A melodia feroz

“As pessoas estão aqui para serem usadas. Essa é uma verdade universal. Então use-as, ou elas vão usar você.”

Já li dois livros da Victoria Schwab, e adorei. Primeiro li A guardiã de histórias, depois Um tom mais escuro de magia. Gente, que mulher criativa! Ela faz uns mundos muito mágicos, bonitos, caóticos e interessantes.

Resumindo bem resumidinho só pra mostrar como as histórias são todas diferentonas: n’a guardiã de histórias, temos uma menina que descobre que quando a gente morre, a gente vai pra uma “biblioteca”, e nossas histórias ficam lá guardadas. N’um tom mais escuro de magia, temos várias Londres diferentes, e poucas pessoas conseguem viajar entre elas. Cada Londres tem um nível de magia, um tipo de governo diferente, etc.

“Bom e mau eram palavras frágeis. Os monstros não ligavam para intenções ou ideais.”

Agora, N’a melodia feroz, temos três tipos de monstros: Corsais — sombrios, comem carne e ossos, não suportam a luz; Malchais — pálidos, vampirescos, se alimentam de sangue… Esses dois primeiros são em grandes quantidades. Por último, os Sunais — a aparência deles é completamente humana, exceto os olhos (em fotos, ficam completamente negros). Para matar, usam a música e se alimentam da alma de pecadores.

Onde eles vivem? Ah, esses monstros vivem nos Estados Unidos! Que, nesse mundo, está separado em Cidade Norte e Cidade Sul. Cada uma é governada por um doido que ‘toma conta’ desses monstros. Na Cidade Norte é o Harker, que tem os Corsais e os Malchais. Na Cidade Sul, Flynn, com os únicos três Sunais existentes (é, eles são bem raros).

Schwab escreve a história nos guiando através dos filhos desses governantes: Kate Harker e August Flynn. Adorei a personalidade dos dois e o modo que eles vão se conhecendo. Gosto bastante da criação dos personagens de Victoria, ela faz parecer fácil unir personalidades diferentes numa história fantástica.

Crítica? Tenho sim. Eu queria ver mais de Leo, irmão de August. Acho que Victoria se precipitou com uma revelação aqui no primeiro volume. Pelo que vi, é uma duologia (mas sei lá, né, vai que ela se empolga e faz trilogia haha).

Enfim… estou ansiosíssima pela continuação, vi na Amazon que, em inglês, sai ainda esse mês. Acho que vou lê-la logo! :)

“Quando alguém aperta um gatilho, dispara uma bomba, faz um ônibus cheio de turistas cair na ponte, o resultado não são apenas escombros ou cadáveres. Existe outra coisa. Algo mau. Uma consequência. Uma repercussão. Uma reação a todo o ódio, dor e morte.”

Ps.: ‘violência gera violência’ , mesmo.

Like what you read? Give Alika — Aline Cavalcanti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.