Foto: Brunno Covello

Eles precisam ser vistos

Por Daniel Caron, Brunno Covello e Gustavo Jordaky, com texto de Camila Machado, para os Jornalistas Livres

Ensaio fotográfico marca os onze anos do Massacre da Sé, em São Paulo, quando sete pessoas em situação de rua foram assassinadas


Por uma população que não é invisível, por um movimento que tem rostos. É assim o trabalho do Manifesto Fotográfico pela Visibilidade da População de Rua. No holofote estão olhos, ouvidos, desafios, música, expressões e também sorrisos de pessoas em situação de rua em Curitiba.

“É preciso mudar a forma com que a sociedade trata aqueles que vivem nas ruas da cidade”, diz o Manifesto produzido pelos fotógrafos Daniel Caron, Brunno Covello e Gustavo Jordaky.

O lançamento da série fotográfica também coincide com o Dia Nacional da Luta da População de Rua e o Dia Internacional da Fotografia, que acontecem nesta quarta-feira (19). Para os idealizadores, o Manifesto quer dar voz e visibilidade para os moradores de rua, com a dignidade que é inerente a todo o ser humano.

Foto: Daniel Caron
Fotos: Gustavo Jordaky
Foto: Brunno Covello
Fotos: Daniel Caron
Foto: Daniel Caron
Foto: Gustavo Jordaky
Foto: Brunno Covello
Foto: Brunno Covello
Foto: Brunno Covello
Foto: Daniel Caron
Fotos: Gustavo Jordaky
Foto: Daniel Caron
Foto: Daniel Caron