Personal Digital Branding pode te arruinar

Se feito do jeito errado

Digital Branding é uma caixa de ferramentas que você sempre usa para desenvolver e fazer reparos na sua casa digital, deixando clara a proposta, cuidando da comunicação, planejando e criando conteúdo de acordo com seus temas, valores e objetivos…procurando causar a percepção desejada nas pessoas — Fabrício.

Quando comecei a formatar minhas consultorias e assessorias que vieram para o LED posteriormente, pesquisei sobre digital branding e por profissionais que trabalham na área.

Homens e mulheres com roupa social de tons escuros, pele clara, cabelos sem nenhum fio fora do lugar. “Representações de sucesso” nos negócios que pareciam ter saído de bancos de imagens comuns.

Pode ser que o estilo deles seja aquele mesmo, que seja verdade, mas tudo parecia perfeito demais.

Você pode fazer um site lindo e um trabalho bem feito, e mesmo assim ter humanidade e singularidade. No caso da minha pesquisa não me identifiquei com as imagens que encontrei, práticas, e não tentei me adequar ao “mercado”, evidenciei e trabalhei meu próprio estilo.

Não gosto de falar que sou um profissional de personal digital branding, além de não me sentir representado, meu trabalho é uma mistura de várias ferramentas, estudos diversos e vivências particulares que não cabem no título.

Quando Personal Branding prejudica a sua vida

Se colocar num molde que mal te cabe por achar que é a maneira correta de ter credibilidade é um tiro no pé. O boom dos influencers exibe estilos de vida que despertam o desejo de ser e ter o que eles têm, de ser também um produto, mas o que ali é de verdade? Será que quem você admira não tem seguidores comprados?

Até eu que sou mais despreocupado tenho uns pensamentos tentadores bem nada a ver. O que pode ser um problema do personal branding são as fórmulas, guias, checklists que mais limitam que nos ajudam a ressaltar nossos atributos únicos. Pessoas gostam de trabalhar de maneira diferente de outras. Não vejo motivo para ficar regrando.

Quem aguenta a pressão de ficar se podando, tá de parabéns, pois pode afetar a saúde mental. “Não posso publicar isso. Tenho que lembrar de tirar uma foto no evento que condiz com o que estou fazendo. Só posso mostrar coisas boas”.

Tem época que morro de preguiça de deixar o feed harmonioso, de evitar publicar o cachorro, ou de pentear o cabelo para gravar stories. A minha “bagunça editorial” também faz parte do meu branding. Haters gonna hate, lovers gonna love.

Concordo em investigar práticas, repensar as suas, replanejar, mas sem pirar na competição com nós mesmos.

Dicas para trabalhar seu eu digital

Não finja ser outra pessoa

Nossas personas digitais são apenas recortes de quem somos, só que é perigoso inventar um recorte irreal apenas para tentar atingir um objetivo.

Quanto mais tempo você passa mentindo, mais difícil será sustentar essa marca. Não estou falando de arrumar a mesa de vez em quando para tirar foto para o Instagram se você for uma pessoa bagunceira, e sim criar totalmente uma vida digital falsa que você não gosta para impressionar seguidores, clientes, marcas, ou seja lá quem for.

Procure por profissionais

Se você não sabe por onde começar ou sente que está na hora de deixar outra pessoa contribuir, procure um profissional. Pesquise. A nossa forma de trabalhar, por exemplo, é diferente do Negócio X que aparenta fazer algo parecido.

Se for entregue um manual de marca, não significa que você é obrigado(a) a seguir os direcionamentos para sempre. Pessoas mudam, podemos mudar formas de aplicar ou redefinir.

Quando eu contratei uma designer para trabalhar minha identidade visual pedi que fizesse algo que eu pudesse mudar, e dentro do limite dela, conseguimos.

Fique por dentro

Não dá pra saber de tuuudo que acontece sobre branding, alterações em redes sociais, apps interessantes, mas ao menos um pouco é bom saber para melhorar o que a gente faz. Ao menos “bater o olho” nas novidades de sites especializados de vez em quando.

Converse com quem tá no mesmo barco

Saber o que outras pessoas estão fazendo e deixar que saibam sobre você pode gerar insights incríveis para ampliar seu repertório.

Aproveitando para vender nosso peixinho, o LED está com o Programa Conscienza aberto, além do conteúdo mais teórico, dá pra trocar figurinha com que tiver participando e também com os condutores, nós também estamos na luta.

Veja os detalhes do programa.