Milhares de mulheres tomam as ruas do Brasil pelo fim da cultura do estupro

“Hoje a rua está sendo um palco de reivindicação onde podemos mostrar nossa insatisfação de como o mundo nos trata e que juntas nós somos mais fortes sim” — Letícia Pichinin, ativista feminista.

Ato “‎Por Todas Elas” nas ruas da capital mineira. Foto: Mídia NINJA

Em ato realizado em todo o Brasil, milhares de mulheres foram às ruas pelo fim do machismo, da misoginia e pelo fim da cultura do estupro. Após o caso da adolescente estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro, em que os próprios criminosos gravaram e divulgaram em redes sociais as imagens do estupro, a internet foi inundada com vários posts de repúdio à violência contra a mulher e em protesto, um grande ato foi organizado através do Facebook. Cerca de 16 estados realizaram manifestações com o tema “Por Todas Elas” em mais de 50 cidades. Algumas cidades realizaram o ato na tarde do dia 31, mas a maioria das cidades organizaram o ato para o fim da tarde do dia 1º de Junho — é, Junho começou.

#PorTodasElas em São Paulo. Foto: Mídia NINJA
#PorTodasElas em São Paulo (SP). Foto: Mídia NINJA

“O ato de hoje foi muito importante para despertar a consciência de que a voz de uma é a voz de todas. A nossa voz é diariamente negligenciada em vários segmentos da sociedade e sempre que pudermos nos mobilizar em prol da nossa voz, pra que ela seja ouvida, as coisas ficarão cada vez melhores”, aponta Maria Casadevall, feminista e atriz, no ato de São Paulo.

A cada 11 minutos uma mulher é estuprada no Brasil, os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Porém, como apenas de 30% a 35% dos casos são registrados, é possível que a relação seja “de um estupro a cada minuto”.

“Foi lindo ver as minas gritando com todas as forças, em nome daquelas que não puderam estar ali, inclusive por serem vítimas de abusos e não estarem mais entre nós. Um dos momentos que mais marcou foi quando contamos até 33 e gritamos: quando eu acordei haviam 33 homens em cima de mim. É algo que chocou a população, mas não é o único caso. A cada 11 minutos uma mulher é violentada no país e Joinville é a cidade número um no ranking de Santa Catarina. A luta continua e não vamos nos calar!”, disse Eloyse Caroline Davet, do Movimento Mulheres em Luta (MML) de Joinville, SC.

O grito de #ForaTemer também ecoou nas manifestações em todo o país. As mulheres que estavam nas ruas não se esqueceram de que o governo interino e ilegítimo de Temer é também machista e não representa as mulheres:

“O governo golpista de Michel Temer foi uma facada nas costas de cada uma de nós. Ele simplesmente ignorou a existência das mulheres tirando a nossa representação. E isso afeta no nosso dia a dia. Porque se não tem representação feminina, não tem políticas para proteção e libertação das mulheres. Falta muito pra gente ter segurança de circular livremente sem medo de ser agredida verbalmente, fisicamente e psicologicamente. E se o governo não está disposto a nos ajudar a gente vai pra rua, como estamos fazendo hoje”, afirma Karina Reis, feminista e participante do ato em São Paulo.

#PorTodasElas em São Paulo (SP). Foto: Mídia NINJA
#PorTodasElas em São Paulo (SP). Foto: Mídia NINJA
#PorTodasElas em São Paulo (SP). Foto: Mídia NINJA
#PorTodasElas em São Paulo (SP). Foto: Mídia NINJA

Em colaboração com a Mídia Ninja (https://ninja.oximity.com/article/Milhares-de-mulheres-tomam-as-ruas-do-1)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.