Just Grécia: Milos

Daniel Levi
Mar 13 · 7 min read

Adoramos a viagem até agora, fomos muito felizes em todos os lugares que visitamos e muito gratos às hospedagens oferecidas por nossos amigos. Mas o que queremos é… praia! Sempre. Praia. De preferência, de água cristalina e com pouca gente, sem muvuca, sem farofa, sem bate-estaca nos nossos ouvidos. Por isso, pedimos recomendações à Elisa, nossa querida amiga e anfitriã (grega). Taxativa, nos recomendou fugir de Santorini; fomos então para Milos, uma ilha menos conhecida mas de praias belíssimas, de origem vulcânica, rochosas e do jeito que a gente gosta.

Após uma viagem de 4 horas de barco (saindo de Atenas), chegamos em Adamas, centro (e porto) da ilha de Milos, com dezenas de cafeterias, restaurantes, lojas de artesanatos e mercados. A ilha tem 3 áreas principais: Adamas, Pollonia e Plaka. Os passeios de barco partem de Adamas, região com oferta de hotéis e maior infraestrutura, perto do aeroporto. Ficamos um pouco afastados do centro, longe do porto mas perto das praias, numa suíte rústica e acolhedora. Nossos anfitriões eram um casal de velhinhos que não falava inglês mas compensava na fofura e no recorrente oferecimento de café.

Há algumas opções para conhecer a ilha: alugar um carro, uma scooter, um quadriciclo, uma bicicleta elétrica ou uma normal. Mais uma vez o destino decidiu por nós e demos sorte. Esquecemos nossas identidades na hospedagem e por isso não pudemos alugar um quadriciclo. Num impulso, entramos no ônibus que passava diante de nós naquele momento.

Vinte minutos depois (que é o tempo máximo que leva do centro até a praia mais distante) chegávamos em Pollonia. Devido aos fortes ventos, o mar azul turquesa não estava tão convidativo. Passeando por lá resolvemos parar num restaurante cujo cheiro nos pegou de jeito e não nos soltou mais. O destino, outra vez, cheio de artimanhas. Pedimos uma salada grega e uma lula recheada com cuscuz marroquino que, se fosse possível, te daria para provar agora, aqui, nesse exato momento. Ainda que mais distante do porto, Pollonia tem algumas opções de pousadas. Vale a pena ir até esse vilarejo para almoçar ou jantar, ainda que não tenha tantos restaurantes como Adamas.

No dia seguinte, pegamos outro ônibus (melhor meio de transporte: confortável, com ar condicionado, respeitoso aos horários e barato) e fomos às praias de Tsigrado e Fyliplaka. E aqui começou efetivamente nosso sonho grego. Água azul-turquesa, calma, de temperatura ideal, com direito a polvo grelhado com saladinha à beira-mar.

Tsigrado é uma das mais belas praias, e talvez isso se explique pelo fato de seu acesso desencorajar muita gente, o que beneficia sua conservação. É preciso descer uma escadaria com o auxílio de uma corda (o mesmo para subir, obviamente), e não são poucos aqueles que desistem. A dúvida chegou a passar por nossas cabeças, pois a descida parece bem assustadora. Mas, descendo de costas e devagar, é bastante tranquilo. É uma praia com areia branca, no sul de Milos, entre as praias de Fyriplaka e Gerakas.

Fyliplaka também é linda, com a vantagem de não ter escadaria pra descer. Enorme, de faixa de areia larga e fácil acesso, tem uma parte mais agitada (antes da pedra, com restaurantes e espreguiçadeiras com guarda-sol) e uma mais tranquila (depois da pedra, ideal para mergulhar e reduto de alguns naturistas).

Sarakiniko fica no norte da ilha e é uma das praias mais conhecidas, considerada um dos cartões postais de Milos. É também a mais frequentada (e uma das mais fotografadas da Grécia). Formada por rocha vulcânica branca, parece uma paisagem lunar. Caminhando por ela, é como se a praia estivesse dentro de uma cratera na lua.

Um lugar imperdível para apreciar o pôr do sol é Plaka. Ponto mais alto da ilha, tem ruas estreitas (abertas apenas para pedestres em alguns pontos), muitas flores, casas brancas, lojas de artesanatos e restaurantes. A fortaleza de Kastro, do séc. XIII, oferece uma vista de 360 graus de Milos e outras ilhas. Vale muito a pena assistir ao entardecer e depois jantar num dos inúmeros restaurantes cheios de charme de Plaka.

Ao lado de nossa hospedagem, em frente à praia, encontramos o O!Hamos, um dos melhores restaurantes de Milos. Mais uma vez demos sorte: entramos com facilidade e nos fartamos com suas generosas porções. Descobriríamos mais tarde que o restaurante é tão famoso que é necessário reservar mesa pro jantar: enormes filas se formavam na entrada todas as noites e sempre nos espantavam. Recomendamos a Salada Grega (que dá para duas pessoas) e as carnes de cordeiro e cabra. O!Hamos não é lugar para comer frutos do mar (mais adiante, na mesma calçada, há um restaurante especializado com atendentes supersimpáticos).

Veja abaixo algumas opções de comida:

1. Tzatziki, pastinha com molho de iogurte e pepino; 2. Pitarakia Milou, pastel de queijo; 3. Gyros, “podrão” com pão pita
4. Anchova marinada; 5. Mexilhão com molho de feta e tomate
6. Ouzo, cachaça grega, destilado de anis; 7. Frape, todo mundo anda com seu copinho de café gelado

Como não amar a Grécia?


Onde ficamos:

Iremia Rooms
(Clicando aqui você faz a sua reserva e ainda contribui com o Just Journeys)

Site: https://www.booking.com/hotel/gr/ii-iiii.en.html?aid=1694958&no_rooms=1&group_adults=1

JustJourneys

Experiências de um casal brasileiro viajando pelo mundo

Daniel Levi

Written by

JustJourneys

Experiências de um casal brasileiro viajando pelo mundo

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade