Ladies That UX PT
Published in

Ladies That UX PT

Por que criar experiências sensoriais em interfaces?

Sinestesia

Mulher de pele preta, vestindo blusa de gola cinza. Ao redor ondas em dourado e branco emanam dela.
Arte: René Cardillo

Estou em uma vídeo chamada onde tento manter a compostura, enquanto discretamente olho fascinada para o cabelo de Lívia Gabos. Indescritível a sensação magnifica que a Lívia me traz.

Além de ser uma profissional e pessoa que admiro bastante, Lívia aflora o melhor da minha sinestesia. Ela sorri quando me percebe extasiada, olhando para ela. “Meu cabelo está te distraindo né Jana!?”

É tô querendo comer, tá delicioso!

E todas as mulheres na sala caem na risada.

A LadiesthatUX e o Todas as Letras (LGBTI+ in Tech) é um dos poucos ambientes em que me sinto confortável e que as pessoas sabem o quanto “diferente” eu sou.

Afinal o que é Sinestesia?

Provavelmente se você caro(a) leitor(a), não abandonou esse texto e chegou até aqui, deve estar se sentindo muito confuso sobre o diálogo acima.

Calma que eu explico!

Sinestesia é uma palavra que vem do grego e significa “junção de sensações”. Você provavelmente se lembra de ter visto o termo “sinestesia” pelo menos uma vez, nas aulas de Português da escola. Nós aprendemos que sinestesia se refere a uma mistura dos sentidos: sentir o cheiro de uma cor, por exemplo.

Porém, esse termo não se aplica somente ao universo da linguagem.

Sinestesia é um distúrbio neurológico que faz com que o estímulo de um sentido cause reações em outro. Na maioria das pessoas, os estímulos externos recebidos no cérebro são processados paralelamente e em um caminho específico. Ou seja, nenhum cruza com o outro, e eles são interpretados separadamente. Porém, no cérebro de um sinesteta, os caminhos se cruzam, criando um verdadeiro mix sensorial entre visão, audição, paladar, tato e olfato.

Sabe-se que 3,7% de pessoas ao redor do mundo possuem pelo menos um tipo de sinestesia, segundo estudo coordenado por Julia Simner, professora de psicologia da Universidade de Sussex (Inglaterra).

Pessoas com sinestesia enxergam cores em letras, sentem o sabor da sexta-feira, cheiram sua música favorita, ou os números podem ter gosto e cor, as imagens podem ter uma sensação e o som pode ter uma ou mais cores.

Titulo : O que acontece no cerebro do sinesteta? Ai lado um cérebro mudando de cores
Arte: René Cardillo

Existem muitas formas de sinestesia espalhadas pelo mundo. Já foram catalogados mais de 70 tipos distintos de sinestesia, as causas ainda são desconhecidas. Sabe-se apenas que a genética tem influência. “A sinestesia é comum em algumas famílias e está relacionada a pelo menos três cromossomos”, diz a psicóloga britânica Julia Simner, da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

Dados mostram que, entre os que têm sinestesia, quase 50% possui mais de um tipo. Uma pessoa pode possuir diversas relações sinestésicas, enquanto outra apresenta apenas uma.

É algo raro, não anormal. Não é uma doença. É uma característica, assim como ser ruivo ou ter olhos verdes” Sean Day , professor na Universidade de Ohio e presidente da Iasas (Sigla inglesa para Associação Internacional de Sinestetas, Artistas e Cientistas)

Características comuns entre sinestetas

Na infância, os sinestetas têm certeza absoluta que todos percebem o mundo à sua maneira. Quando perguntam para colegas de escola ou familiares, coisas como “Qual a cor do seu nome?”, e recebem um olhar de “Você está ficando louca?” é que percebem que as outras pessoas não compreendem o mundo como eles.

• A sinestesia é involuntária e permanente. Ou seja, as reações acontecem sem que o sinesteta consiga controlar, é automático.

• As percepções sinestésicas geralmente têm uma dimensão espacial. Muitos enxergam as palavras muito claramente em seu campo de visão, escritas em cores diferentes.

• As experiências sinestésicas são muito memoráveis. Um sinesteta geralmente não esquece suas percepções sinestésicas

Pra cada sinesteta, tudo é muito subjetivo e único.

Kristie é designer e sinesteta. Ela relata sua experiência em aprender galês.

Eu queria criar este projeto para explorar a linguagem e as palavras. Letras, palavras e números aparecem em diferentes cores e formas em minha mente e percebi como isso realmente me ajudou a lembrá-los e memorizá-los. A primeira e mais proeminente cor que vi ao olhar para a língua galesa foi um verde-floresta terroso. Esta é a paleta que construí para o projeto (algumas das cores que selecionei para se adequar ao esquema de cores da paleta para complementar as mais dominantes).

Paleta de cores

Sons da língua galesa realmente fizeram cores e formas ganharem vida para mim.

Alfabeto galês codificado por cores

Você pode acompanhar seu projeto aqui http://welshintendays.com/

Somos todos sinestetas

A priori, a sinestesia pode parecer um mundo distante da maioria das pessoas. Mas acontece que todos nós temos alguma forma variável de sinestesia, porque a visão, o som e o toque se relacionam neurologicamente. Isso explica por que entendemos metáforas como, ela é tão doce, este beijo é ardente . E é por isso que entendemos o sentimento entre essas duas opções de fonte.

Escrito duas vezes a frase “você sempre será meu” em inglês . A frase esta grafada em tipografia diferente para demonstrar amor e agressividade

A vida é multissensorial

Devemos compreender, que a visão não é a única maneira de experimentar o mundo: os sentidos trabalham em conjunto para orientar a cognição, o movimento e a comunicação. Se isso parece exagero, considere que 1 em 23 pessoas no mundo experimenta uma mistura de sentidos (sinestesia).

As cores são provadas. A música é vista. Os cheiros são tocados. E enquanto a sinestesia é relativamente incomum, as experiências sinestésicas não são — uma verdade há muito alavancada em estratégias de marketing usadas para descobrir conexões e metáforas sensoriais cruzadas.

Experiências sensoriais em interfaces?

Nos dias atuais, cada vez mais telas concorrem em busca da atenção das pessoas. Por isso, é preciso encontrar maneiras de conquistar a atenção do usuário utilizando estratégias sensoriais.

Inúmeras atividades da humanidade são multissensoriais. Tudo, do lazer à linguagem, requer uma sinfonia de sentidos

Para criar uma interface sinestésica é preciso criar representações cada vez mais fiéis aos sentidos humanos. O tato, a fala, visão e audição devem ser explorados de variadas formas e de maneiras cada vez mais aperfeiçoadas.

Para aproveitar todo o potencial da percepção, os designers devem compreender que toda interação é uma experiência sensorial.

  • Torne o envolvimento sensorial mais intencional e multifacetado
  • Ative os sentidos de maneiras que reforcem a UX (navegação aprimorada, descoberta aprimorada etc.)
  • Crie experiências de produto (e marca) que sejam mais atraentes e memoráveis

Humanizar as interfaces e os serviços oferecidos pelo seu produto faz com que o usuário se sinta parte do processo.

Design de Experiência Sensorial

O design sensorial se preocupa com a criação de produtos e experiências que envolvam os sentidos humanos, simultaneamente ou através de vários pontos de contato com o usuário. O design sensorial não tem um grande número de profissionais, mas impacta os designers em áreas como UI, UX e Branding.

Os especialistas afirmam que os humanos têm entre 9 e 33 sentidos distintos, mas a maioria dos produtos digitais ignora os sentidos além da vista. Cada interação que um usuário tem com um produto é uma experiência sensorial. O design sensorial visa tornar o envolvimento dos sentidos mais intencional e multifacetado.

O ditado popular “Uma imagem vale mais que mil palavras” prevalece por séculos e o uso moderno da frase é geralmente atribuído a Fred R. Barnard, que escreveu a frase em um artigo promovendo o uso de imagens em anúncios que apareciam nas laterais de bondes. Em muitos contextos, as imagens têm o poder de criar uma resposta emocional no usuário; isso pode ser valioso para esclarecer o propósito da marca, reforçar a proposta de valor do produto e aumentar o apelo do site ou aplicativo móvel.

Quando se trata de UX design e imagens de experiência do usuário, seja em sites, aplicativos móveis ou qualquer outro produto digital, muitos designers escolhem imagens usando seu senso estético pessoal, combinando-as com microcopy e o resto da interface de uma forma que faça sentido em relação ao objetivo do produto e marca.

Incluir Sentidos na Estratégia de Produto

Deve ser parte integrante da visão estratégica de um produto desde o início. Em um mundo em que os dispositivos móveis permanecem dominantes, cabe aos UX Designers incorporar princípios sensoriais em seus processos de design.

Aqui temos há oportunidade de criar experiências sensoriais inovadoras e tornar os produtos digitais mais úteis, eficientes e memoráveis.

Comunique ideias com narrativa, empatia e uma pitada de experiências sensoriais

Se histórias e narrativas são a chave para a criação de respostas emocionais, devemos atingir o usuário em um nível íntimo. Se formos capazes de projetar com empatia, podemos começar a entender como as pessoas se comportam, sentem e pensam sobre o mundo ao seu redor, e as encoraja a pensar fora de si mesmas; então, os usuários podem ser movidos tanto para a ação quanto para a reação, não apenas por imagens visuais, mas pela sensação geral do produto.

Le Petit Chef “ por Skullmapping , Bélgica 2015

No experimentoLe Petit Chef “ Dinner Time Stories de 2015 , em que um chef em miniatura transformava um prato de jantar em uma grelha com mapeamento de projeção, os frequentadores do restaurante ficaram maravilhados quando seu próprio mini-chef preparou uma refeição na frente deles . O charmoso chef em miniatura torna a espera pela sua comida agradável e o frequentador do restaurante se apaixona pelos pontos fortes e fracos do personagem enquanto observa a história se desenrolar.

Outro exemplo, apenas uma das muitas criações incríveis da Nike, seu “ Estádio Unlimited ” em Bonifacio Global City, Filipinas, onde construíram uma pista de corrida pop-up cujo perímetro era revestido por painéis de LED de tamanho normal. O estádio foi projetado para encorajar os corredores a competir com uma versão digital de si mesmos, aumentando constantemente a aposta ao correr mais rápido do que o tempo de volta anterior do corredor.

Unlimited Stadium “ da Nike , 2016
Bonifacio Global City, Filipinas

Não só o conceito de corrida foi bem-sucedido ao gamificar o desafio característico da Nike com fontes e cores de marca, mas toda a experiência sensorial se tornou um atrativo e diferencial para o usuário.

Podemos entender que, com gestos e controles de voz, projeções de holograma , realidade aumentada , virtual e mista se tornando mais comuns, e com a introdução à ideia da Neuralink , podemos colocar usuários em um momento no tempo ou em uma emoção, ou podemos até mesmo transportá-los para outros mundos.

É um momento emocionante para ser UX designer!

Como abordar as imagens da experiência do usuário

Uma imagem pode transmitir uma mensagem instantaneamente, já que o cérebro pode interpretá-la mais rápido do que o texto e dá profundidade e contexto a uma mensagem, proporcionando uma experiência mais envolvente do que apenas o texto.

A compreensão profunda do uso de imagens e suas implicações psicológicas para a percepção e experiência do usuário é um aspecto importante do design que os UX designers não devem subestimar.

Quando os designers sabem como trabalhar com imagens, eles são mais capazes de manipular as reações emocionais do público. Os designs de produtos podem aumentar ou diminuir de acordo com a qualidade das imagens de experiência do usuário — por isso é vital acertar.

O site Sunkist usa imagens visuais fortes que também podem acionar os sentidos do paladar e do olfato.

Imagens sensoriais em design

Aradhna Krishna define o desing sensorial como “gatilhos subconscientes que afetam a forma como as pessoas tomam decisões de compra e consumo”. Essa afirmação é tão aplicável em projetos de design de produto quanto em marketing.

De acordo com Aradhna , as imagens sensoriais podem impactar o design do produto por:

  • encorajando a estimulação mental através do design visual
  • envolver as pessoas com uma marca
  • impactando suas atitudes em relação à marca
  • estimulando outros sentidos (como o olfato) por meio do design visual

Imagens cuidadosamente selecionadas podem afetar significativamente a percepção das pessoas sobre um produto, aumentando efetivamente a proximidade da marca, ou ter um impacto negativo em situações em que as pessoas encontram imagens que não correspondem a elas.

Cores e Emoções

Vendo vermelho. Sentindo-se triste. Verde de inveja.

As expressões populares mostram que as pessoas há muito associam as cores às emoções que evocam. As pessoas associam vermelho com raiva (ou luxúria), azul com depressão e, pelo menos desde os dias de Shakespeare , verde com ciúme. (Ele fez referência à cor verde em relação ao ciúme pelo menos três vezes em suas obras.)

Ainda assim, essas associações não são regras rígidas . As diferenças culturais também podem ter um efeito profundo nos significados das cores. Em muitas culturas ocidentais, o branco está amplamente associado à pureza e paz, mas em alguns países asiáticos, o branco está associado à morte e ao luto.

É importante que os designers observem as implicações culturais de suas paletas de cores com base no público-alvo do produto ou site. Se um produto pretende atingir um público mundial, certifique-se de equilibrar as cores e as imagens usadas para evitar conotações culturais negativas. Se um produto visar principalmente apenas uma cultura específica, os designers podem prestar menos atenção às implicações que a paleta escolhida pode ter em outras culturas.

As cores podem ter significados totalmente diferentes em várias culturas ao redor do mundo

UX designers podem utilizar cores com grande efeito para influenciar as emoções das pessoas, bem como seu comportamento real. A cor tem o maior efeito sobre como as pessoas percebem os designs, mas muitos designers não despendem o tempo e o esforço necessários para criar paletas de cores adequadas para seus projetos.

Isso resulta em muito esforço desperdiçado e paletas de cores que não estão necessariamente influenciando uma resposta desejável a um produto. E na pior das hipóteses, as cores podem desanimar as pessoas, mesmo quando tudo o mais sobre um design é otimizado.

A relação entre cor e emoção é um dos aspectos mais importantes de uma boa UX. A paleta de cores certa incentiva as pessoas a realizar ações em um site ou com um aplicativo que os designers desejam que façam, enquanto a paleta errada pode afastar os visitantes antes que eles realizem qualquer ação.

O impacto emocional das cores da interface não deve ser esquecido. E embora algumas cores sejam “universais” no design UX (como preto, branco e cinza, pelo menos um dos quais é usado em praticamente todos os bons designs que existem), as cores com as quais são combinadas podem ter um grande impacto sobre a percepção de um usuário.

Obviamente, a maneira como a cor é usada também pode ter um impacto dramático em como ela é percebida. Por exemplo, o azul usado como cor primária em um design moderno e minimalista terá uma sensação muito diferente do que o mesmo azul usado como cor de destaque em um design corporativo mais complexo.

Uma paleta de cores bem projetada, especialmente uma que inclui alguns tons inesperados, não é apenas uma escolha estética. Pode ter efeitos psicológicos significativos sobre os usuários, que os designers de UX devem capitalizar para criar experiências melhores.

Escolher a paleta de cores certa é parte arte e parte ciência. Quando se trata de projetar uma paleta inicial, os designers devem seguir seus instintos junto com a pesquisa disponível e, em seguida, testar e testar novamente para garantir que a paleta de cores reforce o propósito geral do design.

Efeito da cor no comportamento do consumidor

A cor pode afetar o humor ou os pensamentos de uma pessoa, mas também pode afetar seu comportamento?

Sim absolutamente. Os profissionais de marketing há muito confiam na cor para influenciar os consumidores a realizar certas ações. É por isso que as placas nas vitrines das lojas, destinadas a chamar a atenção dos transeuntes, costumam ser amarelas e os preços de venda costumam ser marcados em vermelho.

Há uma conexão científica comprovada entre a cor dos produtos e o desejo de compra. Cada vez que você vê uma cor, há uma cadeia de reações ocorrendo dentro do hipotálamo em seu cérebro. Os hormônios são liberados para a tireoide, desencadeando emoções que afetam o seu comportamento. Na verdade, 62% a 90% das decisões de compra são baseadas em cores!

De acordo com um estudo publicado na Moz , uma empresa de caça-níqueis online, simplesmente mudou o botão de call to action de verde para amarelo. Isso resultou em um aumento colossal de 187,4% nas conversões.

Atenção, sensação e percepção

O ponto de partida para entender como as pessoas se relacionam com a realidade está nos processos psicológicos de atenção, sensação e percepção.

A atenção é um processo mental que seleciona estímulos específicos nos quais focar e estabelece relações entre eles. Quando usados ​​com sabedoria, esses estímulos são colocados estrategicamente para chamar a atenção do observador para determinadas informações.

É essencial escolher as melhores imagens de experiência do usuário possíveis, porque os olhos das pessoas são atraídos para dezenas de anúncios e sites todos os dias, e apenas alguns irão chamar sua atenção.

Sensação , existem as sensações sinestésicas, que se caracterizam quando duas ou mais sensações são vivenciadas em conjunto, geralmente produzindo associações entre objetos e sensações. Por exemplo, o vermelho costuma ser visto como uma cor “apaixonante” e a Coca-Cola o usa amplamente em suas marcas.

Percepção humana se refere à função cerebral capaz de selecionar e atribuir sentido às informações captadas por sensações feitas por meio de associações a experiências que a pessoa já encontrou.

A Coca-Cola usa vermelho para aumentar o valor da proposta da marca e a proximidade da marca.

O efeito estético-usabilidade

Em um artigo para o Nielsen Norman Group, Kate Moran citou Kurosu e Kashimura, em que concluíram que os usuários são fortemente influenciados pela estética de qualquer interface, mesmo quando avaliam a funcionalidade subjacente do sistema.

Normalmente, os designs estéticos têm uma probabilidade maior de engajamento. Imagens têm muito a ver com apelo visual, influenciando diretamente a percepção do usuário. Quando um produto é mais utilizável, mas menos atraente visualmente, ele pode sofrer de uma falta de aceitação, o que torna os problemas de usabilidade discutíveis.

Designs esteticamente atraentes são geralmente mais intuitivos do que os menos atraentes, e isso é especialmente verdadeiro para usuários com um conhecimento técnico mais limitado. Além disso, quando os designs estéticos não funcionam corretamente, os usuários tendem a culpar a si próprios, em vez de culpar o produto.

Nesse sentido, uma fotografia ou vídeo de destaque encanta o usuário. Essa resposta emocional positiva reforça ainda mais as interações do usuário com o produto e o relacionamento com a própria marca, enquanto compensa quaisquer desvantagens de usabilidade e torna o usuário mais tolerante.

Considerações sensoriais

As considerações sensoriais são amplamente negligenciadas no design contemporâneo, especialmente no design digital, onde tanta ênfase é colocada na visão. É raro encontrar restrições sensoriais em briefs criativos, mas ao se recusar a envolver ou mesmo pensar sobre os sentidos além da vista, os designers prestam um péssimo serviço a si próprios e aos seus clientes.

A visão é o sentido principal e o meio principal de analisar o mundo. Quer os designers saibam ou não, é um fator de design sempre presente, moldando quase todas as decisões. Uma maneira útil de escapar do controle da visão é impor uma restrição hipotética: e se a visão não fosse uma opção ? Este cenário tem ramificações de acessibilidade no mundo real que justificam discussão, mas a restrição se destina a:

  • Estimular o pensamento criativo
  • Expor o grau em que os produtos digitais ignoram outros sentidos
  • Forçar os designers a explorar soluções sensoriais alternativas

Nos próximos anos, o design sensorial crescerá à medida que mais empresas buscarem fazer a transição das experiências das telas integrando a tecnologia aos vestíveis e ao ambiente construído — onde sons, cheiros, sabores e texturas existem em abundância.

A WearWorks é uma empresa de design que criou tecnologia háptica para oferecer experiências de navegação mais ricas, seguras e intuitivas para pessoas de todas as áreas. Isso inclui, e não se limita a viajantes, maratonistas, ciclistas, esquiadores, cegos e deficientes visuais

O Wayband é um dispositivo tátil vestível que orienta os usuários em ambientes com vibrações. É um dispositivo de navegação que pode ser usado no pulso que orienta os indivíduos até um destino usando apenas vibração.

As experiências de alta definição da WearWorks fornecem informações detalhadas e diferenciadas usando o sentido do tato como um canal de comunicação.

O Wayband é um dispositivo tátil vestível que orienta os usuários em ambientes com vibrações

“Se você não sentir vibrações, isso significa que está indo na direção certa. Assim que você sai do corredor, você sente uma vibração, indicando que você deve voltar para o corredor. ” — Simon Wheatcroft, Cego Ultra Marathon Runner

Investigue as relações entre os sentidos

Os sentidos trabalham em conjunto . A integração sensorial é um processo pelo qual o cérebro prioriza as informações dos sentidos e arredores para informar as respostas corporais. Por exemplo, o cérebro combina:

  • Visão e audição para decifrar pistas de comunicação
  • Temperatura e dor para evitar ferimentos
  • Cheire e saboreie para desencadear a digestão

Sobrecarga sensorial

A sobrecarga sensorial é real. Combinar sons, imagens e componentes de IU animados pode ser delicioso, mas também pode sair pela culatra. Se um usuário está procurando informações ou se engajando com o conteúdo, a introdução de recursos sensoriais pode ser uma distração. Dependendo do contexto, os elementos sensoriais podem ser óbvios ou sutis. De qualquer forma, eles devem elevar a UX, não sobrecarregá-la.

Implicações sensoriais dos elementos de design

Além de buscar conexões sinestésicas, os designers devem estar cientes de que as escolhas de design podem ter implicações sensoriais imprevistas:

  • Padrões causam tontura
  • Palavras provocam gosto
  • Imagens evocam odores
  • Sons estimulam o toque

Não é necessário agonizar com todos os elementos estéticos, mas é inteligente considerar seu potencial sensorial oculto, especialmente no caso de palavras e gráficos de alto impacto.

Design de Experiência Sensorial e o futuro

UX designers devem compreender, que o futuro da experiência do usuário e design sensorial caminham juntos para estabelecer um paradigma de produtos físicos que considere a totalidade da percepção humana.

De wearables a links neurais e interfaces hápticas , não faltam dispositivos multissensoriais emergentes. No momento, nenhum tem o controle do mercado, mas isso não anula o potencial desses produtos.

Apesar de todo o avanço tecnológico desenfreado, as expectativas e comportamentos associados aos produtos digitais estão profundamente enraizados, e a maior parte do conhecimento de design se concentra em elementos visuais. Mesmo que os produtos físicos com conhecimentos sensoriais estejam se aproximando da proeminência, levará algum tempo antes que eles atinjam o patamar onipresente dos smartphones .

Conclusão

As experiências sensoriais podem ser uma ferramenta poderosa quando usadas para influenciar a percepção das pessoas e a experiência do usuário. Quando uma experiência multissensorial eficaz é selecionada para a experiência do usuário, ela pode aumentar o apelo de um produto, fortalecer o valor do negócio, aumentar as vendas e a geração de leads, ajudar a acelerar a varredura da interface e da informação, encantar o público e melhorar a empatia entre os consumidores e a marca.

Uma vez que os designers entendam melhor o valor das experiências sensoriais e como funcionam as mentes das pessoas, eles podem criar produtos melhores que realmente façam sentido para as pessoas, enquanto afetam positivamente o próprio negócio.

Experiências multissensoriais bem-sucedidas criam impressões duradouras.

Conteúdo em português da Comunidade Ladies That UX

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Janaína Moreira

Janaína Moreira

📚 Devoradora incansável de livros, arqueira.🏹Pizza e café é a minha religião!🍕 ☕ Acessibility Product Designer e Accessibility Program Manager❤

More from Medium

What content creators leave out when talking about User Experience design

Spotify Car Thing: A Heuristic Evaluation

Product image of Spotify’s Car Thing

UX Challenge: Reduction of time and bureaucracy in the property rental process.

Design Sprint | Portfolio | Personal Branding | Usability Heuristics| Dropbox Redesign