#114 Escrever, apenas escrever

Um método simples de compartilhar ideias ou qualquer outro pensamento.

Ou seja, uma ferramenta ao alcance de todos, capaz de causar grandes impactos.

É como vejo a escrita.

Um livro, um artigo, um simples post tem o poder de transformar vidas. Falo por experiência própria.

Mas você não precisa escrever pra isso.

Muitas vezes o impacto causado depende muito mais do momento de quem lê do que do texto escrito. Um mesmo livro, por exemplo, pode não significar nada pra alguém enquanto muda a vida de outra pessoa.

Na minha primeira tentativa de criar um blog, cometia o erro de escrever pensando no impacto que iria causar.

Achava que tudo que escrevia tinha que acabar com uma conclusão profunda ou não teria valor.

Não é assim que funciona.

A escrita pode ser comparada a uma conversa

Escrever é um ato solitário. Mas que pode ser imaginado como uma conversa.

J.D. Salinger disse que ler um bom livro é como ter uma conversa com algum amigo.

“What really knocks me out is a book that, when you’re all done reading it, you wish the author that wrote it was a terrific friend of yours and you could call him up on the phone whenever you felt like it. That doesn’t happen much, though.”

Está tudo bem em “apenas” ler um livro. Você não vai se tornar a melhor versão de si mesmo após cada leitura.

Escrever é a mesma coisa. É como uma conversa. Nenhuma grande conclusão precisa ser alcançada. Nem toda conversa tem um ponto final.

Você pode “apenas” escrever. Um livro, um pequeno texto, um diário.

Não precisa terminar com uma super conclusão. Não precisa mudar a vida de ninguém. Escreva apenas pra se sentir bem.

Se escrever com esse propósito, sobre coisas que vem de dentro de você, cedo ou tarde encontrará uma audiência.

Então, escreva. É uma pena que, pelo menos em nosso país, tão poucos cultivem o hábito de ler e também de escrever.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.