A Torre Negra #7

“Mas você ainda não desistiu, não é? Desistir era para os covardes, não para pistoleiros.”

É TETRAAAAAAAAA!!!! Acabei A Torre Negra! Comecei em Setembro/16, acabei em Fevereiro/17! Quer ver o que achei dos outros livros? Clica! O Pistoleiro; A Escolha dos Três; As Terras Devastadas; Mago e Vidro; Lobos de Calla; Canção de Susannah.

Confesso que não sei como falar sobre esse livro. Nem sei quanto tempo a página tá aberta aqui, eu faço alguma coisa, volto, escrevo um pouco, faço outra coisa, volto… hahaha

“As respostas que importavam nunca vinham com facilidade.”

Meu primeiro livro de King foi “Sob a Redoma”. E eu AMEI o livro, até chegar no fim. Achei o final péssimo e morri de raiva do autor. E aí descobri que muita gente odeia os finais dele, e que esse seria um ‘defeito’ dele. Li a série toda com medo de chegar no final e me decepcionar. E sabe o que aconteceu?

Eu gostei. Eu achei tão verdadeiro. E óbvio também, tava na nossa cara o tempo todo, o ka é uma roda gigante. Não achei que Stephen King fez besteira nesse final, acho que é o final merecido de uma saga épica.

“Esta é sua promessa de que as coisas podem ser diferentes, Roland — que ainda pode haver descanso. Até mesmo salvação.”

Mas vamos parar de falar do final se não falei mais nada ainda, né?

Pra mim, esse livro aqui é o mais emocionante. E não é necessariamente por ser o último. Teve uma parte que chorei, e foi aí que percebi de onde veio esse amor todo pela série. São zilhões de páginas acompanhando o ka-tet, e você se sente parte do ka-tet também. Desde o início, você sabe que vão ter mortes, você sabe que vai ser difícil, você espera o pior. Mas o ka-tet é seu também, você também faz parte, você torce pra que o caminho não seja tão ruim.

Nos últimos capítulos, quando a Torre está tão perto que você praticamente encosta nela enquanto está lendo, é aí que você vê como ama a história. King soube te guiar até aqui de um modo incrível, e chegar no final também é maravilhoso pra você, tanto quanto pra Roland e o ka-tet.

Foi cansativo? Foi. Passei raiva, fiquei triste, fiquei feliz, senti mil coisas. E acho que o principal dessa série é exatamente isso. Ela te faz sentir muitas coisas, e a leitura torna-se simplesmente incrível por conta do laço que foi criado entre leitor e personagens.

“O homem de preto fugia pelo deserto e o pistoleiro ia atrás.”