Estrelas Perdidas — uma história sobre lealdade e amizade

“Acreditar em algo maior do que nós mesmos não é loucura, é a prova de que somos sãos. Veja quão vasta é a galáxia! Você precisa admitir que talvez nós não sejamos o maior poder que exista nela, não acha?”

Estrelas Perdidas nos mostra uma dupla de amigos do planeta Jelucan: Thane Kyrrel, do Povo da Segunda Leva, e Ciena Ree, do Povo do Vale. Thane é riquinho e não acredita na força. Ciena é pobre e tem muitas crenças. As famílias não se gostam e não querem a amizade dos dois.

Porém, eles amam naves… e o sonho deles é pilotar para o Império. E, com 8 anos de idade, eles encontram ninguém mais ninguém menos que TARKIN. Depois desse encontro, passam a treinar juntos na nave que Kyrrel tem em casa. Então, depois de uma prova, vão para a Academia Imperial, em Coruscant.

“Era assim que o mal ganhava mais espaço: criava raízes nos jovens e crescia junto com eles. Cada geração elevava o abuso a outro nível. Estamos ensinando crianças a aprovar a escravidão. Estamos ensinando que crueldade é uma virtude.

Acompanhamos a dupla todo o tempo, observando batalhas da trilogia clássica pelos olhos deles, pessoas comuns. Tão comuns, que há cenas em que eles desconhecem personagens como Han Solo! E, como a capa do livro sugere, cada um está de um lado da batalha. É bem interessante rever batalhas pelos olhos de stormtroopers e rebeldes ‘desconhecidos’.

“Eles estão atirando de volta? Ela mal conseguia acreditar. Uma pequena nave de bloqueio atacava um Destróier Estelar. Não era só impossível, era loucura. Por outro lado, os rebeldes eram todos loucos mesmos, não eram?”

Aliás, as reações deles para com os personagens famosos são bem legais:

“O que ele é? Ciena se perguntou. Sua mente estava em dúvida e se recusava a aceitar lorde Vader como humano. Ele parecia mais uma visão de pesadelo, ou uma criatura das histórias apavorantes que sua mãe costumava contar em volta da fogueira na reunião de família. O mal parecia emanar dele e se acumular no espaço ao redor. Ciena sentiu o colarinho do uniforme apertar.”

O que mais posso dizer? Há amizade, amor, lealdade, ambiguidade moral, traição… Temos uma história de amor no meio das batalhas. Se você não curte romance, vai se irritar com as partes ‘mimimi’.

Pra finalizar…sobre o Despertar da Força? Temos Jakku! Não, não vou dar detalhes. Mas é legal. ;)

“Ela quase sentia pena dessas pessoas que acreditavam na liberdade quando, na verdade, Darth Vader estava o tempo todo dois passos à frente delas.”