4 líderes sindicais e o que você pode aprender com eles

Por Ana Betriz Felicio e Rafhaella Bonadio

Ser líder é uma tarefa difícil, afinal de contas, são muitas pessoas seguindo o seu exemplo. Durante a história dos sindicatos no mundo e no Brasil, várias pessoas se destacaram, sejam pelo “bom” ou o “mau” comportamento.Então, pensando nisso, a gente decidiu te contar a história de 4 caras que foram líderes importantes do movimento sindical e, concordando ou não, com as suas ideologias, tentar destacar lições que podemos aprender com cada um deles. 
Não nos cabe aqui julgar suas ações ou formas de ver o mundo, o importante é tentar contextualizar o momento histórico a qual estavam inseridos e porque eles se destacaram em meio a tanta gente. Vamos nessa?

Lech Wałęsa

Foto retirada do vídeo Breaking Communism

Lições práticas: Lutar pela liberdade de expressão; Ter aliados poderosos; exercer o carisma.

Lech Wałęsa foi uma importante figura da política da Polônia, que acabou chamando atenção do mundo nos anos 80. Durante o acirramento da briga ideológica entre o chamado “mundo livre” oriental e a “cortina de ferro” da União Soviética, Walesa liderou e fundou o “Solidariedade”, sindicato que ajudou a desestabilizar o comunismo na URSS.

Nesse período, a Polônia funcionava como um satélite da União Soviética e o Solidariedade nasce para lutar por liberdade política, de expressão e de religião.

Walesa organizou os trabalhadores e chegou a ser preso pelo regime comunista. Em 1983, ganhou o Nobel da Paz pela sua busca por “liberdade”. O cientista político Luís Gabriel Vital explica que “Essa luta do Solidariedade foi importante para construir na Polônia a tentativa de restauração da chamada ‘democracia liberal representativa’ e o papel de Walesa foi muito importante, porque a partir desse movimento sindical ele alavancou toda uma onda, digamos assim, de questionamentos políticos, trabalhistas, sociais em praticamente todo aquele leste europeu”. Vale salientar que a luta do Solidariedade ganhou apreço do ocidente, principalmente dos Estados Unidos, que eram contrários a ideologia soviética.

A Igreja católica apoiava o Solidariedade, o movimento sindical da Polônia. | Foto: ocaisdamemoria.com

Ter bons aliados foi fundamental para Walesa. A igreja católica desempenhou um papel fundamental tanto no apoio ao movimento sindical como na queda do comunismo no leste europeu. “O Papa João Paulo II, era polonês e teve um papel determinante para a luta contra o mundo soviético”, salienta Vital. Em janeiro de 1981, Walesa chegou a visitar o Vaticano e foi recebido pelo Papa.

Enquanto o “Solidariedade” ganhava mais notoriedade, Walesa construía sua imagem como um dos principais líderes sindicais do mundo e usava um dos tipos puros de dominação de acordo com Weber para ganhar mais adeptos de sua ideologia: o Carisma.

O governo soviético enfraquecia e chegava perto do fim. Depois do desmoronamento do Bloco Leste, a democracia voltou a Polônia e em 9 de dezembro de 1990, Walesa foi eleito presidente. Todavia, seu mandato não foi como esperado. Luís explica que “Ao longo desse processo de institucionalização do Solidariedade, você vai afastando esse líder das suas massas e mais, esse líder vai ser coptado pelo sistema, então no frigir dos ovos, o próprio Walesa teve um fim catastrófico, porque não produziu grandes avanços econômicos na sociedade polonesa, não trouxe grandes mudanças na estrutura social da Polônia e paulatinamente foi associado a corrupção”.

Tudo isso acarretou num processo de reorganização das forças e movimentos conservadoras e de direita na Polônia.

Liderar movimentos sindicais nos anos 80, levar a luta do sindicato para a esfera política, chegar à presidência. Espera aí: essa história está meio parecida com alguma que a gente já conhece, não é mesmo?

Luiz Inácio Lula da Silva

Foto: Divulgação

Lições práticas: Persistência; boa oratória; resiliência.

Aos 15 anos o jovem Luiz aprendeu uma profissão: aprendiz de torneiro mecânico. Naquela época, o menino nem imaginava que lideraria um dos movimentos sociais mais importantes da história do Brasil: as greves do ABC paulista no final da década de 70.

Enquanto Walesa nascia com o Solidariedade na Polônia, Lula surgia na América Latina com o PT e a CUT. Uma das grandes diferenças era a ideologia que cada um defendia. Lula nunca se declarou comunista, mas o movimento sindical do ABC lutava contra a ditadura militar que o Brasil enfrentava na época e se posicionava contra o capital e a burguesia. Já Walesa, lutava contra o comunismo. “São dois líderes sindicais importantes, que mudaram os seus países, mas que buscavam de alguma maneira uma conjunção hegemônica ou pelo menos, uma projeção global como o grande líder dos trabalhadores naquele período, com concepções diferentes”, comenta Luís Gabriel.

Lula foi a maior expressão em liderança sindical do Brasil e inspirou na população a ideia de que o pobre também poderia ter voz e modificar o país. Sua oratória encantava multidões e aqueceu o coração de muitos grevistas durante o período. Chegou a ser preso com base na Lei de Segurança Nacional.

Cena extraída do filme “ABC da Greve”, de Leon Hirszman.

Depois do fim da ditadura, o metalúrgico concorre a presidência em 1989, quando é derrotado por Collor, após uma edição tendenciosa feita pela Rede Globo do debate presidencial (mas isso é assunto para outra matéria). Concorre novamente em 1994 e 1998, perdendo para FHC, até que em 2002 é eleito com recorde de 50 milhões de votos!

Foi reeleito em 2006 e seus mandatos renderam e rendem até hoje controvérsias tanto para a camada conservadora da sociedade, como para aqueles que se posicionam mais a esquerda e entendem que por mais que Lula tenha tomado boas medidas para população pobre, ainda ficou muito a se fazer. Recentemente, o nome do ex-presidente foi associado a corrupção.Em 12 de julho de 2017, Lula foi condenado em primeira instância a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro devido a Operação Lava Jato, o caso ainda está sendo avaliado e por enquanto, ele segue em liberdade.

De qualquer forma, a luta de Lula nos movimentos sindicais serviu de exemplo para muitos que vieram depois dele e é incontestavelmente uma das figuras mais importantes da história do Brasil.

Joaquinzão CGT — O Pelego

Lições práticas: Ser conciliador; mudar de lado pra salvar a própria pele.

Definição do dicionário Dicio Online:
 [Brasil] Pele de carneiro a que se deixa ainda aderente a lã. (Serve para tapete, ornamentação etc.).
 [Popular] e Pej. Denominação dada a membros de sindicatos que agiam sob inspiração do Ministério do Trabalho ou de políticos ditos trabalhistas.

Joaquim dos Santos Andrade, mais conhecido como Joaquinzão, nasceu em São Paulo em 1926. Estudou em externatos, fez cursos de formação profissional e engajou-se ainda cedo na vida sindical. Em 1965 foi eleito presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e foi também presidente da CGT — Central Geral dos Trabalhadores de 1986 a 1991. Joaquinzão apoiou a Ditadura Militar, tempo em que diversos sindicatos sofreram intervenções militares e tiveram seus líderes cassados, muitas vezes presos e até exilados do país.

Por assentir o movimento político-militar, em 1970 ganhou um rótulo: o símbolo do peleguismo no Brasil. Isto porque “Joaquinzão sempre atuou muito mais como um elemento de conciliação e amortecimento das contradições entre trabalhadores e classe burguesa, quase sempre omitindo qualquer tipo de discussão ou vinculação das reivindicações econômicas e com o regime ditatorial que existia no Brasil”, explica Luís.

A palavra “pelego” significa o pano que evita o conflito entre o cavaleiro e a sela do cavalo. Neste caso, Joaquinzão era quem “amortizava” o contato entre trabalhadores e a classe empresarial. “Ele fazia acordos com a classe dominante e a classe trabalhadora, ele não ia para o confronto, ele amortizava, evitava”, acrescenta.

Charge sobre o sindicalista Pelego (autor desconhecido). A prática era comum na época da ditadura, mas você conhece alguém assim hoje em dia?

Grosso modo, Joaquinzão era uma espécie de “puxa-saco” do governo, da classe empresarial e basicamente um traidor dos trabalhadores. Considerado “lobo na pele de cordeiro”, de qualquer forma, fez o que fez para manter-se no sindicato (e conseguiu).

Vicentinho da CUT

Lições práticas: Carisma; luta por igualdade racial.

Vicente Paulo da Silva, conhecido também por Vicentinho, nasceu no Rio Grande do Norte em 1956. É um líder sindical e também político brasileiro. Começou sua carreira sindical filiando-se ao Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas do ABC em 1977. Em 1981 foi eleito vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema, onde trabalhou conjuntamente com Lula.

Em 1983 foi cassado pelo movimento político-militar e o Sindicato acabou por sofrer uma intervenção. Vicentinho viu de perto a fundação da CUT — Central Única dos Trabalhadores, onde foi eleito presidente em 1994.

Durante seu combate sindical, quando presidente da CUT, Vicentinho assumiu o trabalho de lutar pelo direito dos trabalhadores e destacou também sua “preocupação” quanto a questões raciais. Logo no início de seu mandato organizou uma marcha em relação à discriminação racial. Como primeiro negro a presidir os sindicatos dos Metalúrgicos do ABC e Cut, Vicentinho impôs a luta pelo movimento negro no Brasil e ainda fundou o Instituto Sindical Interamericano Pela Igualdade Racial no Trabalho.

“Eu diria que Vicentinho foi o herdeiro mais beneficiado pelo legado do Lula no ABC. Fez toda sua trajetória dentro do Sindicato dos Metalúrgicos no ABC, ligado também a uma igreja católica. Nordestino como Lula, negro, se destacou pela sua competência e carisma e foi ainda o grande herdeiro político de Lula. Até hoje ele continua com uma base eleitoral muito forte no ABC paulista, em São Bernardo de forma clara”, comenta Luis Gabriel.

Vicentinho é atualmente Deputado Federal pelo PT/SP | Foto: cnttl.org.br

Vicentinho foi também um dos fundadores do PT, participou de diversas comissões e no ano de 2014 foi eleito líder do Partido dos Trabalhadores: o único negro a ser um líder partidário do parlamento.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.