Laboratória: Academia de formação ou Head Hunter de Front-End Developers e UX Designers?

Daniella Almeida
Oct 2, 2018 · 9 min read

por Herman Marin, tradução livre por Daniella Almeida

Uma das perguntas que recebemos constantemente é se somos um centro educativo para desenvolver talento feminino em tecnologia, ou se somos head-hunter de Front-End Developers ou UX Designers. Em nossa perspectiva, somos uma combinação dos dois, já que é justamente isso que gera um modelo educativo responsável com nossas estudantes e com as empresas que as contratam.

Esse modelo não só nos permite criar um sistema educativo de excelência e alto impacto que forma Front-End Developers e Ux Designers para o mercado latino americano, mas também gera uma plataforma para oferecer às empresas que recrutam nosso talento acesso a perfis de mulheres com potencial de aprender, dotadas de muita inteligência emocional e personalidade para vencer desafios transcendentais no mundo da tecnologia.

Aqui te contamos as três principais razões pelas quais mais de 200 empresas contratam talento tech com a Laboratória.

1) Talento pré-selecionado entre mais de 12 mil inscritas

Na Laboratória estamos comprometidos em encontrar e formar ao melhor talento feminino da região. Nosso processo de pré-seleção é um ponto chave, já que através dele podemos identificar às postulantes que tem o melhor perfil para terem um bom desempenho durante a etapa de formação em que simulamos o ambiente de trabalho, e logo nas equipes de trabalho das empresas em que as recrutam.

A experiência de termos graduado mais de 800 mulheres como front-end developers ou UX designers nos permite entender através de um processo científico de estudo de dados, qual é o perfil que tem mais oportunidades de obter sucesso em um ambiente desafiador, incerto e de constante autoaprendizagem como é o da tecnologia.

Para podermos identificar esse perfil, desenhamos várias avaliações que consistem em mais de 700 pontos de mensuração de uma candidata.

Essas mensurações durante o processo de pré-seleção se dão através de diversas avaliações:

a) Linha Base: Nos permite entender o contexto pessoal e familiar de nossas candidatas, além de avaliar se são parte do universo no qual estamos buscando encontrar talento — o de jovens mulheres que ainda não tiveram a oportunidade de acessar uma educação formal ou um emprego de qualidade.

b) Exames: Contamos com cinco tipos de avaliações que tomam um período de quatro horas para serem resolvidas em uma plataforma online. Através dessas avaliações, medimos níveis de interpretação de texto, raciocínio lógico e matemático básicos.

c) Pré-Trabalho: É um desafio de aprendizagem através do qual convidamos as candidatas a desenvolverem um produto digital por conta própria. Ao final desse processo, elas tem que resolver um desafio técnico onde identificamos o potencial que têm de aprender de maneira independente conceitos inteiramente novos.

d) Entrevista: Essa é uma entrevista em profundidade com uma das psicólogas da Laboratória, que nos permite verificar a informação que coletamos na Linha Base, verificar a capacidade de cada candidata para comunicar suas idéias e determinar se há um fit cultural com os valores da Laboratória.

e) Pré-Admissão: Aqui fazemos um corte e convidamos as candidatas com melhor perfil a participar de uma semana de classes em Laboratória. Elas trabalharão em equipes desenvolvendo um produto digital com maior complexidade que na etapa de Pré-Trabalho, e nesse processo avaliadas por outras candidatas e pelos coaches da nossa equipe. Isso não só nos permite avaliar sua afinidade com o programa e o grupo, mas também permite que a candidata possa conhecer muito melhor a Laboratória e determinar se é isso que ela realmente quer.

Esse processo requer um investimento importante de tempo e recursos, mas é parte fundamental do nosso esforço para encontrar e formar o melhor talento feminino da região.Com o passar do tempo e a maior exposição do nosso trabalho, cresceu exponencialmente o número de candidatas que recebemos. Cada vez mais são mulheres que vêem no setor de tecnologia e na Laboratória uma oportunidade de transformação pessoal e profissional.

Isso culmina em um processo altamente competitivo, no qual podemos selecionar apenas as jovens com maior potencial. Em cada convocatória participam mais de 12 mil mulheres que expressam seu interesse em ser parte da Laboratória em Lima, Santiago do Chile, Cidade do México, Guadalajara e São Paulo. Desse grupo, 3600 em média realizam todas as provas de avaliação. Apenas 12% são aceitas no programa.

Por nossa missão social e os objetivos que perseguimos o processo de pré-seleção de Laboratória busca identificar talento diverso, que normalmente não está no radar das empresas que estão criando tecnologia. Por isso focamos em mulheres, que não apenas por uma questão de gênero, mas também pelo contexto e experiências que possuem, trazem uma diversidade de pensamento muito valiosa para as empresas.

Para ter maior claridade do que buscamos nas candidatas, detalharemos os três pilares com os quais trabalhamos no processo de pré-seleção.

Potencial de Apredizagem: A candidata tem uma alta capacidade de aprender coisas novas, de fazer coisas por si mesma, sem ter recebido referências antes. Por exemplo: as candidatas tem que escrever sozinhas uma função em JavaScript investigando como desenvolver o processo baseadas em um guia passo-a-passo a ser seguido.

Personalidade: Nossas candidatas tem a disciplina, empatia e perseverança para conseguir conquistas importantes em suas vidas. Nosso processo tem um foco particular na perseverança que no campo da tecnologia é fundamental para crescer profissionalmente. Por exemplo: a candidata está determinada a pesquisar sobre um tema para aprender algo que me ajudará a solucionar um inconveniente ou a gerar uma oportunidade.

Forma de lidar com as emoções: Isso se refere à inteligência emocional da candidata. Buscamos mulheres com bom entendimento e controle de suas emoções pessoais e empatia com pessoas do seu entorno. Por exemplo: as candidatas podem entender quando estão frustradas, e com esse entendimento podem sair da frustração tomando ação para resolver os desafios que estão causando essa frustração.

2) Mais de 1000 horas de aprendizagem em uma sala de aula ágil que simula o ambiente de trabalho profissional

Uma vez selecionadas, as candidatas passam a fazer parte do nosso processo educativo que tem como base uma filosofia de aprendizagem que simula a experiência profissional.

A Agile Classroom da Laboratória é um sistema de aprendizagem focado em Poject Basing Learning, onde as estudantes trabalham em squads (equipes), desenvolvendo produtos reais e complexos em vários sprints (ciclos de trabalho), organizando seu trabalho em Scrumban (marco de trabalho Agile) e aprendendo enquanto criam os produtos. Esse formato nos permite criar referências em nossas estudantes que apoiem o desenvolvimento de duas habilidades técnicas e sócio emocionais simulando o ambiente de trabalho.

Nossa cultura de aula tem quatro pilares.

i) Espaço seguro e de confiança

A confiança é um valor fundamental nas equipes de alto impacto. A Laboratória cria um espaço onde nossas estudantes aprendem a dizer “Não sei” ou “Não entendo”. Além disso, criam também relações-referência com os coaches, para que possam fazer perguntas ou pedir ajuda sempre que necessário.

Contamos com “office hours” em que os coaches ajudam as nossas estudantes a resolver suas dúvidas para avançar no desenvolvimento de seus produtos. Para isso as estudantes devem reconhecer suas necessidades e prepararem-se para resolver essas dúvidas em uma sessão de uma hora com um coach. As sessões requerem um mínimo de pessoas para acontecer e por isso, as alunas devem buscar construir consensos com suas companheiras para formar um grupo grande para essas horas de ajuda.

ii) Mentalidade de Crescimento

As estudantes desenvolvem uma mentalidade que as ajuda a compreender que o esforço é o que molda as habilidades para sair da zona de conforto. Além disso, essa mentalidade é o que impulsiona nossas alunas a se aventurarem por algo novo, e a tentar fazer coisas mais difíceis e transcendentais.

Nosso programa está desenhado para forçar os limites das nossas alunas. E fazemos isso porque acreditamos que é aí que se dá a magia do crescimento.

Na Laboratória não há professores, nem aulas como nos formatos tradicionais. Nossas alunas resolvem desafios reais da indústria e isso as empurra a estar em ambientes incertos todo o tempo.

iii) Autoaprendizagem

É o pilar mais importante para o sucesso profissional na era digital, contar com a habilidade de aprender a aprender.

O ambiente em sala de aula cria as referências necessárias de conduta para lidar com os desafios diários em um ambiente profissional onde é necessário aprender todos os dias. Nossas alunas trabalham mais de 1000 horas simulando o contexto profissional, principalmente fazendo produtos digitais reais em diferentes estados de maturidade.

Por exemplo: os exercícios têm descrições similares aos desafios que teria qualquer uma de nossas estudantes em uma posição de trabalho. Cada equipe tem começa a trabalhar com certos guias de ação, mas depende de elas definir como propor e desenvolver a melhor solução.

iv) Simulando o ambiente de trabalho

Na Laboratória temos poucos meses para preparar nossas estudantes para iniciar uma carreira em tecnologia. Por isso, é importante que durante sua estada no programa se sintam e se comportem como se estivessem trabalhando.

Por isso tomamos as bases da andragogia, que é o estudo das técnicas de aprendizagem orientadas para pessoas adultas, em contraposição à pedagogia, que está dirigida para crianças. A aprendizagem está orientada à resolução de problemas e à criação de projetos e produtos; não está centrada no conteúdo, mas na experiência prática. Essa é a mesma dinâmica do mercado de trabalho para o qual elas entrarão ao final do programa.

Exemplo: A estrutura de início das aulas tem uma primeira semana de on-boarding que simula um processo que teria qualquer pessoa quando entra em uma empresa, e logo, todas as estudantes começam a trabalhar desenvolvendo produtos. Nesse contexto, temos várias guias para facilitar o conhecimento, mas está com as alunas decidir e quanto aprender.

3) Processo de Contratação rápido e transparente, reduzindo custos e incertezas para as empresas

Na Laboratória buscamos gerar o melhor match possível entre as empresas que buscam talento tech e nossas estudantes. Nesse processo trabalhamos de mãos dadas com as equipes de inovação e recrutamento dos nossos clientes — hoje mais de 300 empresas em nível regional — através de nosso serviço de recrutamento de talento tech.

Serviço de recrutamento de talento tech

No mercado de recrutamento há uma grande dificuldade em identificar e acessar talentos em tecnologia. As empresas demoram entre 2 e 3 meses para contratar pessoas que tem as habilidades técnicas e socioemocionais adequadas para suas equipes digitais. Adicionalmente a isso, há pouco conhecimento de como avaliar a esse talento, já que as habilidades que se buscam não provém de carreiras oferecidas pela escolas e universidades tradicionais.

Finalmente, recordemos que apenas 10% das contratações que ocorrem nas equipes de tecnologia são mulheres. Isso impacta profundamente na capacidade de uma empresa desenhar produtos digitais que sejam usados igualmente por homens e mulheres.

Se a sua empresa está pronta para começar a desenvolver seus próprios produtos digitais com uma equipe multifuncional, com o mindset adequado, então o passo seguinte é encontrar o talento que transforme esses produtos digitais em realidade. Para isso geramos a conexão da melhor forma possível com o talento de nossas formandas, que se traduz em:

  • Assessoria e acompanhamento próximo de ambas as partes durante o processo de entrevistas e negociação.
  • Acesso à informação sobre o perfil das nossas estudantes.
  • Acesso à todo nosso pool de talentos regional, sem restrições: Lima, Santiago do Chile, Cidade de México, Guadalajara e São Paulo)
  • Garantia de reposição do talento se não cumpre com as expectativas durante o período de teste em uma companhia (de 3 meses em média)
  • Oportunidade de avaliar nossas estudantes em campo, através de software, eventos e dinâmicas antes e depois da sua formatura.

Te convidamos a trabalhar com a Laboratória para recrutar front-end developers e UX Designers. Conecte-se conosco conhecendo nossa plataforma de recrutamento e entenda os termos e condições desse serviço.

Se a sua empresa está em um processo de transformação digital e você necessita desenvolver as estratégias necessárias para conquistar esse desafio, explore nosso programa de Corporate Training.

Laboratoria

Talent that transforms

Daniella Almeida

Written by

Communications Manager for Laboratória based in São Paulo

Laboratoria

Talent that transforms