Quinze Dias

“Mas, mesmo passando tanto tempo comigo mesmo, eu nunca tirei um tempo pra descobrir coisas que me fazem feliz. Acho que eu sempre me mantive tão ocupado tentando não ficar mal, que eu acabei esquecendo de tentar ficar bem.”

Sabe aquele livro fofo, que dá um quentinho no coração e te deixa sorridente? Se você tá procurando um assim, achou! :)

Felipe, nosso personagem principal, quem narra a história, é um adolescente gay muito inteligente, divertido e inseguro. Ele é nerd, adora ler, maratonar séries e também assiste vários filmes com sua mãe. As férias de julho chegaram e ele descobre que seu vizinho, seu crush, vai ficar 15 dias em sua casa, pq os pais vão viajar e não querem deixá-lo sozinho.

Sim, ele surtou com a notícia. E a gente acompanha esses 15 loucos dias. E é maravilhoso ver a evolução dos personagens, principalmente de Felipe, em apenas 15 dias.

“ — A mãe dele é doida — eu digo baixinho. — Todas as mães são, Felipe. Está na nossa genética. É difícil não ficar doida depois que um ser humano sai de dentro de você.”

Eu fiquei apaixonada pelos personagens. O livro é curto, tem umas 200 páginas, mas você se sente amigo de todos os personagens. E eles são bem construídos, também. Dá uma saudade deles depois que acaba…

Aliás, falando em personagens…sabe o Felipe, super legal, que narra a história e tal…? Então, ele é gordo. Duvido que você imaginou um personagem gordo. Eu já tinha falado a parte do ‘gay’ então, sim, o livro lida com homofobia. Mas também tem gordofobia, e achei muito lindo o modo que o autor colocou o tema.

“Eu gosto de crianças. Porque elas são capazes de enxergar um herói onde ninguém vê nada de mais.”

Felipe já começa o livro falando sobre ser gordo, como se fosse sua principal característica. Mas temos outra personagem gorda na história. E Felipe só descobre que ela é gorda quando se encontra com ela. A reação dele é “pq eu não imaginei uma menina gorda quando ouvi todas as outras características dela?”

Esse livro é uma história muito fofa sobre amizade e autoaceitação. Com personagens muito reais. Arrisco dizer, inclusive, que no final da leitura você também pode começar seu próprio processo de autoaceitação.

Enfim… já deu pra notar que é mais do que recomendado, né? Pra finalizar, veja esse vídeo do autor. E chore por causa de panquecas.