As 13 virtudes de Benjamin Franklin

Em 1726, com 20 anos, Benjamin Franklin criou um sistema para desenvolver seu caráter. Em sua autobiografia, Franklin listou as 13 virtudes abaixo:

  1. Temperança: coma sem se empanturrar; beba sem se elevar.
  2. Silêncio: Não fale se não beneficiar outros ou a si próprio; evite conversações superficiais.
  3. Ordem: Faça suas coisas terem seus lugares; faça cada parte dos seus afazeres terem seu horário.
  4. Resolução: Decida quais ações irá realizar; realize sem falhas o que decidir.
  5. Frugalidade: Não crie gastos exceto para fazer bem a você ou outros; não desperdice nada.
  6. Indústria: Não perca tempo; esteja sempre empregado em algo útil; corte todas as ações desnecessárias.
  7. Sinceridade: Não engane; pense inocentemente e de forma justa, e, se falar, fale de acordo com isso.
  8. Justiça: A ninguém prejudicar fazendo-lhe injustiça ou furtando-se a fazer-lhe o bem que lhe seja devido.
  9. Moderação: Evite extremos; tolere injúrias o quanto puder.
  10. Limpeza: Não tolere a sujeira no corpo, roupas ou habitação.
  11. Tranquilidade: Não se perturbe com trivialidades ou acidentes comuns ou inevitáveis.
  12. Castidade: Não use o sexo exceto para fins de saúde e procriação; nunca até a languidez, fraqueza ou de modo a atacar a reputação de outro ou de si mesmo.
  13. Humildade: Imite Jesus e Sócrates.

Ben fez um caderninho em que conferia dia a dia como havia se comportado em relação a elas. O objetivo era diminuir o número de pontos, indicando uma ‘vida limpa’, ou livre do vício.

franklin_industry_thumb

Ele também se preocupou em dar foco em um objetivo a cada semana, colocando o título na parte superior do cartão, seguido de uma breve descrição. Dessa forma, após 13 semanas, ele havia se preocupado por todas as 13 virtudes e então poderia iniciar o processo novamente.

Mesmo que com o passar do tempo, ele viu as marcas diminuírem nos cartões, nunca chegou a cumprir sua meta de perfeição moral, devido à suas falhas mais do que conhecidas (mulherengo e beberrão, que davam-lhe problemas com a castidade e temperança), mas sentiu que se beneficiou com essa tentativa.

“Nunca cheguei à perfeição que eu tinha sido tão ambicioso em obter, e fiquei muito aquém dela. Mas eu era, pelo esforço, um homem melhor e mais feliz do que eu deveria ter sido se não tivesse tentado isso.”