A vez dos eSports

Lotando ginásios no mundo inteiro, com torcidas fanáticas, faixas, gritos e narradores empolgados na transmissão (inclusive do Sportv), esse novo ‘esporte’ tem em sua arena, LEDs gigantes que criam uma verdadeira atmosfera futurística e onde o League of Legends — ou LoL, como é conhecido, mostra o quanto este ‘esporte’ já atingiu marcas impressionantes. (Não consegui escrever esportes sem as aspas. Perdão!)

Você pode até não entender, e confesso que eu também não entendo, mas seus filhos ou sobrinhos com certeza entendem. E acredite, esses times formados por jovens recém saídos da adolescência contam hoje em dia com times estruturados, com atletas que treinam em CTs com direito a acompanhamento nutricional e psicológico todos os dias para jogar vídeo games! Os jogos podem ser de vários estilos — os mais populares são os de tiro (Counter Strike e Call of Duty) e os chamados MOBA, sigla em inglês para arena de batalha online para múltiplos jogadores (Multiplayer Online Battle Arena), como é o caso do League of Legends.

Produzido pela Riot Games, que também organiza o campeonato brasileiro, o LoL é o game mais popular do mundo, com mais de 100 milhões de usuários. A final do Mundial do jogo em 2016 foi transmitida para 23 países e assistida por 43 milhões de pessoas! Para efeito de comparação, a final da NBA do mesmo ano teve 30,8 milhões de espectadores. É impressionante! A ESPN foi o primeiro canal a apostar nos esportes eletrônicos e tem em sua grade hoje 3 programas sobre o assunto.

O Brasil ainda está em 12º lugar entre os consumidores do LoL, que é dominado por países do leste e sudeste asiático, mas com o nosso gosto particular por esportes e tecnologia, o potencial daqui pra frente é enorme e o que pode talvez explicar o investimento de Ronaldo Fenômeno na compra da sociedade do CNB Club. Tido como um dos maiores times do país, que ele agora detém 30% do clube. O Fenômeno promete prospectar patrocínios, passar sua experiência como jogador e empresário, além de apoiar os atletas nessa sua nova empreitada.

Mas quem pensa que só existem times novos com nomes esquisitos se engana, grandes clubes de futebol como o Sporting de Portugal, o Paris Saint Germain, Schalke 04, Valência e também o Santos, mantém times de eSports atualmente em seus investimentos — a maior parte não para jogar Fifa, mas sim os games de MOBA. A NBA por exemplo, acaba de anunciar também a criação de uma liga de eSports em 2018: a NBA 2k eLeague. A coisa parece brincadeira, mas tá ficando séria!

Quem segura os Millennials?