Polícia Militar de SP age com truculência contra petroleiros em greve e detém três pessoas

Nesta quinta-feira (5/11) a Federação Única dos Petroleiros — FUP entrou no quinto dia de greve e realizou ações por todo o país.

Por Larissa Gould, do Barão de Itararé, especial para Jornalistas Livres. Fotos: SindiPetro-SP e FUP

Na região metropolitana de São Paulo, sindicalistas e movimentos sociais se mobilizaram em frente ao Terminal de São Caetano, por volta de 6h30. “Essa greve está marcada por uma repreensão muito forte”, lamentou Jairzinho, petroleiro aposentado, no 2º Distrito Policial de São Caetano. Ele se referia à truculência com a qual a Polícia Militar e a Gerência da Petrobrás estão levando a greve.

8h

Por volta das 8h da manhã, teve início um ato político pacífico em frente aos portões do Terminal. Lideranças sindicais, trabalhadores da base e movimentos sociais apoiadores da greve puderam fazer discursos contra o plano de desinvestimento da Petrobrás, pela garantia dos recursos dos royalties do pré-sal para a educação e a saúde e, principalmente, gritar contra a privatização da empresa. “Esse é um ato em defesa da Petrobrás, é um ato em defesa do patrimônio do povo”, alegava Auzelio, da FUP.

Estavam presentes movimentos como MST — Movimento dos Trabalhadores Rurais de Terra, Levante Popular da Juventude, CUT — Central Única dos Trabalhadores, CSP — Conlutas, Marcha Mundial das Mulheres, Consulta Popular, MAB — Movimento dos Atingidos por Barragens, Sintaema — Sindicato dos Trabalhadores em água, esgoto e meio ambiente do estado de São Paulo e SindiPetro do Estado de São Paulo.

8h30

Um micro-ônibus com trabalhadores concursados e terceirizados foi orientado pela gerência da Petrobras a forçar a entrada pelo piquete dos petroleiros.

Os trabalhadores em greve, então, sentaram em frente à entrada de carros, junto com representantes dos movimentos sociais. Sentaram homens e mulheres, jovens, velhos e até crianças. Sentaram todos. E conforme o ônibus avançava e os policiais militares tentavam convencê-los a sair, o grupo entoava: “Resistir, Resistir, Resistir…!!”

Para entender1 — As lideranças da FUP tinham acordado com a gerência que o portão de acesso a carros permaneceria fechado. Os trabalhadores que quisessem entrar no Terminal deveriam fazê-lo pelo portão de entrada de pedestres.
Para entender2 — De acordo com os dirigentes do SindiPetro, o ônibus não poderia entrar no terminal independentemente do piquete. A razão: o motorista do micro-ônibus, terceirizado, não pode entrar dentro das dependências da Transpetro, pois não recebe adicional de insalubridade.

8h45

Os polícias começaram a tirar os grevistas e ativistas à força. Chegaram a carregar trabalhadores aposentados e a arrastar mulheres. A ação truculenta incluiu spray de pimenta, disparado pelos policiais contra grevistas e imprensa.

No meio do tumulto, o primeiro trabalhador foi detido: Jair Ap. Campos, o Jairzinho, petroleiro aposentado e coordenador regional do DAES, Departamento de Aposentados da SindiPetro. De acordo com a PM, sua detenção foi causada por "depredação de patrimônio".

A repórter que aqui escreve, junto com outros comunicadores e ativistas, filmava a ação.

8h48

- “A senhora pode dar um passo para trás?”, enquanto me impedia de gravar a segunda detenção. Pedro de Almeida, petroleiro e militante do CSP — Conluntas, era detido de forma violenta por estar filmando a repressão.

- “Estou trabalhando”, mostrei minha identificação de jornalista e não avancei o perímetro demarcado pelo cordão de policiais.

- “Ah… está filmando? Então vai de testemunha!”

Nesse momento tive meu celular - instrumento de trabalho - e documentos apreendidos. Eu não sabia, mas era a terceira detida.

9h

Orientados até aquele momento, Pedro e eu seguimos como testemunhas (pensávamos), e Jair como detido, para o 2º Distrito Policial de São Caetano.

Entramos os três na viatura. No percurso, o policial que dirigia nos disse: — “Olha, queria deixar claro que não tenho nada contra vocês. Se eu pudesse também entraria em greve. Trabalhei na GM e era o primeiro a aderir à greve”.

9h20 (ou próximo disso)

Chegamos ao DP. Nossos celulares (os três aparelhos haviam sido tomados) foram devolvidos e aguardamos o advogado, que chegou em seguida. Após mais de uma hora de espera, nos entregaram o Boletim de Ocorrência para lermos e assinarmos.

De acordo com o documento, os policiais teriam usado de "violência necessária". O B.O. também informava que Jair havia sido detido por depredação, e que Pedro e eu fomos detidos "por desobediência".

Foi nesse momento que descobri que era a terceira detida.

Formalizamos nosso desacordo com o documento e assinamos. O responsável pela ação da Polícia Militar foi o 1º Sargento Guide.

11h30

Após assinarmos o “Termo de Compromisso — Lei 9.099/95” fomos liberados. Saímos de lá com a orientação de retirar a cópia do Boletim de Ocorrência após 5 dias úteis, assim como de comparecer à audiência em juízo no mês de dezembro.

Agradecimentos: à Federação Única dos Trabalhadores e ao SindiPetro, em especial ao advogado Francisco pelo acompanhamento e atenção!

A FUP

Lideranças da greve repudiam ação de utilizar força policial para subjulgar o trabalhador. Em nota, a FUP relatou “A Petrobrás recorre à força policial para tentar impedir os trabalhadores de exercerem o seu legítimo direito de greve. Ontem, a polícia foi truculenta com os dirigentes sindicais no ato do terminal de Guararema e há muitos outros relatos e denúncias de intimidações e agressões a petroleiros, nas mobilizações que acontecem por todo o país”.

Não foi pontual

A ação truculenta da Polícia Militar não foi pontual, na madrugada dessa segunda-feira (2/11), a polícia repreendeu violentamente e deteve o conselheiro e coordenador do Sindicato Deyvid Bacelar, o diretor da CUT-BA Agnaldo Cosme e o jornalista Wandaick Costa. Ontem também houve repressão violenta em Guararema.

Antes mesmo da greve ter início, no dia 13 de outubro, a PM, em mais uma ação violenta, deteve diretores do Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista (Sindipetro-LP).

A greve

De acordo com balanço da federação, divulgado ontem, 48 unidades marítimas aderiram a paralisação, sendo 30 completamente paradas, no norte fluminense. Na Bahia mais de 50% da produção está parada e 80% dos trabalhadores aderiram à greve.

Os trabalhadores de Duque de Caxias também aderiam à paralisação, o carregamento de coque e a entrega de produtos químicos estão parados. No Rio Grande do Norte são 13 unidades paradas, afetando 50% da produção de óleo.

No Ceará a greve teve impacto na produção de 87% do óleo e de 94% do gás. No Espírito Santo, 100% dos trabalhadores das plataformas aderiram à greve.

São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Paraíba, Amazônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná também seguem com paralisações e redução de produção.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.