16 aprendizados do Startup Weekend

O Startup Weekend é algo muito transformador e com certeza me mudou muito. Por acontecer tudo em um período tão concentrado de tempo deu pra visualizar bem algumas coisas. Resolvi listar alguns dos aprendizados que tive durante o final de semana. Não encare isso como uma cagação de regra. É só uma listinha de lembretes que eu fiz pra poder ler e repensar sempre que for preciso:

1. Sua ideia vale no máximo R$ 20

Quando começou a apresentação das 50 ideias o pessoal estava meio tímido. Existe muito aquela visão de que ‘minha ideia é sensacional, então não vou divulgar pra ninguém’. Só que a chance de alguém já ter pensado nisso é muito gigantesca. E a chance de ela ser uma ideia de merda é maior ainda. Das nove ideias desenvolvidas, pelo menos sete foram pivotadas.

2. O que importa é a execução

De nada vale uma ideia genial sem execução. Assim como, às vezes, execuções sensacionais salvam ideias de merda. Uma boa equipe, com papeis claros de cada um, é o que faz tudo funcionar da melhor forma possível.

3. Deixe as pessoas participar

Quando já tínhamos uma equipe pré-formada alguém perguntou: “E aí cara, qual é a tua ideia?”. A primeira coisa que eu disse foi “Galera, primeiro de tudo: a ideia não é minha, é nossa”. Simplesmente porque o negócio que a gente ia criar não estava pronto. Estava aberto à desenvolvimento. Aberto à novas ideias, novas experiências. A intenção de fazer uma equipe multidisciplinar era essa: trazer inovação. Sempre tem alguém com algo a agregar, e na hora da idealização do negócio a gente não pode ficar julgando desenfreadamente. Isso é mais ali na frente, na fase de validação.

4. A validação: Contra fatos não há argumentos

Essa é uma máxima bem simples, antiga e verdadeira. Se você quer criar algo ou mudar a opinião de alguém, valide. Vai pra rua e pergunte para o teu público. Pergunte pra quem tem o problema, sem medo, e se prepare: é uma avalanche de informações que inclui até histórias sobre o cachorrinho da pessoa. Depois disso você pode julgar com muito mais inteligência.

5. Motivação

Nunca curti muito isso. Esse negócio de se manter motivado, dinâmicas de grupo, etc… Mas cara, isso é muito importante. Simplesmente porque bad vibes são contagiosas. Quando um cara broxa ele não broxa sozinho, tenha certeza. Foque no lado bom. Foque na solução. As coisas fluem muito melhor e, na pior das hipóteses, você pelo menos não fica sofrendo a toa que nem um idiota.

6. Gentileza

Simplesmente seja gentil. É sério. Isso motiva, cria um ambiente legal, estimula amizades. Quem me conhece sabe que às vezes eu sou bem mal humorado. Mas ser gentil independe disso. É deixar o cara passar na tua frente. É trazer um copo de água ou café. É ser útil sem se oferecer. Ver um problema pequeno e resolver. Gentileza gera gentileza. E existem até estudos que dizem que quando a gente pratica o bem existem reflexos no nosso humor.

7. Gestão de Energia

Tá aqui talvez um dos maiores aprendizados que tive. Discussão é muito boa, mas é preciso gerir a tua energia. Evitar entrar em discussões desnecessárias, evitar ser teimoso. Você não pode chegar no final do dia tão saturado a ponto de não conseguir pensar em mais nada além do trabalho. Existe aquele ponto aonde as pessoas falam um monte e você não entende mais nada. Não deixe chegar a este ponto, hahahahaha…

8. Persistência X Insistência

Entenda que existe uma clara diferença entre persistência e insistência. E não é na ortografia.

9. Alimentação

Este ponto é totalmente relacionado à gestão de energia. Cara, faça uma alimentação leve. Não só no Startup Weekend, mas na vida saca? Você gasta energia pra digerir a comida e comer muita carne não é uma boa ideia em um momento em que você passa por muito stress…

10. Saúde

Eu tenho um pequeno problema de coluna. Na verdade um problema postural que herdei dos tempos em que estudava em Passo Fundo (1 hora de viagem para ir e 1 hora para voltar todo dia). Durante o Startup Weekend aconteceu que começou a doer minha coluna. E eu fico imprestável quando isso acontece. E é pior quando a tua equipe depende de você. Então não custa nada ter um pacotinho de medicamentos do dia-a-dia contigo. Porém, se você não tiver, dor é dor. E dor passa. Não faz mal sentir dor.

11. Objetivos

O que motiva as pessoas são seus objetivos. Cada pessoa tem seus problemas, seus motivos e seus objetivos. A gente precisa entender. E precisa entender também que objetivos pessoais não podem sobrepor os objetivos de um grupo.

12. Minimizar os problemas

Problemas acontecem toda hora. E isso é normal não só no Startup Weekend. Nessas horas as pessoas se desmotivam, brigam… E esquecem o objetivo principal: resolver o problema. Só que há vezes em que é difícil resolver um problema. Aí é preciso minimizar os impactos ao máximo. Gestão de crises é uma merda, porque qualquer alternativa é ruim. O negócio é escolher a ‘menos pior’ e ‘let it flow’.

13. Evangelho segundo Jobs

Faz algum tempinho que percebo isso, mas a literatura autobiográfica desses caras, como o Jobs, basicamente te ensinam a ser um babaca. Mostram a forma negativa como o cara tratava as pessoas e mostra como se fosse algo coolzinho porque ele acabou bem sucedido. Acontece que tem muita gente nova, que esta começando a entrar no mercado e entra com essa mentalidade. Com a ideia de que é um novo Jobs. Que é fodão e vai ficar milionário. Cara, primeiro: ninguém quer um novo Jobs. Segundo: a gente depende das pessoas. Terceiro: não seja um cuzão.

14. Não seja um cuzão

O Masseroni (CEO/Founder da Visor S/A) falou isso em uma palestra, uma citação do Budha. E é simples. Não seja um babaca. Você foi pra o Startup Weekend pra participar e fazer amigos. Não faz sentido você pegar um táxi com uma galera e sair sem pagar. Não faz sentido você se isolar de todos porque pensa diferente. Cara, não faz.

15. Aprender com os erros

A gente erra muito. Erra feio. Erra rude. Mas é aquele negócio que eu falei lá em cima: fail fast. Quanto antes você errar, mais cedo você aprende. Aprenda a errar. Erre. Mas mude.

16. Amizades

Isso não foi um aprendizado, mas foi uma das coisas mais legais que aconteceu. Você encontra muita gente legal e que pensa que nem você. Gente legal pra caralho. E você vai querer continuar falando com essa galera. E abrir uma empresa com essa galera. Então, como eu disse antes, não seja um cuzão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.