As feridas e os prazeres do fazer jornalístico

O escritor argentino Patrício Pron participou de um debate na FAAP no dia 13 de abril, ao lado de Rodrigo Petronio e Antônio Xerxenesky.

Por Larissa Rufato

Filho de dois jornalistas, Patrício Pron observava os pais chegarem do trabalho eufóricos em alguns dias, decepcionados em outros. Sem compreender o que viria pela frente, sempre ouviu deles que podia ser qualquer coisa quando crescer “menos jornalista, padre e policial”.

Formado em Comunicação Social alguns anos mais tarde pela Universidade Nacional de Rosário, Pron acabou contrariando o pedido, indo na mesma direção de seus pais e escolhendo o jornalismo como profissão. No início de sua faculdade, se deparou com frases ditas por seu professor que ecoam em sua mente até hoje:

“Não deixe que a verdade te impeça de escrever uma boa história.”
“Não há perguntas incômodas. Incômodas são as respostas.”

No Brasil pela primeira vez para falar de seu livro O Espírito dos Meus Pais Continua a Subir na Chuva, de 2011, com tradução recém-publicada pela editora Todavia, Pron diz que ganha a vida escrevendo desde os dezenove anos. Seja para a faculdade ou para os jornais, escrever sempre foi a maneira em que ele se expressou de forma mais profunda.

Hoje crítico literário do jornal espanhol El País, ele esteve na FAAP no dia 13 de abril para debater a relação entre o jornalismo e a literatura — ao lado do filósofo Rodrigo Petronio e do escritor Antônio Xerxenesky — , trazendo à tona vários fatores que envolvem não só a história contada no livro, como também a sua própria.

Não há período histórico em que o jornalismo seja tão importante como hoje.”

Analisando o momento atual, Pron afirma que o jornalismo vive duas crises simultâneas: de credibilidade e econômica. Mas isso não é empecilho, pois, para ele, “não há período histórico em que o jornalismo seja tão importante como hoje”, pois este “tem o papel de fazer uma correção das ideias falsas que temos da realidade”. Mas, diz, “através da literatura, conseguimos reconhecer as limitações do jornalismo.”

Em relação às redes sociais, o autor critica a ideia que temos de “experiência” nas redes. “Usamos as redes sociais para compartilhar experiências. Mas se são realmente experiências, elas não cabem na brevidade de um post de rede social.” Diferente disso, “a literatura nos faz presente no momento em que estamos”, afirma.


O espírito dos meus pais continua a subir na chuva tem como protagonista um escritor que retorna à Argentina, pois seu pai, jornalista, está morrendo. Nessa jornada, o protagonista acaba não só envolvido pela história de seu pai, como também pela história de seu país — que para o autor, não há possibilidade de estarem separadas. É a memória individual e seus afetos enredada na memória social e coletiva.

Repleto de lembranças familiares e acontecimentos políticos, o livro tem como “pano de fundo” dessa narrativa, a ditadura que ocorreu na Argentina durante os anos 1970. Embora esse “pano de fundo” seja, a seu modo, o protagonista invisível que (des)conecta a vida desses personagens. A história é alternada entre “autoficção”, listas, enumerações e descrições realistas. Pron descreve o gênero da “autoficção” como uma grande mistura de todos os gêneros, tentando extrair os elementos mais importantes, colhendo o “melhor do jornalismo”. Em suas próprias palavras, para essa história que ele narra não seria possível escrever um romance convencional, pois uma história real não possui um final concreto. Embaralha assim, fatos reais e ficção, em uma mistura descrita por ele com grande nitidez:

“Os fatos reais são impossíveis de lembrar de forma objetiva. Por isso, temos que esperar um pouco de ficção.”


“Só se pode escrever escutando sua voz pessoal e a colocando no papel.”

Ao fim do debate, uma pessoa da plateia pediu para que Pron desse um conselho para quem, como ela, nutrisse a vontade de escrever um livro. O escritor e jornalista não hesitou em dizer que só se pode escrever escutando a nossa voz interna. Ter consciência disso — e dessa voz — é mais importante do que qualquer domínio técnico.

Like what you read? Give LabJor FAAP a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.