Herdeiro do Jedi

“Nós somos o espinho que espeta o dedo do imperador quando ele enxerga a galáxia como seu jardim pessoal.”

Começando com os livros do cânone que li, clicando vai pra resenha: Um novo amanhecer, Tarkin, Han Solo e Chewie, Leia, Luke, Marcas da Guerra, Estrelas Perdidas. Sim, o meu preferido continua sendo Um novo amanhecer, mas isso não desmerece os outros. Gostei bastante deles, mas Um Novo Amanhecer tem um ❤ do lado das 5 estrelinhas. rs

Mas vamos falar de Herdeiro do Jedi!

O livro conta o que houve com Luke entre o EP IV — Uma nova esperança, e o EP V— O Império Contra-Ataca. Falaí, quem nunca quis saber o que houve com Luke depois de descobrir que é filho de um Jedi, conhecer a Força, destruir a primeira Estrela da Morte, ver o que houve com Obi-Wan…?

“Não há nada para responder a todas as minhas perguntas agora que Ben se foi. (…) Sei que Han gosta de zombar da ideia da Força, mas, quando o corpo de um homem simplesmente desaparece com o toque de um sabre de luz, há algo mais que ‘truques baratos e bobagem’. E eu sei que a Força é real. Pude senti-la.”

O livro é contado em primeira pessoa, e eu adorei ver com os olhos de Luke todas as novidades. É interessante, também, conhecer a Força junto com ele: afinal, cadê treinamento, né? Aliás, ele comenta muito sobre Ben/Obi-Wan.

Luke está em missões para a Aliança, e conhece duas personagens: Nakari, uma humana atiradora de elite, dona da nave que eles estão usando; e Drusil, uma givin (espécie extremamente matemática e semelhante a uma caveira) que é slicer (é uma hacker. haha). Confesso que não esperava duas personagens femininas fortes nesse livro… esperava a Leia, apenas. Isso me deixou contente!

“Como você bem sabe, ao contrário da cinética, do tempo ou da distância, a idiotice humana é incalculável.”

Temos muita ação, e morte. E aí vem a parte em que conhecemos Luke melhor, e a Força também. Ainda estou digerindo o modo como Luke sente a morte através da Força: “Apenas pensar nisso voltou a preencher o espaço vazio na Força com ainda mais raiva e vi que tipo de espaço era aquele, um buraco negro que estaria sempre com fome, não importava o quanto eu o alimentasse. Eu poderia nunca mais sentir calor de novo se não me controlasse.”

Lendo isso, obviamente, lembramos de Anakin/Darth Vader. Imaginei o sofrimento dele após a morte do seu grande amor… dá pra entender mais ainda sobre a Sedução do Lado Negro da Força, né? E, como Luke também perde pessoas importantes, vem o questionamento: como ele não sucumbiu? ou… será que ele sucumbiu? Afinal, o EP. VII — O Despertar da Força, ainda nos deixa com muitas interrogações sobre Luke.

“Cautela é aconselhável em todos os momentos, é claro, mas reconheça que às vezes os seres que você encontra são realmente bons.”

Leitura recomendadíssima pra quem curte o Universo Expandido de Star Wars. Conhecer mais de Luke é bem legal e nos faz refletir sobre os acontecimentos entre EP VI — O Retorno de Jedi e EP VII — O Despertar da Força. Não tem muitas dicas, não, mas a gente gosta de criar hipóteses. rs

“Eu nunca teria pensado em emoções sombrias como sedutoras, com um objetivo de conscientemente corromper alguém. Para mim, eram emoções desencadeadas por eventos que se faziam sentir intensamente e depois desapareciam, e não estados naturais do ser.”