Nar·ra·ti·va

Eduardo Alves
Sep 2, 2018 · 3 min read
De forma acolhedora e afetuosa, se entregar para a escrita pode levar por caminhos únicos de encontro com a sua essência (Foto: Pexel)

Desde cedo, narramos histórias. Ao chegar da escola e contar para os pais o que houve no pátio; falar para os amigos, na adolescência, nossa versão sobre não poder ir a uma festa; justificar para a família o motivo pelo qual escolhemos uma carreira e não outra; um alerta textão no facebook para falar de política, amor… ou até mesmo um áudio gigante no WhatsApp.

Narramos, com frequência, fatos corriqueiros reais e até fictícios e não nos damos conta como eles formam a teia da nossa presença no mundo. Transmitem, não só para os outros, mas para a gente, em sua subjetividade, quem somos e como nos movimentamos na vida.

A Jornada Narrativas de Vida surgiu do uso da escrita como meio para entender esses encontros e desencontros que ora e outra o contar histórias nos traz. Foi a maneira que vi de reunir informações para que pudesse me conhecer melhor, entender a forma com que minhas relações interpessoais se constroem, como minha família influencia na pessoa que sou hoje. Nesse caminho, reuni técnicas e vivências que pude ter ao longo dos últimos anos em minha vida pessoal, mas também por cursos de escrita, ThetaHealingⓇ e processos autodidatas — estar disponível ao mundo é poder acessar informações para, depois, se conhecer e poder compartilhar.

Para que serve?

Para valorizar as experiências e os saberes das pessoas. Por meio do entendimento da sua história, é possível compreender sua própria Narrativa e se apropriar de todo o conhecimento adquirido até aqui e recebido por meio das experiências de sua família. Com isso, é possível impulsionar mudanças e caminhos em sua vida.

Como funciona?

A partir de encontros individuais ou em grupo, o participante analisa sua história de vida, ou uma questão específica, e, junto com o facilitador e por meio de exercícios de escrita, vai desvendando fatores que possam lhe auxiliar a compreender sua essência e propósito ou como assuntos direcionados impactam seu estilo de vida e conexão com o mundo.

O projeto passa por 3 etapas, que são elas:

  1. Eu na Narrativa: processo de coleta de informações, documentos, fotos, objetos e identificar espaços e que considere parte de sua história; organizar dados coletados para que possam ser utilizados.

Na primeira sessão, acontece a definição dos objetivos a serem alcançados com o trabalho. Ao longo do projeto, serão revisitadas e, no final, haverá uma revisão delas.

Qual o resultado esperado?

Buscar compreender suas reações emocionais e corporais em experiências na vida por meio do contato com seu conhecimento já adquirido diretamente e o que está presente na sua família. Com isso, transformar sua postura diante de situações que se apresentam em sua jornada, podendo diminuir o impacto emocional e físico que sofre com elas.

Com apoio do facilitador, o participante pode compreender também a presença do seu passado em sua vida como uma fonte de conhecimento e não de crenças enraizadas e, com isso, construa um presente com auto responsabilidade e planeje seu futuro com confiança e livre-arbítrio.

A reflexão pela escrita pode auxiliar a ter clareza de questões financeiras, relacionamentos, auto estima, confiança, segurança e entendimento do propósito de vida, além de ressignificar sentimentos e emoções.

Tem alguma dúvida? Escreva para eduardo.alves@kayua.com.br e irei responder.

kayua

As palavras tem o poder de refletir para nós algum sentido

kayua

As palavras tem o poder de refletir para nós algum sentido

Eduardo Alves

Written by

Tudo que passa por mim, traz um pouco do que sou, contribui para o que quero alcançar e me auxilia pelos caminhos a seguir. Por vezes, isso vira texto.

kayua

As palavras tem o poder de refletir para nós algum sentido