Produtos orgânicos em alta na 40ª Expointer

Por Gabriela Holken, Luiza Brandão e Vinícius Farias

A feira de produtos orgânicos foi uma alternativa sustentável para quem visitou a 40ª Expointer, no Parque de Exposição Assis Brasil, em Esteio.

A 40ª Expointer, realizada no Parque de Exposição Assis Brasil, em Esteio, apresentou no Pavilhão da Agricultura Familiar o trabalho de 1.340 famílias expositoras, representando 131 municípios do Rio Grande do Sul.

Na 19ª Feira da Agricultura Familiar, os expositores foram divididos em 198 espaços: 145 agroindústrias, 47 expositores de artesanato rural e indígenas, 6 expositores de Minas Gerais e 4 cozinhas.

A Ilha dos Orgânicos, como popularmente é conhecida, destinada aos produtores de alimentos orgânicos, contou com 16 expositores exibindo itens, como sucos, chás, temperos, mel, rapaduras e bolos.

Doces de frutas orgânicos, produzidos no município de Três Cachoeiras, foram comercializados na Ilha dos Orgânicos na 40ª Expointer. (Foto: Vinícius Farias)

“Nos últimos anos, nós aumentamos a produção de produtos orgânicos para a comercialização na Expointer. (…) Acredito que a busca por uma alimentação saudável aumentou a venda de alimentos orgânicos”. A frase de Marcelo Nunes Vieira, produtor do município de Três Cachoeiras, resume o aumento pela procura de alimentos orgânicos, nos últimos anos, no Brasil e no mundo.

Consumo de produtos orgânicos

De acordo com o Conselho Brasileiro de Produção Orgânica e Sustentável, cerca de 15% da população consome produtos orgânicos. A maior procura por este tipo de alimento está na Região Sul do país, representando 34% dos consumidores. O número ultrapassa o dobro do consumo nacional.

A maior barreira dos produtos orgânicos, conforme a pesquisa, ainda é o alto preço e maior clareza sobre os benefícios desses produtos.

Zuleica Nans, natural de Montenegro, visita todos os anos o Pavilhão da Agricultura Familiar, na Expointer. E este ano não foi diferente. Ela foi às compras na feira de produtos orgânicos e afirma que os benefícios compensam o custo apesar do preço dos alimentos serem altos comparados aos convencionais.

“Apesar do alto preço, os produtos orgânicos não tem agrotóxicos e são bons para a saúde e o meio ambiente. (…) E o sabor também é muito melhorar comparado aos alimentos convencionais”, afirmou Zuleica.

Laura Pivatto, natural de Três Cachoeiras, também visita todos os anos o Pavilhão da Agricultura Familiar. Ela afirma que os produtos orgânicos já fazem parte da sua alimentação e não abre mão de pagar um valor mais caro para consumir orgânicos.

“Consumo alimentos orgânicos para melhorar a qualidade de vida. É uma opção simples para melhorar os hábitos alimentares”, disse Laura.
Exposição de arroz orgânico no Pavilhão da Agricultura Familiar (Foto: Vinícius Farias)

De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, a produção orgânica nacional vem crescendo mais de 20% ao ano. As taxas de crescimento registradas no mundo são menores. Ficaram entre 5% e 11%, de acordo com os dados da consultoria Organics Monitor. Ou seja, o mercado de produtos orgânicos está crescendo no Brasil, embora o país represente menos de 1% da produção e do consumo.

A visibilidade das agroindústrias na Expointer

Os expositores de produtos orgânicos aproveitaram a visibilidade da 40ª Expointer para aquecer a economia. O alto custo para a produção dos alimentos não espantou a freguesia. O preço dos produtos no Pavilhão da Agricultura Familiar agradou aos consumidores e produtores.

Marcelo Nunes Vieira, produtor do município de Três Cachoeiras, afirma que as pequenas agroindústrias têm dificuldades para conseguir alto capital de giro em financiamentos de crédito comparando a médias e grandes empresas. E isso, reflete no produto final. Porém, outro problema preocupa os produtores.

“ As pessoas compram produtos orgânicos nos grandes centros comerciais e acham o preço caro. Se elas comprassem direto do produtor, sem os chamados ‘atravessadores’, o lucro seria maior tanto para o consumidor quanto para o produtor pois o preço é bem mais barato”, afirmou Marcelo.
Arroz orgânico exibido para a comercialização no Pavilhão da Agricultura Familiar (Foto: Vinícius Farias)

Para Bruna Rubiniki Pereira, produtora do município de Nova Santa Rita, a exibição dos alimentos não dá lucro mas sim visibilidade para os produtores.

“As pessoas que vem aqui na feira de produtos orgânicos são mais curiosos do que compradores. Mas para nós isso é muito bom pois elas pegam nosso contato e ligam, após um período, para comprar nossos produtos”, disse Bruna.

Felipe Guerte, produtor do município de Picada Café, também expôs alimentos orgânicos na Ilha dos Orgânicos, no Pavilhão da Agricultura Familiar. A banca apresenta geleias de diferentes sabores. Todos produzidos de forma natural sem a adição de agrotóxicos e conservantes. Ele afirma que as pessoas buscam consumir orgânicos com o objetivo de melhorar a qualidade vida e também, para sentir um sabor mais agradável dos alimentos.

Para Felipe Guerte, a maioria dos consumidores ainda não sabem o que são os produtos orgânicos. (Foto: Luiza Brandão)

Financiamentos e linhas de créditos

A Cooperativas de Crédito Rural com Interação Solidária, Cresol, é uma instituição que ajuda a agricultura familiar disponibilizando serviços financeiros, crédito, desenvolvimento, inclusão social e financeira. Esse sistema de Cooperativas atua, hoje, no Rio Grande do sul, Ceará, Bahia e Pernambuco.

Na 40ª Expointer foi apresentado para os visitantes um espaço especial destinado para os produtores de alimentos orgânicos. O ambiente apresentava os benefícios para o financiamento das linhas de créditos disponibilizadas pela CRESOL.

Cresol apresenta linhas de financiamento de crédito para os produtores de orgânicos. (Foto: Divulgação Cresol)

A cooperativa trabalha com 12 tipos de produtos e serviços. A linha de crédito mais trabalhada é a Pronaf. Rosane Dalsogli, Diretora-Presidente da Cresol Planalto-Serra, explica que o agricultor precisa estar cadastro no Sistema de Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) e procurar uma unidade próxima com os documentos pessoais do solicitante para efetuar a contratação da linha de crédito. Ela ainda lembra que a cooperativa tem um juros menores e apresenta vantagens para o agricultor.

O que é o PRONAF?

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, PRONAF, é um benefício que atende agricultores com renda bruta de até 360 mil por ano Civil, sendo que, 50% dessa renda deve ser rural e atendendo até 4 módulos rurais.

O objetivo do Pronaf é financiar atividades agropecuárias e não agropecuárias interligadas com o turismo rural, produção artesanal, bovinocultura leitera, suinocultura e avicultura.

Cresol aposta na parceria com os produtores de alimentos orgânicos

Apesar do grande consumo pelos alimentos tradicionais, a procura por bem-estar e saúde vem crescendo e os orgânicos cada vez mais ganhando espaço nas prateleiras dos consumidores.

A Cresol trabalha com um grupo de agroecologistas e tem uma linha de crédito especial para as famílias agricultoras de alimentos orgânicos. O objetivo é ajudar no crescimento e na evolução dos produtos orgânicos no país.

De acordo com Rosane Dalsoglio, a procura pela linha de crédito para financiar a produção de alimentos orgânicos cresce a cada mês. Ela afirma que a visibilidade dos orgânicos aumentou devido a exposição na mídia e à procura da população por bem-estar e saúde.

Rosane ainda enfatiza que, a taxa de juros para financiar a produção de alimentos orgânicos é menor do que para convencionais. O objetivo é incentivar as famílias produtoras e gerar renda para os pequenos agricultores.