Artesanato regional traz conceitos de arte e cultura para 12ª edição da Feira Urbana de Alternativas

Além de expor trabalhos, o FUÁ é um lugar de aprendizado e troca de experiências entre jovens artistas de diferentes idades

Por Nicoli Bacelar

Com apenas de 17 anos de idade, Maria Eduarda e o namorado Jhon Wellington são proprietários e idealizadores do ‘Arte da Dúvida’, loja virtual que tem como princípio a valorização da arte.

Maria Eduarda em uma exposição no centro da cidade de Manaus. Foto: Arquivo Pessoal

O projeto iniciou há nove meses com o intuito de propagar a arte por meio da confecção de artesanatos e acessórios sem fins lucrativos. A influência veio do namorado que ensinou os primeiros pontos à Eduarda. Desde então, o interesse cresceu. Foi com a ajuda de amigos, e por meio de tutoriais na internet, que a “Arte da Dúvida” ganhou vida.

“A ideia para o nome da loja surgiu a partir do ato de duvidar, que pode ser visto como o primeiro passo para uma grande jornada de aprendizado”, explica Eduarda. Com base em princípios filosóficos, o termo “arte de duvidar” incita o questionar, e o ato de duvidar como um meio de alcançar o conhecimento.

A loja, que completa um ano em agosto, tem como objetivo dar maior visibilidade ao artesanato local. Os materiais utilizados na confecção das peças são comprados aqui mesmo, no Centro de Manaus, e alguns são encomendados de outros estados, mas todos são feitos à mão.

Eduarda cursa o 3º ano do ensino médio e tem interesse em ingressar na universidade. Ela ainda não decidiu se irá estudar Publicidade ou Psicologia, mas de uma coisa tem certeza: vai conciliar os estudos com a loja e aperfeiçoar as habilidades como artesã a cada dia.

SOBRE

Arte da Dúvida fará parte da programação da 12ª edição da Feira Urbana de Artesanatos (FUÁ), que acontece nesse domingo (7/5), na Fundação Amazônia Sustentável (FAS), localizada na Rua Álvaro Braga, 351, bairro Parque 10. E para saber mais sobre a Arte da Dúvida é só seguir a página do facebook e Instagram no endereço @Artedaduvida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.