4 lições que aprendi trabalhando com desenvolvimento de software

Trabalhar com desenvolvimento de software é desafiador e extremamente gratificante. Projetar pensando que você está ajudando alguém a desenvolver seu trabalho rapidamente, pensar que você está resolvendo o problema de um cliente, é muito prazeroso. Pode parecer um pensamento romântico, uma utopia, mas sinceramente, eu sou apaixonada por tudo isso. Especialmente quando você visita um cliente, apresenta uma solução e ele se surpreende.

Durante este tempo que eu trabalho com software, tive a oportunidade de trabalhar em 3 grandes empresas de Blumenau/SC. Nenhuma delas tem menos de 15 anos, todas já tem produtos que consideram "legado" com muitos clientes, usuários e uma cultura consolidada. Cada uma com sua peculiaridade, mas em todas, a figura do designer ainda é vista com estranheza, nem todos entendem no que a "menina da interface" pode ajudar nos sistemas. E é preciso lembrar o tempo todo que:

Tecnologia é o meio, não o fim.

Trabalhar neste cenário me ensinou algumas lições valiosas:

Entenda como o software funciona

Quando iniciei na área, não entendia bem todas as camadas do desenvolvimento, como poderia ajudar na performance, tudo que eu poderia explorar e os desafios de cada universo. Preste muita atenção nos desenvolvedores, pergunte sempre que tiver dúvidas. Eles vão gostar de saber que você se preocupa e quer entender o trabalho deles. Além disso te ajudará muito a argumentar nas situações onde a equipe não está tão disposta a implementar aquela ideia. Mostre que você conhece as dificuldades e está disposto a ajudá-los a encontrar uma solução.

Compartilhe as decisões

Lembra que lá no início do texto eu comentei que estas empresas têm muitos anos de existência? Consequentemente seus produtos também têm uma certa idade e alguns desenvolvedores estão há muito tempo trabalhando na evolução deles. O fato de chegar na equipe alguém diferente, que não conhece o produto e "quer mudar tudo", pode causar resistência na equipe. Envolva-os nas decisões, compartilhe o seu raciocíonio para solucionar algum problema. Muitas vezes eu usei do artifício de ficar perguntando e construindo uma solução em conjunto para ganhar a confiança da equipe. Funciona!

Repasse o conhecimento

Em empresas tradicionais, a contratação do designer pode ser solitária, ou você terá poucos colegas. Neste cenário, você vai tentar desenvolver todas as interfaces e vai querer participar de todos os projetos, mas vai entender que você não consegue. Não se desespere, dividir o conhecimento e ver a evolução das equipes nas tomadas de decisão é muito graficante. Realize workshops, explique sua linha de raciocínio e os envolva-os nas decisões. Eu concordo com Tim Brown, presidente da IDEO:

O design se tornou importante demais para ficar somente nas mãos dos designers.

Tenha paciência

Para os inquietos, como eu, esta é a tarefa mais difícil, você chega querendo promover mudanças, aplicar todas as técnicas de design que você conhece, e descobre que isso é muito mais difícil do que você imaginava. O mais importante é: Não desista! Cada empresa tem sua cultura, suas dificuldades, e suas vantagens. Tente entender cada umas delas como se fosse um usuário de seu sistema e responda de acordo com a necessidade de cada uma.

Você vai descobrindo que os resultados podem até demorar para aparecer, mas a medida que surgirem irão pouco a pouco impactar toda a cultura da empresa e seus milhares de usuários. São pequenas vitórias. Aproveite-as e compartilhe-as!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.