brasil, esses sistemas de confiança podem ser muito valiosos e também uma força para criação de oportunidades.

Por tudo isso, na próxima vez que olhar para o seu celular, tablet, computador ou para o seu perfil em uma rede social, faça a si mesmo uma pergunta diferente: como posso usar essa tecnologia poderosíssima para abrir novos caminhos? Sua carreira e o país agradecem.

Leia também:

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.