Ladies That UX PT
Published in

Ladies That UX PT

Como preparar o Linkedin para contratações

Um resumo de como foi o encontro promovido pelo Ladies That UX Curitiba

Mulher jovem em pose descontraída e ar concentrado usando notebook

No dia 23 de outubro, batemos um papo com as recrutadoras Daniella Campos, Tech Recruiter na Mazzatech e Juliene Rodrigues, Headhuner na Deeploy.me. Foi um momento de muita troca, em que não só as recrutadoras, mas também as Ladies trouxeram um pouco das suas experiências e aproveitaram para tirar as dúvidas com as convidadas.

Não pode participar? A gente é legal e vai contar como foi!

Criando um perfil campeão

Para que recrutadores e recrutadoras possam encontrar você no Linkedin, é importante que ele seja o mais completo possível, mas de forma certeira. Durante a pesquisa por profissionais, as pessoas recrutadoras pesquisam por palavras-chave, analisam suas experiências anteriores e, principalmente, estão em busca de uma pessoa que dê match com a vaga, não só em relação às habilidades técnicas, mas também em relação ao fit cultural.

Aqui vão os 7 pontos principais para você trabalhar no seu perfil.

1. Cargo no título

Coloque a função na qual você espera trabalhar, mesmo que você ainda não esteja atuando na área. Muitos perfis de pessoas que ainda não têm experiência apelam para o “Estudando UX Design” ou “Em transição de carreira” por insegurança, porém a informação que recruiters procuram é pontual, então coloque diretamente o cargo para o qual você está se especializando: UX Writer, UX Researcher, Product Designer. Você terá outro espaço para contar sobre os seus estudos. Não esqueça: na área de produtos e serviços estamos, ou devemos estar, sempre estudando!

Além disso, a não ser que você tenha um cargo de liderança ou especialista, já que isso tem um peso maior na sua carreira, não precisa escrever que é Jr ou Pleno II no título, por exemplo. O que é esperado em termos de senioridade pode variar de empresa para empresa e é mais a forma como você atua e usa seus conhecimentos que vai definir onde você se encontra em relação à vaga quando recrutadores analisam seu perfil.

2. Seção Sobre

Essa é uma das mais importantes para que recrutadores conheçam mais sobre o seu momento atual, conforme a Headhunter Juliene reforçou. Aqui, vale contar brevemente sobre sua trajetória e, se for uma pessoa buscando sua primeira vaga, falar sobre estudos que está fazendo e onde se vê atuando. Isso mesmo! Você pode também pode falar sobre suas expectativas profissionais, como o tipo de ambiente em que gostaria de poder trabalhar, se prefere que seja mais dinâmico e cheio de desafios, se se vê em uma equipe grande ou se atua de forma mais autônoma, se a inclusão é um fator importante para você e outras informações. Essa parte é essencial para demonstrar que você tem fit cultural com a empresa.

Se já tem experiência, pode contar como contribui nas frentes em que atua. Mas não se estenda muito! Você poderá falar mais sobre você durante a entrevista. Vale lembrar que essa seção não precisa ficar eternamente igual. Você pode atualizá-la conforme suas perspectivas forem mudando.

3. Experiências passadas

Durante a pesquisa por candidatos, recruiters buscam entender onde as pessoas já atuaram em uma equipe ou projeto para direcionar melhor as vagas, identificar pontos fortes ou especialidades. Por isso é interessante você descrever as atividades que realizou nos locais onde já trabalhou. Isso vale mesmo para experiências que não tenham a ver com a área de UX. Ao longo da nossa trajetória, adquirimos conhecimento técnico mas também desenvolvemos soft skills e isso pode ser percebido nessa descrição. Ou, ainda, imagine que há uma vaga aberta para uma Health Tech e você trabalhou na área de saúde. Isso pode ser um diferencial que pode levar você a ser escolhida! O mesmo vale para a seção de formação. Adicione todas as que você achar pertinentes para mostrar a sua trajetória.

4. Palavras-chave

Assim como toda rede social, o Linkedin funciona por meio de algoritmos. Pode usar hashtags em suas postagens, quando elas fizerem sentido com o tema. Também aproveite para usar essas palavras-chave nas descrições da seção Sobre e Experiências. Por vezes, quando uma vaga recebe muitas candidaturas, recruiters usam palavras-chave como um filtro para fazer um pré-seleção e isso pode ser sua chance de se destacar.

5. Conteúdo relevante

Fazer postagens de tempos em tempos ajuda muito você a ganhar mais relevância para o algoritmo do Linkedin, impulsionando a encontrabilidade do seu perfil. Você pode comentar sobre um curso que fez, um projeto em que participou, um assunto que aprendeu e gostaria de compartilhar (#usehashtags). Mas é preciso que o conteúdo seja interessante. Enquetes da moda, posts replicados ou polêmicas desnecessárias, ainda que possam gerar um certo buzz, podem mais te prejudicar que ajudar. Não precisa postar todos os dias, mas é legal alimentar o seu perfil com algo feito por você de vez em quando.

6. Você é o que você curte!

Posts que você curte e com os quais interage também fazem parte da sua pegada digital. Quando engajamos em um conteúdo, ele é distribuído para nossa rede e pode aparecer para recrutadores que visitam seu perfil. Por isso muito cuidado com o tipo de interação que você está promovendo. Evite polêmicas e comentários inflamados. Se você demonstra falta de respeito por outra pessoa publicamente, isso pode ser um sinal vermelho para sua carreira pois demonstra a gestores e recrutadores que você não tem inteligência emocional para lidar com conflitos.

7. Se joga, mulher!

Muitas pessoas, principalmente nós, mulheres, costumam sofrer da chamada Síndrome do Impostor, achando que nunca somos boas o suficiente. Houve até uma pesquisa no próprio Linkedin que identificou que o algoritmo mostrava posições com titulação mais alta, como Head ou Líder, para homens muito mais do que para mulheres, pois eles eram o perfil que mais se aplicavam para essas vagas. Até onde se sabe, a equipe Linkedin está tentando fazer sua parte, mas você, mulher, precisa fazer a sua. Se você vê uma oportunidade em que gostaria de trabalhar, mesmo que não tenha todos os requisitos, se candidate (homens fazem isso por muito menos!)! Muitas vezes a descrição da vaga é para um candidato do mundo ideal, mas a realidade é que nunca haverá essa pessoa. Como disse a Débora Carvalho, líder do capítulo Ladies That UX Curitiba:

“Não é você que tem que dizer que serve pra vaga, é a empresa que tem que dizer”.

Se arrisque, o máximo que vai acontecer é você ter uma negativa. Aproveite para pedir feedback e aprender em que pode melhorar.

Bônus da polêmica

O que recrutadores pensam de pessoas que trocam de empresa com pouco tempo de casa?

Muitas vezes optamos por sair de uma posição para outra empresa por nos encontrarmos em uma situação que não atendia às nossas expectativas, seja em relação à nossa evolução profissional, seja por nos depararmos com um ambiente tóxico e uma cultura que não está alinhada com nossos valores. A recrutadora Daniella comentou que é importe ser franca em relação a isso quando a pergunta surgir, mas sem se estender muito. Não é uma seção de terapia, não precisa ficar falando mal da outra empresa, mas comente sua motivação para sair e, principalmente, foque no que você acha que a nova empresa pode te oferecer de diferente e que você gostaria de vivenciar.

Finalizando

Esperamos que essas dicas ajudem vocês a olharem para seus perfis com atenção, prontas para deixá-lo mais afiado para encontrar a vaga dos sonhos.

Júniors: Não se esqueçam de criar seu portfólio e disponibilizar o link para ele. Pode ser um case no Medium ou outra plataforma em que você possa contar como foi seu processo para chegar à solução proposta. O importante é demonstrar a sua linha de raciocínio. Mais do que conhecer o ferramental é saber estruturar as suas decisões e isso pode ser um critério de desempate na sua contratação, mesmo em relação a alguém que já tenha experiência. É verdade esse bilhete, a Daniella contou que aconteceu isso mesmo! ;)

Se gostou do conteúdo, comenta, compartilha e ajude a disseminar conhecimento com as Ladies.

--

--

Conteúdo em português da Comunidade Ladies That UX

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store