Dados: O Petróleo da Era Digital

Você produz o bem mais valioso do mundo e nem percebe

Com o seu smartphone, você produz dados a cada segundo.

Quando falamos de petróleo, logo pensamos em riqueza. Quem nunca se imaginou achando petróleo no quintal de casa e ficando rico do dia para a noite? Esse tipo de fantasia provavelmente foi influenciada pelos desenhos animados, mas representa bem o valor que o petróleo tem no mundo de hoje. Vários países ganham muito dinheiro com o petróleo e são muito ricos por isso, como a Arábia Saudita, o maior exportador mundial. Muitas guerras já foram feitas por causa dele. E quem não acompanhou o excitamento com a descoberta do pré-sal no Brasil? O petróleo tem sido uma grande fonte de riqueza por mais de cem anos.

Porém, hoje em dia, o petróleo não é mais o recurso mais valioso do mundo. A revista The Economist publicou recentemente, dia 6 de maio de 2017, um artigo em que diz que o recurso mais valioso do mundo não é mais o petróleo, mas sim os dados. Ela cita as cinco empresas mais valiosas do mundo: a Alphabet (a empresa que controla o Google), a Amazon, a Apple, o Facebook e a Microsoft. Todas elas, empresas de tecnologia que controlam uma quantidades de dados cada vez maior e isso dá a elas cada vez mais poder.

Mas como os dados podem ser tão valiosos quanto o petróleo, se os dados estão sendo produzidos a todo o momento, enquanto o petróleo é um recurso não renovável na natureza? A quantidade de dados só aumenta em um ritmo muito acelerado. Para se ter uma ideia, a quantidade de dados gerados nos últimos dois anos é maior do que a quantidade de dados gerados em toda a história anterior da raça humana. Enquanto a cada segundo você está produzindo dados simplesmente por estar acessando a Internet e lendo esse texto, as reservas de petróleo vão se esgotando. Faz sentido comparar dados com petróleo?

Existe uma semelhança fundamental entre os dois. Assim como o petróleo, os dados brutos não tem nenhuma utilidade. Se você encontrar petróleo no seu quintal, você não conseguiria aproveitar esse petróleo bruto para alguma coisa útil. O petróleo só passa a ter utilidade e valor econômico quando ele passa por vários processos que vão dar origem a outros produtos derivados que são muito valiosos, como gasolina, óleo diesel, plástico, asfalto, lubrificantes, parafina e uma infinidade de outras coisas. Com os dados, é a mesma coisa. Os dados brutos não tem utilidade nenhuma. Apesar disso, você pode passar os dados por vários processos e retirar deles o produto que realmente tem valor para todas aquelas grandes empresas que os possuem: informação.

A informação extraída dos dados produzidos ao redor do mundo gera muito dinheiro. Por exemplo, o smartphone que você carrega para todo lugar está produzindo, a todo momento, novos dados que vêm do GPS sobre a sua localização. Os seus dados sozinhos não têm valor. Por outro lado, os dados de localização de um milhão de pessoas que vivem em determinada cidade têm. Ao processar esses dados, pode-se até prever quais os locais determinados grupos de pessoas irão provavelmente visitar em determinada data no futuro. Essa informação tem muito valor para quem quer vender seus produtos. E isso é só um exemplo, pois o potencial de extrair informação muito mais importante é enorme. Embora a quantidade de dados disponíveis hoje seja imensa, estima-se que menos de 0,5% deles já passou por algum tipo de processamento para extrair alguma informação útil.

Agora, vamos à comparação mais importante entre o petróleo e os dados: o procedimento que permite transformar o petróleo bruto em outros produtos que são úteis é feito nas refinarias através de processos físico-químicos. Já o procedimento que permite extrair informações valiosas dos dados brutos é realizado por computadores, através de programas. O recurso mais valioso do mundo segundo a The Economist é “refinado” por programadores, e isso é mais uma evidência do impacto que aprender a programar pode ter na vida das pessoas. A análise de dados pode ser aplicada em todos os negócios e todas as indústrias no planeta, ao revelar informações importantes para elas.

Por isso a oportunidade de inclusão social através da programação está batendo na nossa porta. Se pararmos para pensar bem, na verdade, o recurso mais valioso do mundo nunca foi o petróleo, e também não são os dados. O recuso mais valioso são as pessoas. Tudo o que é feito é feito por pessoas, para pessoas. Pessoas produzem os dados, pessoas escrevem os algoritmos que os analisam, e pessoas usam a informação. Com uma nova economia baseada em dados crescendo a todo vapor no mundo, temos que fazer com que todas as pessoas possam participar ativa e conscientemente nela. Para isso, o começo é que todos tenham noções básicas de programação, e universalizar esse conhecimento é justamente a missão da Loopye.