Os Jazz Messengers são o meu paradigma no jazz. Gosto de praticamente tudo, e busco ouvir as carreiras-solo de cada músico que passou pelos 35 anos do grupo.

(É gente pra cacete!)

Nada mais natural, então, do que escutar os discos do homem responsável por tudo isso. O primeirão… Horace Silver!

Você achou que ele ia falar de quem? Do baterista?

Mas peraí. O nome da banda não é “ART BLAKEY and the Jazz Messengers”?

Pois é. Mas foram os dois músicos que co-fundaram o grupo. Um dos primeiros álbuns, inclusive, leva o nome do pianista como leader!

Art Blakey, who?

Até que cada um tomou o seu rumo, e o baterista Art Blakey carregou o nome pelo resto da vida.

Sim, os Jazz Messengers de Blakey são o combo que mais bem ilustra o que foi o Hard Bop. Mas, se tivermos que pensar em uma só pessoa, ela tem que ser Horace Silver. Dono de um senso de melodia único, conseguiu rapidamente adaptar o estilo excessivamente marcado e ritmado do Bebop, harmonizando os instrumentos, trazendo para o jazz elementos dos outros ritmos negros. Foi um dos pioneiros da revolução dentro da revolução.

E isso, muitas vezes, usando pouquíssimas notas. Veja, por exemplo, o início de “Song for my Father”, a música que coloco nesse post. As 4 notas que ele toca com a mão esquerda duram praticamente a canção toda, conduzem os outros instrumentos, e não saem da nossa cabeça.

No video, Silver cita que a música nasceu de uma viagem sua ao Brasil, onde se encantou com a Bossa Nova. Só que os elementos que a tornam genial vêm, na verdade, de sua origem de Cabo Verde. O pianista ouvia muito seu pai tocando músicas daquele país no violão, e aos poucos passou a incorporar o espírito africano no seu jazz.

(Simplificando DEMAIS, o Hard Bop é o Bebop com mais melodia e elementos de soul, gospel e blues. Pois bem, Horace Silver fez exatamente isso, mas bebendo direto da fonte. Talvez por isso seja tão original, fresco e genial.)

Pra fechar a delícia de escutar Horace Silver, temos o fato de que a música não só é uma homenagem de fato ao seu pai, como é uma foto do Seu John Silver que ilustra a capa do disco mais famoso do pianista.

Papai Silver de boas fumando seu charuto e pensando: “esse meu garoto…”

(Ouçam esse disco inteiro. É uma obra-prima)

Ladies and gentlemen, com vocês, Song for my Father”!