Cresce em mais de 20% o número de casos de dengue no Paraná

No total, são 15 municípios paranaenses que já declararam epidemia e 191 com casos de doença confirmados

Fonte: Secretaria da Saúde — Sesa/Divulgação
Reportagem: Bárbara Tanaka | Edição: Valsui Júnior

Segundo boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Sesa) nesta terça-feira (16), 1.070 novos casos de dengue foram confirmados em todo o o estado, o que representa um aumento de 23% em uma semana. Desde agosto de 2015, o Paraná registra 5.541 casos da doença — sendo que 4.781 foram contraídos dentro do estado e 760 fora dele.

O número de cidades em epidemia (quando a taxa de incidência é maior do que 300 a cada 100 mil habitantes) também aumentou: hoje, Foz do Iguaçu e Serranópolis do Iguaçu integram a lista dos 15 municípios paranaenses. No total, 191 municípios possuem casos da doença confirmados.

O novo informe técnico da Sesa também confirma 48 casos de zika vírus no Paraná. Entre eles, nove são autóctones (quando o vírus é contraído dentro do estado), com um caso em Londrina, um em Nova Prata do Iguaçu, dois em Maringá, dois em Paranaguá e três em Colorado; e 15 importados (quando o vírus é contraído fora do território estadual): um em Alto Piquiri, um em Campo Magro, um em Cianorte, um em Jussara, um em Matinhos, um em Rancho Alegre e nove em Curitiba. Os outros 24 casos ainda não foram investigados para determinar se foram autóctones ou importados.

Campanhas e mobilizações

As mobilizações no mês de fevereiro envolveram os 399 municípios do Paraná no combate ao mosquito Aedes aegypti. Foram realizados mutirões no Carnaval, em que os cidadãos foram convidados a parar o que estavam fazendo e eliminar a água parada que propicia a criação de focos do mosquito nas residências e locais frequentados. No Dia Nacional da Conscientização foram removidos 810 focos e quase um milhão de panfletos foram distribuídos à população.

“Independente dos dias reservados às campanhas e mobilizações, contamos sempre com o apoio dos paranaenses. Todos precisam estar sempre atentos e manter cuidado constante para eliminar os possíveis focos do Aedes aegypti”, conta o secretário estadual da saúde, Michele Caputo Neto.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Jorlab’s story.