Islamismo, Projeto Humanos e a nossa típica ignorância gratuita

Antes de qualquer coisa, não, não sou islâmico, não pretendo me converter, estou muito satisfeito na minha condição de ateu graças a Deus, porém, cada vez mais entendo uma reflexão que certa vez ouvi de uma amiga, quando vimos uma mulher ser assediada em um São João qualquer desses: “Se todo homem passasse pelo menos um dia no corpo de uma mulher, jamais desrespeitaria, faria fiu fiu ou chamaria de gostosa.”

Por uma enorme coincidência do destino, uma penugem facial vasta, atrelada aos recentes casos de terrorismo na França, os não tão recentes assim como o 11 de Setembro e os conflitos noticiados a exaustão pela mídia, sem o mínimo de cuidado com explicar fatos, causas e efeitos, aliado a gloriosa e sem limites ignorância do ser humano, aquela coisa pujante, que festa é a vida.

Passei a entender como era estar no centro dos olhares de recriminação, das perguntas estúpidas e dos questionamentos ou piadas dos mais variados níveis de retardo e sem o mínimo de noção das implicações que algumas palavras podem tomar.

lainfo.es-36425-islamofobia_francia

Mas, mais do que isso, passei a imaginar, porque sentir é impossível o que os verdadeiros islâmicos passam quando chegam ao ocidente, principalmente as mulheres, que são as maiores vítimas dessa intolerância, ao expressar um simbolo de sua crença de uma forma tão delicada como o uso do “hijab” no dia a dia na rua ou no trabalho.

[gallery size=”medium” link=”file” ids=”2196,2195"]

Nessa temporada do Projeto Humanos, o Ivan Mizanzuk fala exatamente disso e tenta da mais forma mais clara, didática, crua e desenhada possível, mostrar através de depoimentos e histórias de muçulmanos todas as faces do Islamismo através da história, suas ramificações, como a religião na realidade condena o terrorismo e aplicações nos países do Oriente Médio.

projetohumanos

No primeiro episódio somos apresentados a Paula Zahra, uma muçulmana moradora de Curitiba que foi mais uma vitima de intolerância que falei lá em cima por usar um simbolo de manifestação religiosa. Ela ficou conhecida nacionalmente depois de denunciar um casos de agressão que sofre diariamente nas ruas, e o quanto através da sua história podemos criar um grande paralelo entre a violência sofrida pela mulher muçulmana e a do ocidente.

Ainda estamos no começo da temporada e no segundo episódio, o Projeto Humanos realmente entra no cerne da questão com maestria, Ivan explora o conceito da Sharia, um conjunto de leis fundamentadas pelos muçulmanos, qual é a real aplicação dela, como é o funcionamento dessa lei nos países, exemplos de que uma interpretação errada pode levar a condições catastróficas e qual é o papel dela nos países.

O Projeto Humanos sai semanalmente geralmente na madrugada de segunda para terça no site do B9.com.br