APEOESP delibera greve, mas não tem unidade na manifestação do dia 13

Os professores estaduais estão em greve desde segunda-feira e tiraram um calendário de mobilizações da categoria

Jornalistas Livres
Mar 18, 2015 · 5 min read

Por Larissa Gould, do Barão de Itararé, especial para os Jornalistas Livres

A última sexta-feira (13) foi um dia agitado para os movimentos sociais e sindicais. O grande ato do Dia Nacional de Lutas em defesa da Petrobras, contra o Recuo dos direitos e pela Reforma Política Democrática e Popular reuniu centenas de milhares de pessoas em todo o país. Aqui em São Paulo, 100 mil pessoas foram às ruas, de acordo com a CUT (Central Única dos Trabalhadores).

O dia foi chamado pela CUT e pelo MST (Movimento dos trabalhadores rurais sem terra), e aderido pelo MAB (Movimento dos atingidos por barragens), UNE (União Nacional dos Estudantes), Levante Popular da Juventude, Campanha da Constituinte entre outros movimentos. Também compuseram o ato o Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e Partido da Causa Operária (PCO).

A Capital teve ainda, no mesmo dia, duas importantes assembleias gerais do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP) e do SindSaúde (Sindicato dos Trabalhadores Públicos na Saúde do Estado de São Paulo).

A APEOESP convocou sua base para se reunir às 14h, no vão do MASP. Por volta de 12h, no entanto, cerca de 1.500 representantes já confirmavam o indicativo de greve. As principais reivindicações da categoria são:

  • Aumento de 75,33% para equiparação salarial com as demais categorias com formação de nível superior;

No entanto, não tinham unidade na participação dos professores no ato chamado pela CUT. A Assembleia geral teve inicio às 14h e contou com 15 mil professores de todo os estado. Por volta das 16h. Após a fala das lideranças inscritas, foi feita a votação que deliberou greve por tempo indeterminado. Maria Izabel Azevedo Noronha, Bebel, presidenta do sindicato informava “greve imediata por emprego, salário, condições de trabalho e água para todos”.

A APEOESP também tirou um calendário de ações para a semana, que conta com visita às escolas, conversas com professores e alunos, reuniões com a comunidade escolar, panfletagens, audiências públicas e assembleias regionais.

A semana de ações será concluída com uma nova Assembleia Geral, que será realizada na próxima sexta-feira, 20 de março. Nesse dia também acontecerá um ato pela Água, chamado pelo coletivo de Luta Pela Água.

Assembleia não tem unidade em participação do Ato em Defesa da Petrobrás.

A assembleia, no entanto, não teve consenso na participação do Dia Nacional de Lutas em defesa da Petrobras, contra o Recuo dos direitos e pela Reforma Política Democrática e Popular. No caminhão de som, alguns dirigentes alegaram que não somariam ao ato.

Edson Carneiro “Índio”, Secretário Geral da Intersindical — uma das forças que optaram por não aderir ao Dia e que possui dirigentes na APEOESP, explicou que para a central não era clara a intenção da ação, mas que estariam em todas as pautas que unificam os trabalhadores. “A Intersindical debateu na sua última reunião da direção nacional e tomamos uma posição de não participar desse dia 13 de março, porque ainda havia muita confusão. Não estava muito claro naquele momento qual era o perfil do ato”. Índio, porém, enaltece que a central repudia os atos do dia 15. “Temos muita clareza que estas manifestações do dia 15 são de setores golpistas, anti-democráticos, que não tem ligação com os interesses da classe trabalhadora e que estão a serviço das organizações do grande capital, das transnacionais do petróleo. É um retrocesso permitir que os trabalhadores acreditem nesses setores que mobilizam”. E finaliza “Temos clareza, nesse momento vamos lutar contra a direita, contra o golpe e contra o Impeachment. Mas, também, fazer toda a luta contra as medidas provisórias 664 e 665, e a defesa dos direitos dos trabalhadores”.

O Partido da Causa Operária (PCO), declaradamente oposição de esquerda do governo, no entanto optou por participar do ato. Antônio Carlos, da direção nacional do partido, enfatiza que a posição não é de apoio ao governo federal, mas de defesa dos trabalhadores. “Estamos em um momento crítico, com o crescimento de setores golpistas, assim como aconteceu em Honduras e no Paraguai. É a política do Imperialismo nesse momento, a direita imperialista que não ganha as eleições, que não consegue apoio do povo e quer caçar o direito da população através de um golpe. Nesse momento os trabalhadores e as suas organizações não podem ter duvida. Nós temos lado, nós do Partido da Causa Operaria — que não apoiamos nas eleições a candidata Dilma — de maneira nenhuma vamos ficar do lado dessa direita golpista.” Antônio Carlos também enfatiza a importância da unidade dos trabalhadores nesse momento “Nós entendemos que a única forma de derrotar a direita é mobilizar os trabalhadores na rua. Não podemos ter nenhuma confiança na fraude do congresso nacional e na justiça reacionária, nós temos que mobilizar os sem terra, os trabalhadores e a juventude para fazer valer” e conclui “O PCO vem nessa manifestação de maneira independe do governo, com as suas bandeiras, mas chamando a unidade de todas as organizações dos trabalhadores para defender os seus interesses diante da crise”.

Por volta das 16h, os trabalhadores do SindSaúde se somaram aos professores para integrar o ato chamado pela CUT. Antes disso, um caminhão de som saiu em um ato separado, composto por uma parcela significantemente minoritária da assembleia que optou por não compor o Dia Nacional de Luta.

O Dia Nacional de Lutas em defesa da Petrobras, contra o Recuo dos direitos e pela Reforma Política Democrática e Popular terminou por volta das 19h na Praça da República, e foi comemorado pelos organizadores e pela militância.

JORNALISTAS LIVRES

Rede de Jornalismo independente em defesa da Democracia e dos Direitos Humanos.

    Jornalistas Livres

    Written by

    JORNALISTAS LIVRES

    Rede de Jornalismo independente em defesa da Democracia e dos Direitos Humanos.

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade