Nootrópicos naturais e o aumento da capacidade mental

Não é mais novidade que o mundo mudou. E com ele, mudaram também muitos outros aspectos como o trabalho, a relação do ser humano com o ambiente externo e as questões internas na evolução de cada pessoa.

Devido à estes pontos, hoje é muito comum o aumento nas buscas por medicamentos e técnicas que auxiliem na potencialização da concentração e do foco. Existem até empresas já especializadas no chamado “Biohacking“, como é o caso da Bullet Proof.

Um dos ítens mais populares nas buscas são os medicamentos nootrópicos

No vale do silício a cada dia cresce mais a popularidade dos nootrópicos, conhecidos também como “smart drugs” e nada mais são do que medicamentos, suplementos ou alimentos funcionais que melhoram um ou mais aspectos das funções mentais.

Gráfico de crescimento do interesse a respeito de nootrópicos nos últimos anos

Um dos nootrópicos mais conhecidos é a Ritalina, que se popularizou muito entre os concurseiros e crianças com dificuldade de concentração. Um fato comum é o de pais que dão o medicamento para que as crianças melhorem o seu desempenho escolar, mas a droga pode causar sérios problemas psiquiátricos a longo prazo e dependência.

Uma alternativa às drogas são os nootrópicos naturais, que possuem nutrientes chave para a potencialização das funções mentais. Eles aumentam o metabolismo e a circulação cerebral, protegem o cérebro contra danos físicos e químicos, aumentam a “energia” mental, a vigilância, diminuem a depressão, aumentam a memória e melhoram a capacidade de aprendizado.

Dentre os nootrópicos naturais, os mais conhecidos são o café, o guaraná, o cacau, o chimarrão (muito comum aqui no sul) e o ginseng.

Agora imagine você, fazendo uma prova tomando um café e comendo um chocolate. A cafeína, que é um dos nootrópicos mais usados. Enquanto ela atua inibindo os receptores de adenosina e aumentando a função cerebral, o cacau do chocolate melhora a função cognitiva e a glicose proporciona energia (agradecimentos aos Dr. Gabriel Basso de Moura pelo auxílio).

Em uma pesquisa rápida na internet você pode encontrar mais informações sobre alimentos com substâncias psicoativas estimulantes e benéficas. Fica fácil refazer a sua dieta orientada para a potencialização das funções mentais.

Riscos

É claro que tudo em excesso pode fazer mal. Há estudos que dizem, por exemplo, que a cafeína em excesso à longo prazo pode aumentar a incidência de infartos e causar dependência. O guaraná pode causar ansiedade, taquicardia e aumento de pressão arterial. Nestes casos precisamos ter bom senso para que a nossa intenção de melhorar não acabe tendo o efeito contrário.

E, pra encerrar, deixo aqui um textinho do Dr. Gabriel:

Reflexões…
Ao longo desses 6 anos descobri que nao existe nada no nosso corpo que também não seja encontrado na natureza, no mundo, no chão. Somos fruto da terra e desse planeta e vivemos em constante escala de repasse de matéria necessitando e também sendo alimento. Também somos repletos de eletricidade e magnetismo e a associação da matéria e do eletromagnetismo de forma natural é o que se define por vida em nossa perspecção. Tudo ocupa, tudo vibra, tudo queima. O mesmo fogo ou calor que queima a lenha e o oxigênio na fogueira, é o que queima a glicose dentro da célula, produzindo água. Logo: somos terra, somos água, somos fogo e somos ar. O próprio sangue assume coloração mais avermelhada ao conectar-se com o oxigênio. Por sermos seres materiais, nos envolvemos profundamente com a matéria, com a massa e pecamos por subestimar nosso sentido eletromagnético, apesar de sermos ‘racionais’. Com certeza é muito importante sabermos do que de fato nos resolve na matéria. A medicina ocidental é bastante matemática e baseada em evidências, mostrando-se eficaz ao prevenir e remediar mortes evitáveis, assim como melhora e cura de doenças. Porem, como eu já disse: tudo queima, tudo vibra, e tudo ocupa. Muna-se de boas vibrações, ofereça boa e saudável fonte de glicose para seus neurônios e ocupe o mundo da forma mais natural que possa viver.