Arquitetas paisagistas escrevem,

sobre os trabalhos, as reflexões e os desafios de projetar e plantar jardins e áreas externas de todo tipo.

Nos conhecemos um pouco depois de vencer o período “recém- formadas”. Já éramos arquitetas há um tempo e já tínhamos um tanto de experiência, atuando em escritórios de paisagismo.

Mas mesmo o pedaço que caminhamos antes de nos encontrar, não é muito diferente uma da outra: não tivemos “coragem” de simplesmente praticar nossa “autonomia” profissional logo ao sair da faculdade. Preferimos colaborar com profissionais mais experientes pra entender um pouco sobre a prática real, aprender as coisas que não ensinam na faculdade, aumentar repertório e enfim (e muito importante) ganhar dinheiro. Por que, né? Ter um salário é bem mais garantido do que pendurar uma plaquinha (montar um site) e esperar pelos clientes.

Mas a real é que nossa profissão é um misto de técnica e arte, de criação e desenvolvimento, e pra poder exercer essa parte da arte e da criação, como “colaboradora” de alguém … vai tempo, hein? E muita paciência, e muita prática contra as suas próprias crenças (quando você se vê obrigada a desenhar coisas que não gosta ou que não acredita, pouco funcionais ou incorretas, ou assumir posturas e atitudes das quais discorda)… e por aí vai.

E é daí que vem a inquietação, o siricutico, a vontade de sair correndo — de falar que vai sair pra comprar um lanche e não voltar nunca mais!

E mais hora, menos hora, a gente consegue transformar o siricutico em forças pra se jogar, pendurar a plaquinha e deixar as coisas começarem a acontecer.

E foi assim, já nem “colaborávamos “ mais no mesmo escritório — mas fomos devagarzinho organizando os pensamentos, os sentimentos e juntas construindo um ideal de prática profissional: tudo que queríamos fazer e não conseguíamos, tudo que precisávamos fazer e não queríamos. Como ajustar? Como fazer diferente?

E cá estamos, vivendo e construindo o Lá Fora. 
Deixamos muitas inquietações para trás, encontramos muito mais propósito nos nossos fazeres e abraçamos outros desafios.

Esse blog nasce do desejo de compartilhar um pouco dessa nossa experiência, as conversas que permeiam nossos fazeres, coisas que pesquisamos para melhorar nossa prática profissional e nossos projetos.

Sejam bem-vindos!!!
Tais e Amanda

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.