O futuro do transporte para as próximas gerações

Concorrência entre transportes públicos e privados apresenta contrastes na economia do Estado do RS

Divulgação Portal Gaúcha ZH

Por: Luana Meireles, Liege dos Santos e Thiago Nascimento da Luz.

Milhares de pessoas dependem de transporte para se locomover para suas atividades ao decorrer do dia no Estado do Rio Grande do Sul. Seja para ir para o trabalho, colégio, faculdade, ou atividade de rotina que tem ao longo da semana. Com isto, a concorrência entre transporte público e privado está gerando contrastes positivos e negativos na economia dos gaúchos.

Atualmente existe os serviços como Uber e Cabify, WillGo, 99 pop, circulando pelas ruas da região metropolitana de Porto Alegre, para facilitar e dar mais segurança a chegada em determinado lugar.

O crescimento de aplicativos de transporte privado, como por exemplo, o UBER, vem crescendo nos últimos anos. Em Porto Alegre e área metropolitana tem em torno de 14 mil serviços de carros por aplicativos. Quanto maior o número de veículos de transporte particular, mais congestionado é o trânsito daquela localidade, o que torna a rotina e a vida das pessoas mais difícil.“Chegará um momento em que a cidade ficará parada. Ninguém conseguirá se locomover” afirma, diretor executivo da Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP), Gustavo Simionovschi.

A causa do crescimento do transporte privado por aplicativo trata-se de uma alternativa prática e economicamente viável, mas que em longo prazo poderá trazer consequências negativas. As plataformas fazem a intermediação entre motorista e passageiro, cobram o percentual em torno de 25% pra fazer essa transação.

Além de ser prejudicial para a mobilidade da cidade, a falta de regras e exigências fará com que o atendimento às pessoas seja deficitário, já que o operador tem o livre arbítrio para decidir como, quando e onde trabalhar. E, como não existe definição tarifária pelo poder concedente, ao longo do tempo as tarifas destes serviços podem subir significativamente.

Um problema que vem afetando a vida dos motoristas por aplicativos é a falta de inexperiência que os usuários têm ao avaliar sua corrida, pois não sabem avaliar direito os serviços prestados pelos aplicativos. “Hoje tem muitos motoristas que são prejudicados pela avaliação, por exemplo um passageiro deu nota um por que veio um carro da marca palio, como tu vai avaliar uma pessoa sem conhecer as leis e sim a estética”, explica presidente da AMPRITEC, Reinaldo Ramos.

O crescimento do transporte privado por aplicativo vai aumentar o problema do caos das vias de tráfego de veículos, pois menos pessoas vão usar o transporte público coletivo e isso vai aumentar o número de veículos nas ruas, e isso já está ocorrendo. As vias estão cada vez mais congestionadas em função do aumento no número de carros, isso é péssimo para a mobilidade urbana. “Para ter como parâmetro, um ônibus articulado pode transportar 150 pessoas. Um automóvel em Porto Alegre transporta, em média, 1,5 passageiros. Um ônibus articulado poderia retirar 100 automóveis das ruas” , explica diretor, Gustavo Simionovschi.

A associação dos motoristas por aplicativos (AMPRITEC), criada em 2016 com a finalidade de trabalhar em cima da regulamentação do transporte, “a gente começou em Porto Alegre e atender todo o Rio Grande do Sul, com o objetivo inicial da defesa do motorista e a regulamentação”, diz Reinaldo Ramos.

Ano passado lançaram o aplicativo meu carro, realizam a capacitação e vistoria dos carros no Brasil. Pois a Cabify só faz a vistoria, e não faz a capacitação, a UBER não faz vistoria nem capacitação, a 99pop só faz a vistoria do carro então por um lado isso é ruim por que a associação queria que existisse um padrão. Os motoristas dessas últimas são sabem ondem estão errando, e por que estão recebendo notas baixas. E o aplicativo meu carro veio para preencher essa lacuna, pois nesse os motoristas sabem onde estão errando, tendo comunicação entre central e motoristas.

Com o aumento dos aplicativos de transporte, os taxistas estão sendo prejudicados em Porto Alegre, pois não há alguém que fiscalize o número automóveis que possui os aplicativos como Uber, 99pop e Cabify. Ao falar com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), afirmou que Porto Alegre possui 4.080 táxis ativos e regularizados pela EPTC e ao perguntar sobre a quantidade de Uber, falam que não possuem esses dados.

Crédito Thiago Nascimento da Luz

Transporte Público

A má qualidade do transporte público individual, táxis, ou a má qualidade do transporte público coletivo estimulou o surgimento das demais opções de transporte público individual.

Historicamente, o transporte coletivo sofre com a falta de políticas públicas que priorizem o seu desenvolvimento e que incentivem o seu uso. Sempre houve um maior incentivo ao transporte particular e individual, com medidas de governo que isentam impostos para esse segmento. Esse fato, aliado à uma tarifa alta em função da queda de passageiros pagantes e aumento de passageiros isentos, faz com que o transporte coletivo perca em termos de concorrência e não receba a qualificação necessária. “É importante lembrar também que uma cidade que não anda, não produz”, relembra Gustavo.

O taxista, Daniel Rodrigues (43 anos) que trabalha há 25 anos, fala que com o aumento do Uber fica difícil trabalhar. Sendo um mercado concorrido e a cada dia que passa aumenta demanda e motoristas cadastrados.“Tenho amigos que estão migrando para Uber por causa do salário,não tenho nada contra os motoristas de aplicativos, nem sofri nenhum tipo de ameaça”, diz Daniel.

Vozes dos usuários

Lívia Janaina Pereira de Freitas, de 44 anos fala que teve uma indignação com o táxi, “ uma vez estava indo de Alvorada para o Hospital Nossa Senhora da Conceição, fui levar a minha filha que estava doente e ao chegar na ponte a bandeira do táxi mudou para bandeira livre e lhe cobraram R$100,00 até o hospital. E na volta me cobraram apenas R$50,00,depois deste fato só utilizo Uber, sendo um dos fatores da utilização de aplicativos privados e por ser mais barato e acessível”.

Já o estudante de engenharia, Marcus Vinicius dos Santos, de (18 anos) conta que ao voltar de um jogo de futebol, da Arena do Grêmio, chamou um Uber e o motorista negou a corrida, pois não fazia viagens onde morava, “ tive a sorte de ter conseguido um táxi naquela noite”.

1-NOME DO BANCO DE DADOS: EPTC

LINK:http://dopaonlineupload.procempa.com.br/dopaonlineupload/1056_ce_88985_1.pdf

INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Serviço Público de Transporte Individual por Táxi no Município de Porto Alegre

TIPOS DE DADOS DISPONÍVEIS: Dados sobre direitos dos passageiros, direitos dos permissionários e dos condutores auxiliares , veículos e da operação, da tarifa, pontos de estacionamento de táxis.

MATÉRIAS POSSÍVEIS: Regras que a prefeitura pretende aplicar no serviço de táxi em Porto Alegre.

2-NOME DO BANCO DE DADOS: Banco de dados da Uber

LINK: https://www.uber.com/pt-BR/newsroom/fatos-e-dados-sobre-uber/

INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: A Uber é uma empresa de tecnologia que está transformando a maneira como pessoas se movimentam. Ela conecta usuários e motoristas parceiros por meio de seu app.

TIPOS DE DADOS DISPONÍVEIS: Fatos sobre Uber, produtos, o que fazem, como funciona, valores, segurança,

MATÉRIAS POSSÍVEIS: Motoristas de Uber podem virar taxistas.

3-NOME DO BANCO DE DADOS: Dados sobre Lei Geral dos Táxis

LINK:http://www2.portoalegre.rs.gov.br/eptc/default.php?p_secao=156

INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: EPTC

TIPOS DE DADOS DISPONÍVEIS: A nova lei na íntegra, O que diz nova a Lei Geral dos Táxis (lei nº 11.582, de 21 de fevereiro de 2014).

MATÉRIAS POSSÍVEIS: EPTC encaminha proposta que permite a taxistas oferecer descontos nas corridas.

4-NOME DO BANCO DE DADOS: Dados sobre Operação Ar Puro.

LINK:http://www2.portoalegre.rs.gov.br/eptc/default.php?p_secao=220

INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: EPTC

TIPOS DE DADOS DISPONÍVEIS: medir a emissão de gases tóxicos, submetendo ao teste de emissão de poluentes (opacímetro) os veículos que utilizam o Diesel como combustível. Na ocasião, a equipe de fiscalização verifica também outros itens, como equipamentos obrigatórios, documentação dos veículos e dos condutores.

MATÉRIAS POSSÍVEIS: Ação tenta diminuir emissão de poluentes por veículos em Porto Alegre.

NOME DO BANCO DE DADOS: Dados sobre aumento de veículos

LINK: https://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=431490&idtema=153&search=rio-grande-do-sul%7Cporto-alegre%7Cfrota-2015

INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL:IBGE

TIPOS DE DADOS DISPONÍVEIS: Números de transportes em Porto Alegre.

MATÉRIAS POSSÍVEIS: TJ-RS suspende regulamentação de transporte de passageiros por aplicativos em Porto Alegre.

NOME DO BANCO DE DADOS: Dados sobre análise da usabilidade e do serviço dos aplicativos de transporte individual para smartphone 99taxis e Uber.

LINK:http://www.anpet.org.br/xxxanpet/site/anais_busca_online/documents/5_576_AC.pdf

INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: ANPET

TIPOS DE DADOS DISPONÍVEIS: objetivo realizar uma análise da usabilidade e do serviço dos aplicativos de transporte individual para smartphone 99Taxis e Uber.

MATÉRIAS POSSÍVEIS:Projeto que regulamentaria transporte por aplicativo é alterado no Senado.

Fontes:

Liege dos Santos: ATP e AMPRITEC

Thiago Nascimento da Luz: Taxista , usuários de aplicativos e EPTC.

Luana Meireles: Câmara Municipal de Porto Alegre e usuários de Uber.

Like what you read? Give Luana Meireles a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.