Cinder — muito além do sapatinho de cristal

“– Sua espécie ao menos sabe o que é amor? Você pode sentir qualquer coisa ou é só… programada? (…) — É claro que sei o que é amor.”

De verdade? Cinderela não é meu conto favorito, por isso enrolei pra pegar esse livro apesar de ter visto inúmeras críticas positivas. Mas Cinder é uma Cinderela futurista que deu muito certo!

Cinder é uma ciborgue, com parte de sua perna e braço esquerdos de metal. Ciborgues não são bem vistos na sociedade, e Cinder sustenta sua casa sendo mecânica. Sua guardiã legal a odeia, e seu padrasto (que foi quem adotou ela) morreu de uma doença que assola toda a população. Um certo dia, o príncipe aparece pedindo pra Cinder consertar um robô seu. E a convida para o baile. Ela não quer ir. De resto, leia, não falarei mais.

O universo foi bem construído pela autora e a história flui muito bem. Só não coloco um coraçãozinho de favorito porque tem umas partes beeeeem previsíveis. Partes não referentes à história original de Cinderela, e sim ao enredo novo. Mas isso não estraga a magia toda, não. A leitura é leve e gostosa. :)

“ Vaidade é um fato, mas é mais questão de controle. É mais fácil induzir os outros a acreditar que você é lindo se você puder se convencer de que você é lindo. Mas espelhos têm um jeito incomum de dizer a verdade.”