JORNALISTAS LIVRES
Published in

JORNALISTAS LIVRES

André Mesquita, Débora Maria da Silva, fundadora do Movimento Mães de Maio e a artista plástica Clara Ianni

Isso não é comigo!

Livro sobre arte e terrorismo de Estado denuncia a cultura do extermínio e a guerra não-declarada contra a população negra, pobre e periférica

Por Carol Barão, especial para os Jornalistas Livres

Na noite da última sexta-feira (21), a Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, recebeu o lançamento do livro “Esperar não é saber: Arte entre o silêncio e a evidência”, do escritor e historiador André Mesquita, e um debate para 100 pessoas. O foco do trabalho de Mesquita são as intervenções artísticas que expõem e denunciam violências cometidas pelo Estado. A mesa contou com as presenças de Clara Ianni, artista plástica, e de Débora Maria da Silva, fundadora do Movimento Mães de Maio, além do próprio autor.

Em suas 227 páginas, o livro, contemplado pelo Ministério da Cultura e pela Fundação Nacional de Artes — FUNARTE no Edital Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais 2014, e distribuído gratuitamente no local, faz a compilação de documentos, entrevistas, vídeos, fotografias e traz a análise de trabalhos de artistas e ativistas. O objetivo é expor o potencial crítico de ações artístico-políticas realizadas durante as ditaduras do Brasil (1964–1985) e da Argentina (1976–1983).

A ideia do autor é dar continuidade à distribuição gratuita da edição por meio de outros encontros e também enviar a publicação para bibliotecas públicas, museus, residências artísticas centros culturais e sociais, grupos de direitos humanos e movimentos sociais.

Para explicitar a lógica da repressão que, quando não ocultada pelo Estado genocida, é utilizada como dispositivo de terror e controle social, Mesquita divide sua pesquisa em três capítulos. Nos dois primeiros, aborda as intervenções Situação T/T,1 (1970), de Artur Barrio, no qual trouxas ensanguentadas foram lançadas à margem de um córrego em Belo Horizonte, criando um clima de tensão entre as autoridades e a população local, que acreditava se tratar de restos mortais de torturados pelo Esquadrão da Morte, e “Nosotros no sabíamos”, de León Ferrari, que, ao apresentar dados comprovando as atrocidades do governo ditatorial argentino, escutou de seu público exatamente a mesma frase que dá título à obra.

Por meio do vídeo “Apelo” (2014), de Clara Ianni, realizado em parceria com Débora Maria da Silva, mãe de Edson Rogério Silva dos Santos*, o autor se dedica a retratar a violência do Estado hoje, retomando discussões sobre desaparecimento desenvolvida nos capítulos anteriores.

*Edson foi uma das 493 vítimas executadas pelas polícias civil e militar e por grupos de extermínio no Estado São Paulo, no episódio que ficou conhecido como “Crimes de Maio de 2006”.

A chacina de Osasco e Barueri, que deixou 18 mortos e seis feridos, foi citada diversas vezes durante o debate, ilustrando, infelizmente, a atualidade do tema do livro. Segundo Débora, no Brasil há uma cultura velada do extermínio, realizada no contexto de uma guerra não-declarada, em que a faxina étnica foi aceita como forma de desenvolvimento.

“Para nós, a ditadura nunca acabou e tem um alvo certo, que é a população pobre, negra e de periferia. Enquanto não houver justiça, não haverá paz. E o que nós não queremos é essa paz verde-e-amarela que a classe média e a burguesia quer nos oferecer, a paz do cemitério”, complementa.

Quanto à aprovação na Câmara dos Deputados da PEC 171, que reduz a maioridade penal para 16 anos, Débora declara: “Deveriam estar discutindo o fim dos grupos de extermínio e não esse prego na tampa dos caixões dos nossos jovens.

“O Brasil produz 56 mil Mães de Maio por ano”.

Questionado sobre o comportamento dos manifestantes de domingo (16), durante uma intervenção artística sobre os mortos de Osasco e Barueri (saiba mais aqui https://medium.com/jornalistas-livres/marcha-f%C3%BAnebre-permanente-b8fc247af349), que reagiram bradando “Aqui não é lugar para isso”, Mesquita diz ser muito difícil atingir a classe média, porque a ideia da tortura, do desaparecimento e do assassinato caiu na normalidade. Seu livro surge, no entanto, como arma certeira, num momento em que tanto a população quanto as autoridades fecham os olhos para a institucionalização do terrorismo do Estado, como se dissesse:

“Sim, você tem culpa nisso.”

--

--

--

Rede de Jornalismo independente em defesa da Democracia e dos Direitos Humanos.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Jornalistas Livres

Jornalistas Livres

More from Medium

Portraits and Poet’s Choices: Women Loving Women on the Big Screen

Development of Western and Eastern Nations

Fueled by Her Passion and Determination, Harvard Grad Student Jamie Mittelman Creates a Podcast for…

Restoring the Power of Community through Participation: UNDP Participatory Local Recovery Planning…