Família, um exercício de Santidade: O apostolado de São Luis Martin e Santa Zélia Guérin

Viver em família é um aprendizado constante, desde o primeiro momento quando um homem e uma mulher unem-se com esta finalidade, eles começam abrindo mão de si, para que um nós seja construído. Este nós deve ter como norte um caminho certo, algo que faça os sofrimentos diários serem aceitos de uma maneira calma e serena. O sacrifício da cruz deve ser entendido e vivido por cada um. São nos momentos de dor, onde vemos nossa alma rasgada, que temos certeza que estamos aprendendo a amar.

O objetivo principal da família é povoar o céu. Na família existe um vinculo que une e transforma as pessoas. Este vinculo é alimentado pela oração e ajuda mutua,assim os seus membros buscam trilhar este caminho.

São Luis Martin nasceu em 22 de agosto de 1823 e Santa Zélia Guérin nasceu em 23 de dezembro de 1831. Ambos filhos de militares e de famílias profundamente católicas.

Santa Zélia Guérin era de uma família muito rígida e pobre, existe o relato de que ela nunca teve uma boneca na infância, mas esta nunca lhe fez falta. Zélia era muito ligada a suas irmãs, a mais velha em especial era inseparável.

Aos vinte anos, Santa Zélia começou a trabalhar como rendeira e seu negócio começou a prosperar. Ela recebia muitas encomendas, e por isso precisou contratar outras funcionárias. Zélia atendia as encomendas e dava aulas deste ofício.

São Luis e Santa Zélia eram profundamente religiosos, ambos queriam seguir a vida religiosa. Porém, Luis não foi aceito no monastério por não saber latim e Zélia não foi aceita por ser muito magra e frágil.

Os dois se conheceram andando em uma ponte, e naquele instante Zélia teve a certeza de que Luis era o homem de sua vida, os dois noivaram e casaram em apenas 3 meses.

Depois de casados, constataram que o objetivo verdadeiro do casamento é construir em casa um ambiente santo, que caminhe todos os dias para o céu.

Luis era relojoeiro, oficio que gostava muito, mas com o passar do tempo, ao ver o negócio de Zélia crescer, ele fechou a loja e foi trabalhar com ela. Luis trabalhava na administração da loja de Zélia.

Casados tiveram 9 filhos, destes 4 morreram ainda muito pequenos. A morte dos 4 filhos trouxe um grande sofrimento para o casal. Um aspecto marcante na vida deste casal era a dedicação a Deus, ao trabalho e a família. Santa Zélia escreveu muitas cartas ao longo de sua vida, nelas está descrita a profunda vida de oração do casal. O amor que um sentia pelo outro também aparece nelas, o carinho é descrito como dois jovens namorados.

Leonia, uma das filhas do casal, e irmã de Santa Teresinha, tinha um temperamento muito forte e teve grandes dificuldades na relação com a mãe, mas Zélia sempre foi paciente e buscou a salvação da alma dos filhos.

Santa Zélia adoeceu, e faleceu em 1877.

São Luis sofreu profundamente com a morte da esposa, e se viu sozinho com as 4 filhas. Neste momento, decidiu mudar-se para Lisieux, para cria-las com ajuda de um cunhado.

Ao chegar em Lisieux, Paulina, uma das filhas, decide entrar para o carmelo. Em seguida Maria, a mais velha, opta pelo mesmo caminho. São Luis e Santa Teresinha sofrem profundamente.

Ao completar 14 anos Santa Teresinha entra no carmelo, este fato é de grande importância, porque pela idade as freiras não a admitem. Em respeito a verdadeira vocação da menina, o pai, com auxilio dos bispos, a guia para o carmelo. Depois de Teresinha, Celina segue o mesmo caminho das irmãs e Leonia vai para o convento das Visitandinas.

A ida das filhas ao convento foi muito sofrida para São Luis, ele sofreu profundamente a partida de cada filha. Por um lado ele sofria, mas por outro se alegrava, pois sabia que todas seguiram o caminho de Deus.

Depois da partida da ultima filha São Luis vai a igreja, em lagrimas e diz em frente a cruz que o Senhor o ensinasse a sofrer por ele.

No ano de 1889, Luis teve uma artério-esclerose grave seguida de paralisias e derrames. Ele entregou a Deus cada dor e sacrifício, ao longo de toda sua vida Deus estava presente em momentos alegres e tristes. Em 1891 São Luis foi internado em um hospital psiquiátrico para receber os melhores tratamentos e em 1894 veio a falecer.

O processo de beatificação de São Luis e Santa Zélia foram dados em separado, mas São João Paulo II os uniu como casal. Foram canonizados em 2015 pelo Papa Francisco.

A festa de São Luis e Santa Zélia é comemorada no mundo inteiro no dia 12 de julho, dia do casamento deles.

Uma característica marcante na vida deste casal é a busca incessante a Deus e a profunda entrega ao céu. Quando lemos e conhecemos a historia deles podemos ver Deus presente em todos os momentos, a santidade de ambos aparece na forma com que as alegrias e tristezas eram vividas. Também na educação dos filhos e no lindo fruto desta educação.

Santa Teresinha dizia que: “O bom Deus me deu dois pais mais dignos do céu do que da terra”.

Que o lindo apostolado de São Luis e Santa Zélia possam orientar nossos dias.

Fontes:

http://www.vatican.va/news_services/liturgy/saints/2008/ns_lit_doc_20081019_martin-guerin_po.html