Star Wars: Tarkin

capa maravilhosa *-*
“– Perdoe minha intromissão, senhor, mas estamos na expectativa de enfrentar problemas? — Sempre, capitão. — Tarkin retrucou, sem a menor leviandade”

Olha, vou dizer uma coisa: esses livros cânones do universo expandido de Star Wars estão de parabéns! Não desgostei de nenhum que li até agora. Clica pra ver a resenha: Han Solo e Chewie, Leia, Luke, Marcas da Guerra, Estrelas Perdidas.

Agora, no livro de Tarkin, podemos ver mais sobre o Lado Negro/Império. E, claro, conhecemos mais de um dos personagens secundários mais importantes da saga: o livro mostra Tarkin criança, governador, moff e grão-moff.

“–Nunca tente viver de maneira decente, menino, não a menos que você esteja disposto a abrir sua vida à tragédia e à tristeza. Viva como um animal, e nenhum evento, não importa o quão angustiante seja, será capaz de abalá-lo”

James Luceno foi feliz em fazer a história alternando presente e passado. O “presente” é o projeto e construção da primeira Estrela da Morte. Palpatine chama Tarkin para participar, e, no meio disso, acontecem ataques rebeldes (o início dos rebeldes, aliás). Tarkin e Vader vão juntos a uma missão tentar resolver o problema, e os capítulos ficam se alternando entre presente e passado, explicando algumas das atitudes de Tarkin.

“Sua função é ensinar a eles o sentido da lei e da ordem”, Jova advertira seu sobrinho. “Depois, puni-los pra que eles se lembrem da lição. No fim, você vai ter colocado um medo tão profundo neles que o medo por si só vai fazer com que se encolham aos seus pés”

Além dos três vilões, os outros personagens que aparecem são bem construídos e a contribuição deles pra história é boa. Gostei bastante e destaco Teller e Jova. Teller é líder do início dos rebeldes, e tenta conter os avanços do Imperador. Jova é tio de Tarkin e influenciou significativamente sua personalidade.

“– Foi dito certa vez que a política é pouco mais do que a organização sistemática das hostilidades.– Bem verdade, a tirar por minha experiência.”

Momento para advertir sobre detalhes: o livro é de leitura lenta, com muitas partes que falam sobre política. Não tem tanta ação, tem muitos diálogos. Mas pra quem gosta de Star Wars ele é indispensável para saber detalhes Imperiais.

“Força bruta é o único poder real e incontestável. Por vezes, seres que não chegaram a ser devidamente punidos não podem ser trazidos à razão ou instruídos moralmente.”

É engraçado ver as ações do Palpatine pelo ponto de vista do Império. Pois, obviamente, ele sempre está certo e “quer o melhor pra galáxia”. O discurso de Tarkin é sensacional também. Mas não vou me estender… apenas leia. hahaha

“–Não dá pra saber quais foram os acontecimentos na vida de alguém que acabaram moldando o caráter dela, suas escolhas morais. Talvez tenham sido os séculos de defesa contra os predadores, ou os séculos de ataques por parte de piratas, traficantes de escravos e corsários que moldaram o caráter Eriaduano. Talvez a história do lugar tenha contaminado a composição genética deles, resultando numa fome de violência. Mas mesmo isso não justifica totalmente o Tarkin, porque a maioria dos Eriaduanos que eu já conheci não são nada parecidos com ele.”