Abstinência

Saudade virou uma constante,isso é fato. Mas tenho pensado melhor sobre o que sinto e refletido sobre a gente e toda essa saudade. É fato que a saudade tem afetado até minha produtividade, mas eu não tenho medo disso, porque não é saudade,apenas,é como uma abstinência de ti.

Quando passei a entender tudo de novo e ver o quão importante tu era, te ver se tornou um vício, que liberava dopamina como uma cachoeira na minha mente. E acho que isso sempre acontece quando te vejo, e assim como dependo de ti, ultimamente tenho entendido que o que normalmente acontece depois que tu se vai(e dessa vez é mais forte) é como uma abstinência de te sentir.

Pra se libertar de muitas drogas é necessário que se diminua a dosagem pouco a pouco,até que o corpo se acostume com a falta e pare de relacionar a droga com o sentimento de prazer.

Meu medo é que essa abstinência de ti cause isso…já causou no passado.Mas sabe que ao mesmo tempo que o desuso mata o vício,o desuso depende da iniciativa do usuário de parar. Eu sei que a nossa distancia é forçada,mas o que faz durar é a procura,o interesse e pequenos picos de dopamina.

O que tem me mantido é isso,escrever. Me faz lembrar de ti, e lembrar muito bem. Talvez nossas curtas ligações, um pouco da tua voz,olhar essas fotos antigas,essas lembranças materiais e racionais,já seja o suficiente…e se não for? Não sei…se não for,não quero ir atrás de outra coisa,que talvez me torne mais dependente,que eu consiga usar por mais tempo…por mais que eu ache substitutos,toda vez que tu vem, que me drogo com teus olhos,com teu jeito,com a perfeição do teu amor imperfeito por mim,vejo que nada se compara,vejo que só essa abstinência forçada me tira de ti,porque se eu mesmo quisesse eu não conseguiria.

Essa distância…ela causa isso,mas não precisa ser assim,somos fortes,eu sou,tu é,vamos lutar…e dessa vez, com armas mais fortes,ou mais afiadas,dessa vez me sinto melhor preparado,dessa vez, o que senti por ti nesses poucos dias é incurável.

“Dessa vez vai ser diferente”#11

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.