Como ter paciência com quem te faz perder as estribeiras

Originalmente publicado em blog.runrun.it

“O inferno são os outros” foi a sentença do filósofo francês Jean-Paul Sartre para a humanidade. Isso porque a convivência é uma das tarefas mais difíceis da vida. Então, imagine passar horas em um escritório com uma pessoa problemática ou extremamente irritante: bom humor, desempenho e até seu futuro profissional podem sucumbir.

Infelizmente, a maioria das pessoas conhece alguém que parece tornar qualquer situação tóxica. Se você participa das estatísticas e está envolvido em uma típica relação passiva-agressiva com um colega de trabalho que tem potencial para tornar nublado o seu dia mais motivado, sabe que a maioria das conversas são cheias de provocações e desconforto. Este texto, então, pode te trazer algum conforto. Não importa por que este comportamento é causado, você pode aprender como ter paciência ao interagir com pessoas difíceis e preservar sua própria sanidade. Vamos começar?

1. Mantenha a cabeça aberta

Você pode ter algo a aprender com essa convivência extremamente conflituosa, mesmo que não exista possibilidade alguma, jamais, de se tornar amigo do sujeito. Em vez de estar sempre pronto para discussões, o que é bastante desgastante, tente manter sua mente aberta quando for necessária alguma interação. Afinal, alguém precisa dar o primeiro passo, sendo maduro e razoável. E sempre existe a chance de você se surpreender: não custa nada tentar.

2. Veja a situação do ponto de vista do seu “adversário”

Em vez de pensar apenas como você se sente nessa relação, pergunte-se: como a outra pessoa deve se sentir? Muitas vezes esquecemos que nosso comportamento também tem impacto sobre os outros, inclusive negativo. Tente entender como esse colega enxerga a situação. Ele tem alguma razão para se comportar como se comportou até agora, mesmo que vocês não concordem em absolutamente nada? Pergunte-se: o que eu faria se fosse ele?

3. Pense antes de começar uma discussão

Quando você está irritado com alguma situação ou algo que ouviu, é tentador retrucar imediatamente. Não há melhor momento do que o presente, certo? Não exatamente. Quando você está em meio a um conflito, as emoções muitas vezes estão alteradas e podem resultar num embate absolutamente improdutivo, inútil mesmo. Ter tempo para se preparar mentalmente irá ajudá-lo a manter a calma e aumentar as chances de que a conversa ocorra sem problemas.

4. Concentre-se no que você pode ganhar com uma convivência saudável

Talvez este seja o empenho mais importante ao conviver com uma pessoa por quem você não possui muita simpatia. Primeiro, verifique com honestidade as suas intenções. Você está disposto a uma conversa ou interação pacífica ou, inconscientemente, você já está se preparando para uma briga? E o seu temperamento, você está se sentindo nervoso, estressado, irritado com o sujeito, antes mesmo de encontrá-lo? Para minimizar essas emoções negativas, tente pensar nisso como uma conversa regular e moldá-la de uma forma positiva. Por exemplo, em vez de encarar como uma situação negativa a que você será exposto, pense que este é um exercício avançado para aperfeiçoar seu auto-controle (inclusive, aprenda a dominar suas emoções aqui). É muito fácil ser gentil e educado com quem nós gostamos. Já o contrário…

5. Pode ser uma questão de compatibilidade…

Mesmo que a pessoa pareça se dar bem com todo mundo, ela pode ser difícil para você. Lembre-se: algumas pessoas simplesmente não se dão bem. Se for o caso dela fazer uma declaração como “Todas as outras pessoas gostam de mim”, estará tentando colocar a culpa em você. Mas, neste ponto, como vocês interagem com os outros é irrelevante. O que importa é como interagem entre si. Culpar não altera os fatos.

6. Use truques mentais para aumentar sua tolerância

Imagine o seguinte cenário: você está sentado em sua mesa de trabalho, quando esse colega chega e diz: “Eu vi o projeto de apresentação que você enviou. Encontrei muitos erros e tenho algumas idéias de como fazê-lo melhor”. Como você se sente ao fim da conversa? Com raiva e na defensiva, certo?

Agora limpe a imagem dessa pessoa da sua cabeça, pensando em alguém com quem você se dá muito bem. Imagine-se na mesma cena anterior. Como você se sente: Aliviado? Grato? É normal somos menos tolerantes com as pessoas de quem não somos lá tão fãs. Por isso, substitua mentalmente as ações de quem te aborrece pela imagem de alguém de quem você gosta muito. Sua paciência se tornará mais elástica.

7. Desabafe!

Com alguém de confiança que pode ouvi-lo se queixar. Diga tudo o que você sente sobre essa situação destrutiva. Mas tenha cuidado quem você escolhe para desabafar. Melhor se for um amigo que seja uma espécie de calmante para você. Segundo Susan David, psicóloga e colunista da Harvard Business Review, “suprimir suas emoções é extremamente prejudicial nesses casos e pode levá-lo a resultados muito piores”. Ela explica que, se você não expressa suas emoções, elas estão propensas a mostrar-se de uma única vez e de um modo muito mais agressivo — o famoso “explodir”.

Acima de tudo, proteja sua produtividade!

A preocupação em como ter paciência para cultivar uma convivência saudável com seus colegas é fundamental para a manutenção da sua produtividade. Este é o caminho certo. Conheça o Runrun.it — uma ferramenta de gestão de tarefas e projetos capaz de tornar o diálogo mais transparente, eliminar as demandas informais e os ruídos na comunicação, melhorando o relacionamento entre as equipes. Além de fornecer relatórios que reconhecem o time pelo desempenho. Quer ver como? Comece grátis: http://runrun.it

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.