Scarlet: contos de fadas + distopia

“Sabe, quando eu era criança, fui levado a pensar que princesas usavam tiaras e davam festas. Agora que conheci uma princesa de verdade, devo dizer que estou meio decepcionado.”

Marissa Meyer foi muito feliz em fazer uma série distópica com contos de fadas. O primeiro livro tem como principal a Cinderella. Já este, une a história principal com chapeuzinho vermelho.

Scarlet é uma jovem que está a procura de sua avó que sumiu. Então, os capítulos neste livro vão nos apresentando Scarlet e seu problema, e também continuando o livro anterior com Cinder. E, claro, depois de um tempo as histórias se unem, e de um jeito bem interessante.

“Liberdade dos olhares de desprezo e palavras de ódio de estranhos que não confiavam na garota ciborgue — que era forte demais e inteligente demais e boa demais com máquinas para ser considerada normal.”

O que me conquistou nessa série: a mistura de ficção científica com distopia e contos de fadas, de um modo não-confuso, não-chato, não-forçado. Além disso, Meyer também está mostrando muito o #girlpower. Deve ser DEMAIS ser uma adolescente lendo esses livros. (e também Trono de Vidro. Adoro Celaena!)