Chega de crise: é hora de resgatar o jornalismo

A crise do jornalismo já tem mais de uma década. Um de seus gatilhos principais foi, é verdade, a revolução tecnológica da internet. Mas a derrocada da imprensa vem de antes: da falta de imaginação dos empresários e diretores, que não conseguiram vislumbrar outra vida para as notícias que não estivesse ancorada nas rotatórias.

O mundo continuou a girar, mas o papel não. As formas de distribuição do famigerado “conteúdo” cresceram exponencialmente. Infelizmente, a criatividade dos grandes veículos de imprensa não acompanhou o ritmo das novidades. Agora, estamos correndo contra o tempo, tentando pular em um bonde que talvez esteja prestes a criar asas e voar. Mas tentar é preciso.

Porque ser jornalista é algo que está além do trabalho fabril de confeccionar notícias. A profissão está inevitavelmente atrelada aos valores fundamentais da democracia. Portanto, lutar pela permanência e relevância desta atividade tem um significado maior do que apenas manter nossos empregos vivos. Desejamos a existência de um espaço dedicado a manter os poderosos em xeque, a cobrar de políticos a lisura devida a todos os cidadãos.

Este pequeno espaço serve como um ponto de partida. Os textos, análises, dicas e recomendações publicados aqui estarão sempre informados pela busca pelo papel democrático do jornalismo, seja em que modelo de negócio for. Cabe a nós, jornalistas, os detentores deste saber e destes valores, defendê-los e informá-los à sociedade. E é justamente isso o que iremos fazer.

Por isso e para isso decidimos que era hora de extrapolar conversas no Facebook e criar este espaço, dedicado à reflexão em profundidade sobre temas caros a estes três jornalistas incomodados com os efeitos colaterais da crise – a superficialidade das coberturas, a má qualidade das discussões e o apagamento de determinadas agendas. Queremos falar sem crise sobre esta crise: sem medo de propor mudanças, de resgatar valores que parecem ultrapassados e sem afetações desnecessárias. Vamos nessa.

Quem somos

Diogo A. Rodriguez é jornalista, cientista social e criador do Me Explica?, o primeiro veículo de jornalismo explicativo do Brasil. Saiba mais.

Jorge da Matta é jornalista e escritor com participação em seis livros publicados. Pós-graduando em Português – Língua e Literatura. Saiba mais.

Rafaela Marques é jornalista, mestranda em Estudos Culturais, atua no terceiro setor e pesquisa a escalada evangélica na mídia e na política brasileiras. Mora no Rio, mas faz questão de lembrar que nasceu e cresceu em São Luís do Maranhão, de onde se acostumou a ver o mundo de outro ponto de vista, bem diferente daquele de onde fala a grande mídia do país, concentrada no eixo Rio-São Paulo. Saiba mais.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.