No tom: Música independente é destaque nas programações do FUÁ

Em todas as edições, bandas e artistas da música alternativa de Manaus deram ritmo à feira

Por Patrícia Borges

O cantor e compositor Cileno já apresentou suas composições para o público da feira. Reprodução: Facebook

Sustentabilidade, economia criativa e intervenções artísticas são alguns dos ingredientes da Feira Urbana de Alternativas (FUÁ) que, desde a primeira edição, abre espaço para apresentações de bandas e artistas da cena musical independente de Manaus. Em homenagem ao primeiro ano da feira, com edição comemorativa que acontece neste domingo (7), das 9h às 20h, na Fundação Amazonas Sustentável (FAS — Rua Álvaro Braga, 351 — Parque 10), o Lab F5 aborda a trajetória musical que envolve a feira.

Fruto da parceria entre a Casacinco e a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), o FUÁ tem o objetivo de fomentar novos conceitos de qualidade de vida e economia alternativa, além de se destacar também como fomentador da cultura no Amazonas. Artistas como Antônio Pereira, Cileno e a banda Gramophone já apresentaram suas composições próprias para o público da feira já considerado um importante espaço para a difusão da música alternativa e independente de Manaus.

Apresentação de Antônio Pereira na 11ª edição

Segundo a designer Sissy Mendes, uma das organizadoras do evento, com o objetivo de fomentar cultura, o incentivo aos músicos de Manaus sempre foi pauta para o evento. “O FUÁ possui caráter educacional e a gente tenta fomentar também a cultural local, pois a percebemos muito polarizada. Sempre imaginávamos contemplar todas as atividades culturais e, por isso, desde o início, já foi idealizado o projeto musical. Nessa edição comemorativa gravaremos um programa piloto nos estúdios do Uninorte para dar maior visibilidade ao trabalho dos artistas”, explicou a organizadora.

Para o rapper Jander Manauara, responsável pela programação e produção musical, movimentar a música independente dentro de uma feira de sustentabilidade e economia criativa faz girar também uma economia criativa cultural. Desde outubro do ano passado na equipe do FUÁ, para Jander um dos objetivos mais importantes do seu trabalho na feira é fazer a música autoral chegar a novos ouvidos. “A liberdade que tenho para trabalhar e movimentar essa cena alternativa dentro da feira tem gerado um bom espaço para o artista e um bom som para o público. O objetivo é esse mesmo, levar esse trabalho a novos ouvidos e ares”, declarou o produtor.

Ao centro Sissy Mendes e Jander Manauara (Reprodução: Facebook)

Músicos que já participaram do Fuá pontuam a relevância de apresentar seu trabalho na feira. A rapper MC Lary vê a cena do rap manauara abraçada pelo projeto e diz que a feira faz uma ponte entre a mensagem de protesto da rua e o público de outras zonas da cidade. “Tive a oportunidade de apresentar meu trabalho, juntamente com MC Strela, achei maravilhoso. Público muito receptivo, olhares atentos e curiosos para assistirem ao nosso show. Muito importante sentir que o rap foi abraçado pelo meio alternativo e saber que podemos levar a mensagem da rua, a ideia de protesto a um público tão diversificado como o da feira” destacou MC Lary.

MC Lary e MC Strela na 7ª edição

Para Renan Haijin, guitarrista da banda Gramophone, é muito interessante a iniciativa de unir a cena alternativa cultural e econômica em um mesmo evento. Ele acredita que o projeto tem potencial para acontecer em outras zonas da cidade. “Acharia interessante aproximar o projeto de outras classes sociais com menos acesso à informação comparando ao público já frequente, adequar o projeto à realidade da periferia. Tenho curiosidade de ver como o projeto funcionaria na zona leste, por exemplo”, pontua o músico.

Gramophone na 10ª edição

Para a edição de aniversário, a programação musical do FUÁ vai do reggae, rap e dub da Manauara Roots Dub ao regional experimental da banda Os Tucumanus. Afastada da cena musical há 1 ano, a banda Dona Celeste também é destaque no aniversário da feira. 
 
 Line up:

13h — Manauara Roots Dub

14h — Maycon Melo

15h — Roda na Praça (intervenção de clowns)

16h — Dona Celeste

16h45 — DJ Vini Feder

17h30 — Dirigível

18h45 — Mady e Seus Namorados

19h — Os Tucumanus